Google+ Followers

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Exposição: “Alegoria às Artes – Leon Pallière”, no Museu Nacional de Belas Artes, Cinelândia - Rio de Janeiro, Brasil --- Exhibition: "Allegory of the Arts - Leon Pallière" at the National Museum of Fine Arts, Cinelandia - Rio de Janeiro, Brazil

Depois de uma restauração completa, iniciada em 2013, a monumental pintura Alegoria às Artes, de Leon Pallière, voltará a ser exibida a partir de 06 de agosto, no Museu Nacional de Belas Artes/IBRAM, quando será aberta a mostra 'Alegoria às Artes – Leon Pallière'.


Encomendada pelo então diretor da Academia Imperial de Belas Artes (AIBA), Manuel de Araújo Porto-Alegre, a tela, medindo 297 x 410 cm, foi produzida em 1855 para decorar o teto da biblioteca da Academia, construída em 1826 e inexplicavelmente demolida entre 1937 e 1938.

A AIBA foi a primeira instituição de ensino oficial da arte no Brasil e seu pórtico se encontra no Jardim Botânico do Rio de Janeiro desde os anos 1940.

A nobreza e a simplicidade das formas e das cores, parâmetros da arte neoclássica, dão a tonalidade da legendária pintura maruflada (colada) no teto da biblioteca, que representa as musas da Arquitetura, da Pintura, da Escultura, da Poesia e da Música.

A exposição 'Alegoria às Artes – Leon Pallière' apresenta documentos, esculturas e mais dois retratos. Segundo um dos curadores, o museólogo Pedro Xexéo, a mostra “permite novas possibilidades de leituras não apenas de uma instituição e de um acervo que demonstram a inesgotável presença da arte brasileira oitocentista na atualidade, como também da chegada e da importância da Missão Artística Francesa no Brasil”. A Missão Artística Francesa chegou ao Brasil em 1816.

Jean-Leon Pallière Grandjean Ferreira (Rio de Janeiro, 1823/Paris, 1887) estudou no ateliê de François-Edouard Picot, na capital francesa, e, aos 25 anos, retornou ao Brasil, tendo ingressado na Academia Imperial de Belas Artes. O artista conquistou um Prêmio de Viagem ao Exterior aperfeiçoando sua arte na Itália.

Neto do conhecido arquiteto Grandjean de Montigny, Leon Pallière realizou diversas viagens pela América do Sul, incluindo uma passagem por Buenos Aires (Argentina), onde ficou até 1866. Seu percurso artístico conheceu muitas transformações ao longo da carreira, com registro de paisagens, aspectos culturais e sociais das tradições populares nas técnicas de aquarela e gravura.

A restauração da “Alegoria às Artes” contou com recursos do PACCH, envolvendo uma parceria entre o MNBA, IBRAM, IPHAN e o Consulado Geral da França no Rio.

Exposição: “Alegoria às Artes – Leon Pallière”
Curadoria: Pedro Xexéo, Larissa Long, Adriana Clen, Denise de Oliveira e Wallace Guiglemeti
Período: de 06 de agosto até 23 de outubro. 
Visitação: terça/sexta de 10h às 17h;  sábado, domingo e feriado de 13h às 17h.
Ingresso: R$ 8,00 inteira, R$ 4,00 meia e ingresso família(para até 4 membros de uma mesma família) a R$ 8,00. Grátis aos domingos.
Museu Nacional de Belas Artes: Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia - RJ
telefone: (21) 3299-0600. 





Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


ou


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--in via tradutor do google

After a complete restoration, which began in 2013, the monumental painting Allegory of the Arts, Leon Pallière again be displayed from August 6, at the National Museum of Fine Arts / IBRAM when will open the show 'Allegory of the Arts - Leon Pallière '.

Commissioned by the then director of the Imperial Academy of Fine Arts (AIBA), Manuel de Araújo Porto-Alegre, the screen measuring 297 x 410 cm, was produced in 1855 to decorate the ceiling of the library of the Academy, built in 1826 and inexplicably demolished between 1937 and 1938.

The AIBA was the first official educational institution of art in Brazil and its porch is the Botanical Garden of Rio de Janeiro since the 1940s.

Nobility and simplicity of shapes and colors, neoclassical art parameters, give the tone of the legendary maruflada paint (attached) on the library ceiling, representing the muses of Architecture, Painting, Sculpture, Poetry and Music.

The exhibition "Allegory of the Arts - Leon Pallière 'presents documents, sculptures and two pictures. According to one of the curators, the museologist Pedro Xexéo, the show "allows new possibilities readings not only of an institution and a collection demonstrating the inexhaustible presence of Brazilian art nineteenth century today, as well as arrival and the importance of the French Artistic Mission in Brazil". The French Artistic Mission arrived in Brazil in 1816.

Jean-Leon Pallière Grandjean Ferreira (Rio de Janeiro, 1823 / Paris, 1887) studied in the studio of François-Edouard Picot, the French capital, and, at age 25, he returned to Brazil, having joined the Imperial Academy of Fine Arts. The artist earned a Travel Award to Foreign perfecting his art in Italy.

known architect Grandjean de Montigny grandson, Leon Pallière made several trips to South America, including a visit to Buenos Aires (Argentina), where he stayed until 1866. His artistic journey he met many transformations throughout his career, with landscapes record, aspects cultural and social aspects of popular traditions in watercolor and etching techniques.

The restoration of the "Allegory of the Arts" had PACCH resources, involving a partnership between the MNBA, IBRAM, IPHAN and the Consulate General of France in Rio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário