Google+ Followers

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Brazilian culture - CUISINE - BRIDAL CLAY CAPIXABA - Vitória in Espirito Santo, Brazil. --- Cultura brasileira - GASTRONOMIA - PANELA DE BARRO CAPIXABA - de Vitória no Espirito Santo, Brasil.




Tradition and Culture leaving the tastiest food ...

tasty Tradition


The most famous and known clay pots of Brazil are of the Holy Spirit, Brazil, considered one of the popular culture icons Capixaba. In fact, since its origin - the Indian tribes that inhabited the state's coast - until today, the technique of its making and the social structure of craftswomen little changed. The moqueca, a stew of salted grouper with plantain and Capixaba pie, three of the most traditional state kitchen dishes have to be made in clay pot or do not get the same flavor, it is stated unanimously.


Guavas and its "Potters"

Produced mainly in the area known as Old Goiabeiras, located in the northern mainland of the City of Victoria, the edge of the canal that bathes the marsh and surrounds the island, where there are at least a century, has been giving support to dozens of families, the clay pots are essentially domestic industry, women and manual technique which passes from mother to daughter through the generations.


They are made teapots, cauldrons, pizza shapes, deep pot for rice pot for beans, roasters, cliques for sauces, broths and peppers, stoves, safes, pots, dishes, but the main product is the traditional circular pan with handle cover (with diameters between 22 and 28 cm, respectively, for two to four people), which are prepared and served the stew and the capixaba pie, typical dishes of regional cuisine. Large pans are called mothers, young daughters. To facilitate storage, acondicionam small within the large, forming a "married". Some models have two or four wings, called "ears", to facilitate handling of the cooker and the table. Use is also supporting the pots in iron frames, when brought to the table.


The production process of Goiabeiras pots retains all the essential features that identify with the practice of indigenous groups in the Americas before the arrival of Europeans and Africans. The pots are still shaped by hand with clay always from the same source and with the help of rudimentary tools. After drying in the sun, they are polished, burned in the open and waterproofed with tannin dye, when still warm. Its symmetry, the quality of its workmanship and its effectiveness as an artifact are due to peculiarities of the clay used and the technical knowledge and skill of the potters, practitioners of this knowledge for generations.


The ceramic technique is known for archaeological studies as a cultural legacy Tupi-Guarani and Una2, with more elements identified with the latter. The knowledge was appropriated from the Indians by settlers and descendants of African slaves who came to occupy the edge of the mangrove forest, territory historically identified as a place to produce clay pots. The Saint-Hilaire naturalist visited the region in 1815 and made the first reference to these pans, described as "terracotta boiler, very low edge and shallow bottom," used to toast flour and manufactured "in a place called Goiabeiras, near capital of the Holy Spirit. " Goiabeiras is therefore the place where that craft of making pots is by tradition. There were found ceramic archaeological sites, remnants of indigenous occupation, on top of the small hill known as Morro Boa Vista and near the airport Goiabeiras.


Although Saint-Hilaire did not mention the stew pans, probably at the time of its passage already made pans for cooking seafood, as this is the primary and predominant food of the natives of the area since prehistoric times. As reported by the scholars of cuisine and local identity, "The middens, the protocapixaba left in various parts of the coast of the Holy Spirit (...) are, in essence, a mass of shells matches and mollusc shells ... these millennial processes seafood collection persist among us with undying force. They are, today, everyday scenes on the beaches, mangroves and coastal rocks [State]. "4 Vestiges of these middens, lots of compounds quartz chips and oyster shells were identified in 2005 during the construction of the new runway at Goiabeiras airport.


Permanent consumption and reiterated the fish stew and the Holy Week pie, valued by capixabas as a reference in the formation of their cultural identity, is probably one of the main reasons for the historical continuity of the artisanal production of clay pots, despite notable occurred urban transformations . The city grew to Goiabeiras, which turned into an urbanized district of Victoria. But there continue to be made, as always, the black pots. As the city grew, the potters were gradually professionalizing and making his office the most visible cultural and economic activity of the place.

Craftswomen, about 120, that previously worked individually on their own homes today, more organized, are grouped in the Association of Potters of Goiabeiras, a kind of cooperative. It is a shed where each independently produces and markets its own parts. In the economic aspect, the income they receive, is significant in the context of the maintenance of their families.

The Association of Potters has become one of the sights of the city and is visited regularly by tourists interested in acquiring the pieces and see how they are made. The crock pot is recognized nationally and internationally as popular art object, and December 20, 2002, the registration of the Office of Potters of Goiabeiras. inaugurated the Record Book of Knowledge (legal instrument of recognition and preservation of cultural assets of an intangible nature, created in August 2000) and was declared Cultural Heritage of Brazil by IPHAN (Institute of Historical and Artistic Heritage).

As a promotional event of his craft and its products, there is the Annual Fair of Potters of Goiabeiras, held since 1987 by the Association of Potters, with the encouragement of the Spirit-Santense Association of Folklore and financial support from the State Government and the City Hall city ​​of Victoria. During the four days of the fair, they sell the pots, cook and serve fish stew, amidst performances of popular singers and bands congo.

So you make sure you are getting a genuine product, the Victory of county Hall created the QUALITY SEAL OF CLAY POTS, which guarantees product quality. Require the Seal of Authenticity, and take home a pot that will keep food warm for a long time because it is refractory.

The growing demand for the product is stimulating its imitation by techniques include the use of and around the furnace, which increases the rate of production and lowers the final price of the competing product. Although resembles in color and shape to Goiabeiras pots, these other do not offer the same resistance to impact and those temperature not carry the identity and the seal tradition.

Association of Potters of Goiabeiras

Situated on the edge of the mangrove forest, the current Shed of the Potters Association was inaugurated in 1991. It was built by the city, to replace the first (1987) which was constantly flooded with the rising tide. It has a covered area of ​​432m2, designed to store and prepare raw materials and house the desks for modeling, drying and polishing pans, and deposits and benches for finished products. In the yard next to the shed on the edge of the mangrove forest, it is made of burning pots. Production is constant and all parts produced are sold to tourists and the population of Greater Victoria. Sales are made directly in the shed of the Association of Potters and the craft shops.




video - 3:40 min 



No vídeo acima, assista como são produzidas as /
panelas de barro das Paneleiras de Goiabeiras, /
no Estado do Espírito Santo, Brasil

video - 3:40 min 










Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor

Vamos compartilhar.






--br
Cultura brasileira - GASTRONOMIA - PANELA DE BARRO CAPIXABA - de Vitória no Espirito Santo, Brasil.
Tradição e Cultura deixando a comida mais gostosa...

Saborosa Tradição

As mais famosas e conhecidas panelas de barro do Brasil são as do Espírito Santo, Brasil, consideradas um dos ícones da cultura popular capixaba. De fato, desde a sua origem – nas tribos indígenas que habitaram o litoral do Estado – até os dias de hoje, a técnica de sua confecção e a estrutura social das artesãs pouco mudou. A moqueca capixaba, a moqueca de garoupa salgada com banana da terra e a torta capixaba, três dos mais tradicionais pratos da cozinha do Estado, têm de ser feitas em panela de barro ou não ficam com o mesmo sabor, afirma-se unanimemente.

Goiabeiras e suas "Paneleiras"

Produzidas, sobretudo, na localidade conhecida como Goiabeiras Velha, situada na parte continental norte do Município de Vitória, à beira do canal que banha o manguezal e circunda a Ilha, onde, há pelo menos um século, vem dando sustento a dezenas de famílias, as panelas de barro têm uma indústria essencialmente doméstica, feminina e manual, cuja técnica passa de mãe para filha através das gerações.

São fabricados bules, caldeirões, formas para pizza, panela funda para arroz, caldeirão para feijão, assadeiras, panelinhas para molhos, caldos e pimentas, fogareiros, cofres, potes, travessas, mas o principal produto é a tradicional frigideira circular com tampa de alça (com diâmetros entre 22 e 28 cm, respectivamente para duas e quatro pessoas), onde são preparadas e servidas a moqueca e a torta capixaba, pratos típicos da culinária regional. As frigideiras grandes são chamadas mães, as pequenas filhas. Para facilitar o armazenamento, acondicionam as pequenas, dentro das grandes, formando uma "casada". Alguns modelos possuem duas ou quatro asas, chamadas de "orelhas", que facilitam o manuseio entre o fogão e a mesa. Usa-se também apoiar as panelas em armações de ferro, quando levadas à mesa.

O processo de produção das panelas de Goiabeiras conserva todas as características essenciais que a identificam com a prática dos grupos nativos das Américas, antes da chegada de europeus e africanos. As panelas continuam sendo modeladas manualmente, com argila sempre da mesma procedência e com o auxílio de ferramentas rudimentares. Depois de secas ao sol, são polidas, queimadas a céu aberto e impermeabilizadas com tintura de tanino, quando ainda quentes. Sua simetria, a qualidade de seu acabamento e sua eficiência como artefato devem-se às peculiaridades do barro utilizado e ao conhecimento técnico e habilidade das paneleiras, praticantes desse saber há várias gerações.

A técnica cerâmica utilizada é reconhecida por estudos arqueológicos como legado cultural Tupi-guarani e Una2, com maior número de elementos identificados com os desse último. O saber foi apropriado dos índios por colonos e descendentes de escravos africanos que vieram a ocupar a margem do manguezal, território historicamente identificado como um local onde se produziam panelas de barro. O naturalista Saint-Hilaire visitou a região em 1815 e fez a primeira referência a essas panelas, descritas como "caldeira de terracota, de orla muito baixa e fundo muito raso", utilizadas para torrar farinha e fabricadas "num lugar chamado Goiabeiras, próximo da capital do Espírito Santo". Goiabeiras é, portanto, o lugar onde esse ofício de fabricar panelas ocorre por tradição. Ali, foram encontrados sítios arqueológicos cerâmicos, remanescentes da ocupação indígena, no alto da pequena elevação conhecida como Morro Boa Vista e nas proximidades do aeroporto de Goiabeiras.

Ainda que Saint-Hilaire não tenha mencionado as frigideiras de moqueca, provavelmente na época de sua passagem já se faziam panelas para cozinhar frutos do mar, pois este é o alimento primordial e preponderante dos nativos da região desde tempos pré-históricos. Segundo informam os estudiosos da culinária e da identidade local, "Os sambaquis, que o protocapixaba deixou, em diversos pontos do litoral do Espírito Santo, (...) são, em sua essência, um amontoado de conchas partidas e de cascas de moluscos... Esses processos milenares de coleta de frutos do mar persistem entre nós com força imorredoura. Constituem, ainda hoje, cenas diárias nas praias, manguezais e pedras do litoral [do Estado]".4 Vestígios desses sambaquis, compostos de grande quantidade de lascas de quartzo e de conchas de ostras, foram identificados em 2005, durante a construção da nova pista do aeroporto de Goiabeiras.

O consumo permanente e reiterado das moquecas e da torta da Semana Santa, valorizado pelos capixabas como uma referência na formação de sua identidade cultural, é provavelmente uma das principais razões da continuidade histórica da fabricação artesanal das panelas de barro, apesar das notáveis transformações urbanas ocorridas. A cidade cresceu e alcançou Goiabeiras, que se transformou em um bairro urbanizado de Vitória. Mas ali continuam sendo feitas, como sempre, as panelas pretas. Enquanto a cidade crescia, as paneleiras iam progressivamente se profissionalizando e fazendo do seu ofício a mais visível atividade cultural e econômica do lugar.

As artesãs, cerca de 120, que, antes, trabalhavam individualmente em suas próprias casas, atualmente, mais organizadas, estão agrupadas na Associação das Paneleiras de Goiabeiras, uma espécie de cooperativa. Trata-se de um galpão onde cada uma, independentemente, produz e comercializa suas próprias peças. Sob o aspecto econômico, a renda que auferem, é significativa no contexto da manutenção de suas famílias.

A Associação das Paneleiras já se tornou um dos pontos turísticos da cidade, sendo visitada, regularmente, por turistas interessados em adquirir as peças e ver como as mesmas são confeccionadas. A panela de barro é reconhecida nacional e internacionalmente como objeto de arte popular e, em 20 de dezembro de 2002, a inscrição do Ofício das Paneleiras de Goiabeiras. inaugurou o Livro de Registro dos Saberes (instrumento legal de reconhecimento e preservação dos bens culturais de natureza imaterial, criado em agosto de 2000) e foi declarado Patrimônio Cultural do Brasil pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Como evento promocional de seu ofício e de seus produtos, destaca-se a Feira Anual das Paneleiras de Goiabeiras, realizada desde 1987 pela Associação das Paneleiras, com o incentivo da Associação Espírito-Santense de Folclore e o apoio financeiro do Governo Estadual e da Prefeitura Municipal de Vitória. Durante os quatro dias da feira, elas vendem as panelas, cozinham e servem moquecas, em meio a apresentações de cantores populares e bandas de congo. 

Para que você tenha certeza que está adquirindo um produto autêntico, a Prefeitura do município de Vitória criou o SELO DE QUALIDADE DAS PANELAS DE BARRO, que lhe garante a qualidade do produto. Exija o Selo de Autenticidade, e leve para casa uma panela que conservará a comida quente por muito tempo, pois ela é refratária.

A procura crescente pelo produto vem estimulando sua imitação por técnicas que incluem o emprego do torno e do forno, o que aumenta o ritmo da produção e barateia o preço final do produto concorrente. Embora se assemelhe na cor e na forma às panelas de Goiabeiras, essas outras não oferecem a mesma resistência daquelas ao impacto e à temperatura, nem carregam a identidade e o selo da tradição.

Associação das Paneleiras de Goiabeiras

Situado à margem do manguezal, o atual Galpão da Associação das Paneleiras foi inaugurado em 1991. Foi construído pela Prefeitura, para substituir o primeiro (de 1987) que era constantemente alagado com a subida da maré. Tem uma área coberta de 432m2, projetada para guardar e preparar as matérias-primas e abrigar as mesas de trabalho para a modelagem, secagem e polimento das panelas, e os depósitos e bancadas para os produtos prontos. No terreiro ao lado do Galpão, na margem do manguezal, é feita a queima das panelas. A produção é constante e todas as peças produzidas são vendidas aos turistas e à população da Grande Vitória. As vendas são feitas diretamente no galpão da Associação das Paneleiras e nas lojas de artesanato.




Nenhum comentário:

Postar um comentário