Google+ Followers

sexta-feira, 4 de março de 2016

Museo delle Culture, Switzerland. --- Museu da Cultura, Suíça.

The Museo delle Culture safeguards most of the ethnic artworks collected by Swiss Italian artist Serge Brignoni (1903-2002) between 1930 and 1985. In 1985 Brignoni donated his collection to the City of Lugano. The City decided to house the Brignoni collection in the Villa Heleneum, an outstanding neoclassical mansion set in a tropical and subtropical botanical garden, thus creating the Museo delle Culture (the Museum of Cultures). The museum was first opened to the public on the 24th of September 1989.

The Laboratory for Conservation 



Brignoni and a team of researchers headed by Christian Giordano (who was appointed museum director), carried out the inventory of the artworks, set up the museum and curated the first catalogue. In 1992 Giordano resigned and Carla Burani took over until 1996. During the following ten years the museum was neglected by the City’s cultural policy and risked closure. However, the local press revealed a proposal to sell the collections and this sparked a wave of public protest in the summer of 2004. The new local government decided to relaunch the museum by appointing Francesco Paolo Campione as curator and later as director. In October 2005, Professor Campione presented a proposal called The Activity System,which remains the basis of the museum's current scientific management. 



From Museo delle Culture Extraeuroeeto Museo delle Culture

During a hearing session on the 10th of January 2007, the City of Lugano approved the proposal of changing the museum's name from “Museo delle Culture Extraeuropee” (Museum of Extra-European Cultures) to “Museo delle Culture” (The Museum of Cultures). This decision was based on the need to revise an anachronistic and, in a certain sense, incorrect definition. 

The name “Museo delle Culture Extraeuropee” did not convey the true nature of the museum’s collections, nor any specific aim. In fact, this name was the result of an ideological compromise which characterized the history of anthropological thought in the 1970s and 1980s. “Museo delle Culture Extraeuropee” was a solution designed to surpass the old definitions of “Ethnographical Museum”, “Museum of Ethnology” and“Museum of Primitive Arts”. Towards the mid 1980’s, these definitions seemed to carry a heavy weight of ‘otherness’, determined on the basis of an ethnocentric worldview. Such terminology did not express the definitive absorption of ethnological/ethnographic paradigms into the much wider field of anthropological sciences. The deliberate choice of “Museo delle Culture” (Museum of Cultures) conveys the museum's cultural patrimony from a scientific point of view. The name also underlines the museum’s vital task of exploring all forms of ancient and modern ethnic art, as well as Oriental Art and modern themes within the field of the Anthropology of Art and Cultural Anthropology.







Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.








--br via tradutro do google

Museu da Cultura, Suíça.
As salvaguardas Museo delle Culture maioria das obras de arte étnicas recolhidos pelo artista italiano Swiss Serge Brignoni (1903-2002) entre 1930 e 1985. Em 1985 Brignoni doou sua coleção à cidade de Lugano. A cidade decidiu abrigar a coleção Brignoni no Villa Helen Eum, uma mansão neoclássica excelente situado num jardim botânico tropical e subtropical, criando assim o Museo delle Culture (o Museu das Culturas). O museu foi aberto pela primeira vez ao público no dia 24 de Setembro de 1989.

Brignoni e uma equipe de pesquisadores liderados por Christian Giordano (que foi nomeado diretor do museu), realizou o inventário das obras de arte, criou o museu e curador da primeira catálogo. Em 1992, Giordano renunciou e Carla Burani assumiu até 1996. Durante os dez anos seguintes o museu foi negligenciado pela política cultural da cidade e arriscou encerramento. No entanto, a imprensa local revelou uma proposta para vender as coleções e isso provocou uma onda de protesto público no verão de 2004. 

O novo governo local decidiu relançar o museu através da nomeação de Francesco Paolo Campione como curador e mais tarde como diretor. Em outubro de 2005, o professor Campione apresentou uma proposta chamado sistema de atividade, que continua a ser a base da gestão científica atual do museu.

De Museo delle Culture Extraeuroeeto Museo delle Culture

Durante uma sessão de audiência no dia 10 de Janeiro de 2007, a cidade de Lugano aprovou a proposta de mudar o nome do museu do "Museo delle Culture Extraeuropee" (Museu de Culturas extra-europeus) para "delle Cultura Museo" (O Museu das Culturas) . Esta decisão baseou-se na necessidade de rever uma anacrônica e, em certo sentido, a definição incorreta.

O nome "Museo delle Culture Extraeuropee" não transmitir a verdadeira natureza das coleções do museu, nem qualquer objectivo específico. Na verdade, este nome foi o resultado de um compromisso ideológico que caracterizou a história do pensamento antropológico na década de 1970 e 1980. "Museo delle Culture Extraeuropee" foi uma solução projetada para superar as velhas definições de "Museu Etnográfico", "Museu de Etnologia" e "Museu de Artes Primitivas". Rumo a meados de 1980, essas definições parecia carregar um peso pesado do "outro", determinado com base em uma visão de mundo etnocêntrica. Essa terminologia não expressou a absorção definitiva de paradigmas etnológicas / etnográficos para o campo muito mais amplo das ciências antropológicas. 

A escolha deliberada de "Museo delle Culture" (Museu das Culturas) transmite o patrimônio cultural do museu a partir de um ponto de vista científico. O nome também sublinha tarefa vital do museu de explorar todas as formas de arte antiga e moderna étnica, bem como Arte Oriental e temas modernos dentro do campo da Antropologia da Arte e Antropologia Cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário