Google+ Followers

sábado, 7 de maio de 2016

Off the Beat and Into a Museum: Art Helps Police Officers Learn to Look. --- Em um museu: a arte ajuda dos agentes da polícia aprender a olhar.

To teach people how to notice details they might otherwise miss, Amy E. Herman, an expert in visual perception, likes to take them to museums and get them to look at the art. Recently she escorted a group of New York City police officers to the Metropolitan Museum of Art and asked them to describe some of the things they saw.

They did their best. “This seems to be a painting of some males with horses,” one officer said of Rosa Bonheur’s mid-19th-century work “The Horse Fair,” a scene of semi-chaos as horses are driven to market. He tried to abide by Ms. Herman’s admonishment to avoid words like “obviously.” “It appears to be daytime, and the horses appear to be traveling from left to right.”

Another pair of officers tackled Picasso’s 1905 “At the Lapin Agile,” which depicts a wilted-looking couple sitting at a French bar after what might have been a long night out. “They appear to have had an altercation,” one observed. The other said, “The male and female look like they’re together, but the male looks like he’ll be sleeping on the couch.”

The officers asked that their names not be used because they were not authorized to speak to reporters. They said that they did not know much about art — their jobs allow little opportunity for recreational museumgoing — and Ms. Herman said she preferred it that way.


“I’ve had people say, ‘I hate art,’ and I say, ‘That’s not relevant,’” she said. “This is not a class about Pollock versus Picasso. I’m not teaching you about art today; I’m using art as a new set of data, to help you clear the slate and use the skills you use on the job. My goal when you walk out the door is that you’re thinking differently about the job.”

A painting has many functions. It’s a cultural artifact, an aesthetic object, an insight into a time and a place, a piece of commerce. To Ms. Herman, it’s also an invaluable repository of visual detail that can help shed light on, say, how to approach a murder scene. “It’s extremely evocative and perfect for critical inquiry,” she said in an interview. “What am I seeing here? How do I attach a narrative to it?”

Before unleashing the officers in the galleries, she talked to them in a classroom in the Met’s basement. She put up a slide of “Mrs. John Winthrop,” a 1773 portrait by John Singleton Copley. The painting, showing a woman sitting at a table holding little pieces of fruit, is considered a masterpiece of fine detail — the intricacy of the lace trim on the lady’s gown, the rich decorations on her hat. But there’s a detail that’s so obvious, or maybe so seemingly irrelevant, that most people fail to mention it in their description.Continue reading the main story


“Everyone sees that this is a woman with fruit, and 80 percent miss the mahogany table,” she said. (They also miss the woman’s reflection in the veneer.)

Ms. Herman also displayed a pair of slides featuring reclining nudes: Goya’s “The Nude Maja” (1797-1800) and Lucian Freud’s 1995 “Benefits Supervisor Sleeping,” who is very fat. Ms. Herman asked the group to compare the pictures. “Most cops, when I ask this question, say it shows someone before and after marriage,” she said.

Several officers raised their hands.

“Uh, the woman at the bottom is more generously proportioned,” one said.

“She is morbidly obese,” said another.

“Right!” Ms. Herman said. “Don’t make poor word choices. Think about every word in your communication.”

Ms. Herman, who has a new book out, “Visual Intelligence: Sharpen Your Perception, Change Your Life,” came to her vocation in a roundabout way. She worked first as a lawyer, did not like it, took a job in the development office at the Brooklyn Museum and then moved to the Frick Collection. Earning a master’s degree in art history at night at Hunter College, she eventually became head of the Frick’s education department.

There, inspired by a program in which Yale medical students studied works of art to better observe their patients, she helped devise a similar program for the Frick. Eventually she moved beyond medicine. She has been offering the courses full time as her own business since 2011; her clients include federal and local law enforcement agencies across the country, as well as medical students and business executives.Photo

Amy E. Herman, an expert in perception, guiding a group of New York City police officers in a class at the Metropolitan Museum of Art. CreditSam Hodgson for The New York Times


Steve Dye, chief of police at the Grand Prairie Police Department in Texas, brought in Ms. Herman recently to talk to a group of officers from the region. He said her presentation was invaluable in showing the officers how to better observe and document their findings accurately and free from bias.

“Some of the works of art she showed us, we wouldn’t notice the finer details,” he said. “And we’re supposed to be professional observers.”

When forced to deconstruct paintings in group settings, people from different professions tend to respond differently.

“The law enforcement community is much more forthcoming,” Ms. Herman said. “Cops will outtalk you every time. Doctors and medical students are much more inhibited. They don’t want to be wrong, and they never want to show that they are ignorant about anything.”

The New York Police Department is one of Ms. Herman’s most important clients. She tailors her presentations to her audiences, and they are on the regular training curriculum at the detective bureau and the training bureau at the Police Academy; other divisions use her services from time to time. In general, her program is voluntary rather than mandatory.

“Amy reminds officers to explore outside the box,” said Police Officer Heather Totoro, who added that the program helped officers in training because of its “uniqueness and power.”

“She taps into officers’ unique sixth sense, teaching them to tell her what they see, not what they think.”

Law enforcement officials tend to view the works through the lens of the job: Who has done what to whom? Where is the perp?

“Sometimes they’ll say, ‘We have an E.D.P. here’ — an emotionally disturbed person,” Ms. Herman said. Once she showed some officers El Greco’s “The Purification of the Temple,” which depicts Jesus expelling the traders and money-changers amid turmoil and mayhem.

“One cop said, ‘I’d collar the guy in pink’” — that would be Jesus — ‘“because it’s clear that he’s causing all the trouble.’”

Among the works she finds most interesting as a learning tool is Vermeer’s exquisitely ambiguous “Mistress and Maid,” a 1666-7 portrait of a lady seated at a table, handing over (or being handed) a mysterious piece of paper. “There are so many different narratives,” she said. “The analysts come away asking more questions than answers — ‘Who’s asking the question? Who’s doing the talking? Who’s listening?’ The cops will say, ‘It’s a servant asking for the day off.’”

She also likes “House of Fire,” a 1981 painting by James Rosenquist that has three absurdist parts: an upside-down bag of groceries, a bucket under a window shade, and a group of aggressively thrusting lipsticks. “It’s really conducive to good dialogue,” she said. “How many times do officers have to make order out of chaos? So many times in our work we come across things that don’t have a coherent narrative.”

The officers in the class seemed impressed, both by Ms. Herman and by their grand surroundings.

One officer said that she had learned “how to sit down with colleagues and deal with the fact that you can perceive things so differently from each other.” It was her first trip to the Met, or indeed to any art museum.

“I didn’t know what to expect,” she said. “It’s very Thomas Crown-ish, isn’t it?”







Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti





--br via tradutor do google

Fora 
a batida e em um museu: arte ajuda dos agentes da polícia aprender a olhar.

Para ensinar as pessoas a perceber detalhes que poderiam perder, Amy E. Herman, um especialista em percepção visual, gosta de levá-los para museus e levá-los a olhar para a arte. Recentemente, ela escoltado um grupo de New York City policiais para o Metropolitan Museum of Art e pediu-lhes para descrever algumas das coisas que viram.

Eles fizeram o seu melhor. "Esta parece ser uma pintura de alguns homens com cavalos", disse um oficial do trabalho de meados do século 19 de Rosa Bonheur "A Feira do Cavalo," uma cena de semi-caos como cavalos são levados a mercado. Ele tentou obedecer a advertência da Sra Herman para evitar palavras como "obviamente." "Parece ser diurna, e os cavalos parecem estar viajando da esquerda para a direita."

Outro par de oficiais abordado de 1905 Picasso "No Lapin Agile", que retrata um casal murcha-olhando sentado em um bar francês após o que poderia ter sido uma longa noite fora. "Eles parecem ter tido uma briga," observada. O outro disse: "O homem e mulher olhar como eles estão juntos, mas o macho parece que ele vai estar dormindo no sofá."

Os oficiais pediram que seus nomes não podem ser utilizados porque eles não estavam autorizados a falar com repórteres. Eles disseram que não sabia muito sobre a arte - seus empregos permitem pouca oportunidade para museumgoing recreativo - e Ms. Herman disse que ela preferia que fosse assim.

"Eu tive as pessoas dizem, 'Eu odeio arte', e eu digo, 'Isso não é relevante", disse ela. "Esta não é uma aula sobre Pollock contra Picasso. Eu não estou lhe ensinando sobre a arte hoje em dia; Eu estou usando a arte como um novo conjunto de dados, para ajudá-lo a limpar a lousa e usar as habilidades que você usa no trabalho. Meu objetivo quando você sair pela porta é que você está pensando de forma diferente sobre o trabalho. "

A pintura tem muitas funções. É um artefato cultural, um objeto estético, uma visão de um tempo e um lugar, um pedaço de comércio. Para Ms. Herman, é também um repositório inestimável de detalhe visual que pode ajudar a lançar luz sobre, digamos, como abordar uma cena de assassinato. "É extremamente sugestiva e perfeito para investigação crítica", disse ela em uma entrevista. "O que estou vendo aqui? Como anexar uma narrativa a ele? "

Antes de libertar os oficiais nas galerias, ela falou com eles em uma sala de aula no porão do Met. Colocou-se uma lâmina de "Mrs. John Winthrop, "um retrato 1773 por John Singleton Copley. A pintura, que mostra uma mulher sentada em uma mesa segurando pequenos pedaços de frutas, é considerado uma obra-prima do detalhe fino - a complexidade da guarnição do laço no vestido da senhora, as decorações ricas em seu chapéu. Mas há um detalhe que é tão óbvio, ou talvez tão aparentemente irrelevantes, que a maioria das pessoas não conseguem mencioná-lo em sua description.Continue lendo a história principal





"Todo mundo vê que esta é uma mulher com fruta, e 80 por cento perca mesa de mogno", disse ela. (Eles também perca a reflexão da mulher no verniz.)

Ms. Herman também exibiu um par de lâminas que caracterizam nus reclinados: Goya, "The Nude Maja" (1797-1800) e de Lucian Freud 1995 "Benefícios Supervisor de sono", que é muito gordo. Ms. Herman pediu ao grupo para comparar as imagens. "A maioria dos policiais, quando faço esta pergunta, dizem que mostra alguém antes e depois do casamento", disse ela.

Vários oficiais levantaram as mãos.

"Uh, a mulher na parte inferior está mais com proporções generosas", disse um deles.

"Ela é obesidade mórbida", disse outro.

"Certo!", Disse Herman. "Não faça escolhas de palavras pobres. Pense sobre cada palavra em sua comunicação ".

Ms. Herman, que tem um novo livro, "Visual Intelligence: Aguçar sua percepção, mude sua vida", veio à sua vocação de uma forma indireta. Ela trabalhou primeiro como advogado, não gostou, conseguiu um emprego no escritório de desenvolvimento no Museu do Brooklyn e, em seguida, mudou-se para a Frick Collection. Ganhando um mestrado em história da arte à noite no Hunter College, que ela se tornou chefe do departamento de educação da Frick.

Lá, inspirado por um programa em que os estudantes de medicina de Yale estudou obras de arte de observar melhor seus pacientes, ela ajudou a conceber um programa semelhante para o Frick. Eventualmente, ela mudou-se para além da medicina. Ela tem vindo a oferecer os cursos em tempo integral como seu próprio negócio desde 2011; seus clientes incluem agências federais e locais de aplicação da lei em todo o país, bem como estudantes de medicina e executives.Photo negócios

Amy E. Herman, um especialista em percepção, guiando um grupo de policiais de Nova York em uma classe no Metropolitan Museum of Art. CreditSam Hodgson para o The New York Times

Steve Dye, chefe de polícia no Grand Prairie Departamento de Polícia no Texas, trouxe Ms. Herman recentemente para falar com um grupo de oficiais da região. Ele disse que sua apresentação foi inestimável para mostrando os oficiais a melhor forma de observar e documentar as suas conclusões com precisão e livre de preconceitos.

"Algumas das obras de arte que ela nos mostrou, não iria notar os detalhes", disse ele. "E nós estamos suposto ser observadores profissionais."

Quando forçados a desconstruir pinturas em grupo, pessoas de diferentes profissões tendem a responder de forma diferente.

"A comunidade da aplicação da lei é muito mais próxima", disse Herman. "Cops vai outtalk você o tempo todo. Médicos e estudantes de medicina são muito mais inibido. Eles não querem estar errado, e eles nunca querem mostrar que eles são ignorantes sobre qualquer coisa. "

O Departamento de Polícia de Nova York é um dos mais importantes clientes da Sra Herman. Ela adapta suas apresentações para seu público, e eles estão no currículo de formação regular no bureau de detetive e o departamento de formação na Academia de Polícia; outras divisões usar seus serviços ao longo do tempo. Em geral, seu programa é voluntária e não obrigatória.

"Amy lembra oficiais para explorar fora da caixa", disse o oficial de polícia Heather Totoro, que acrescentou que o programa ajudou oficiais em treinamento por causa de sua "singularidade e poder".

"Ela bate em sexto sentido único dos oficiais, ensinando-lhes para lhe dizer o que vêem, não o que eles pensam."

agentes policiais tendem a ver as obras através da lente do trabalho: Quem fez o quê a quem? Onde está o criminoso?

"Às vezes eles vão dizer: 'Nós temos um E.D.P. aqui '- uma pessoa emocionalmente perturbada ", disse Herman. Uma vez que ela mostrou alguns oficiais de El Greco "a purificação do Templo", que retrata Jesus expulsando os comerciantes e cambistas em meio a turbulência e caos.

"Um policial disse, 'Eu tinha colar o cara-de-rosa'" - o que seria Jesus - ' ". Porque é claro que ele está causando todo o problema"

Entre as obras que ela acha mais interessante como uma ferramenta de aprendizagem é ambígua requintadamente de Vermeer "Senhora e empregada doméstica", um retrato 1666-7 de uma senhora sentado em uma mesa, entregando (ou ser entregue) uma peça misteriosa de papel. "Há tantas narrativas diferentes", disse ela. "Os analistas Come Away fazer mais perguntas do que respostas - 'Quem está fazendo a pergunta? Quem está fazendo a falar? Quem está ouvindo? "A polícia vai dizer: 'É um servo pedindo o dia de folga."



Ela também gosta de "House of Fire", uma pintura 1981 por James Rosenquist, que tem três partes absurdas: um saco de cabeça para baixo de mantimentos, um balde sob uma sombra de janela, e um grupo de batons empurrando agressivamente. "É muito propício para uma boa diálogo", disse ela. "Quantas vezes os oficiais têm de colocar ordem no caos? Então, muitas vezes em nosso trabalho nos deparamos com coisas que não têm uma narrativa coerente ".

Os oficiais da classe parecia impressionado, tanto pela Sra Herman e por seus grandes arredores.

Um oficial disse que ela tinha aprendido "como sentar-se com colegas e lidar com o fato de que você pode perceber as coisas de forma diferente um do outro." Foi sua primeira viagem para o Met, ou mesmo para qualquer museu de arte.

"Eu não sabia o que esperar", disse ela. "É muito Thomas Crown-ish, não é?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário