Google+ Followers

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Swiss Camera Museum Foundation. --- Fundação Museu Câmara Suíço.

Presided over by Jacques A. Stähli, the Swiss Camera Museum Foundation’s objective is to support the Museum in its protection and exhibition of all material relevant to the history of photographic techniques and technology, and in particular, cameras, accessories and other processes of Swiss manufacture.

Carlo Ponti’s Megalethoscope,
distributed by Carlo Naya.

This public utility role, recognized by the tax authorities, enables our donors and sponsors to declare their contributions towards the conservation of the patrimony and the memory of Swiss photography.

Since its creation in 1991, the Foundation has thus been able to collect funds for many operations that have radically transformed the Museum.

The Foundation’s first activity was the acquisition of a very beautiful collection of 19th century camerae obscurae and instruments. This included a megalethoscope, belonging to the Ticino photographer, Carlo Ponti, who was living in Venice, and which came from a large Swiss collection that was divided up and sold at a Sotheby’s auction in London.

Then, thanks to Elinchrom’s support, came the acquisition, piece by piece, of an exceptional studio camera with a 21 x 27 format slide drawer made by Charles Chevalier. This was followed by the Schuler collection of small format cameras, and then some magnificent examples of photographic processes, daguerreotypes and other ferrotypes.

Over the years, more than 380 articles of the greatest technical and historical interest have accumulated to enrich the coherence of the Museum’s collection.

At the end of the 20th century, the Foundation was raising almost half of the funds intended for the Museum’s extension and the transfer of its public ground floor entrance into the Grande Place, especially thanks to the support of the Loterie Romande and Federal funds from the minting of commemorative coins.

Thanks to the support of the Federal Office of Culture, for photographic projects of national importance, the Foundation succeeded in the following years in saving several first-class collections, such as that of Gerhard Honegger, the last exponent of magic lanterns in Switzerland, and that of the historian and journalist, Urs Tillmanns, together with the store of his archives.

On each occasion, the role of the Loterie Romande, of Elinchrome, Swiss manufacturer of professional electronic flash equipment, based in Renens, as well as the Museum’s many partners, were decisive. May we take this opportunity to thank them from the bottom of our hearts.













Illustration:

Carlo Ponti’s Megalethoscope, distributed by Carlo Naya.

Why is the name of Carlo Naya, whose relations with Carlo Ponti are known,on an article reputedly belonging to Carlo Ponti? If the latter did actually acquire the exclusivity for this production in 1862,the administrative confusion following the cession of Venetia to Italy in October of 1866 undermined this privilege, and other Venetian photographers, including Naya, were able to produce and sell this equipment.




Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google
 Fundação Museu Câmara Suíço

Presidida por Jacques A. Stähli, o objetivo da Swiss Camera Museum Fundação é apoiar o Museu em sua proteção e exposição de toda a matéria relevante para a história da técnicas fotográficas e tecnologia, e em particular, câmeras, acessórios e outros processos de fabricação suíça .

Este papel de utilidade pública, reconhecida pelas autoridades fiscais, permite aos nossos doadores e patrocinadores para declarar suas contribuições para a conservação do património e da memória de fotografia suíço.

Desde sua criação em 1991, a Fundação tem sido, assim, capaz de recolher fundos para muitas operações que transformaram radicalmente o Museu.

primeira actividade da Fundação foi a aquisição de uma bela coleção de obscurae camerae século 19 e instrumentos. Isto incluiu um megaletoscópio, pertencente ao fotógrafo Ticino, Carlo Ponti, que estava vivendo em Veneza, e que veio de uma grande coleção suíça que foi dividido e vendido em um leilão da Sotheby, em Londres.

Então, graças ao apoio do Elinchrom, veio a aquisição, peça por peça, de uma câmera de estúdio excepcional, com uma gaveta deslizante 21 x 27 formato feito por Charles Chevalier. Isto foi seguido pela coleta Schuler de câmeras de pequeno formato, e então alguns magníficos exemplos de processos fotográficos, daguerreótipos e outros ferrotypes.

Ao longo dos anos, mais de 380 artigos de maior interesse técnico e histórico têm acumulado para enriquecer a coerência do acervo do Museu.

No final do século 20, a Fundação estava levantando quase metade dos fundos destinados ao alargamento do Museu e da transferência de sua entrada do piso térreo pública na Grande Place, especialmente graças ao apoio do Loterie Romande e fundos federais a partir do cunhagem de moedas comemorativas.

Graças ao apoio do Escritório Federal de Cultura, para projetos fotográficos de importância nacional, a Fundação conseguiu nos anos seguintes em salvar várias coleções de primeira classe, como a de Gerhard Honegger, o último expoente da lanternas mágicas, na Suíça, e o do historiador e jornalista, Urs Tillmanns, juntamente com a loja de seus arquivos.

Em cada ocasião, o papel do Loterie Romande, de Elinchrome, fabricante suíça de equipamento profissional electrónico flash, com sede em Renens, bem como muitos parceiros do Museu, foram decisivos. Que possamos aproveitar esta oportunidade para agradecer-lhes do fundo do nosso coração.

Ilustração:
Megaletoscópio de Carlo Ponti, distribuídos por Carlo Naya.
Por que o nome de Carlo Naya, cujo são conhecidas relações com Carlo Ponti, em um artigo supostamente pertencente a Carlo Ponti? Se este último chegou a adquirir a exclusividade para essa produção em 1862, a confusão administrativa após a cessão de Venetia à Itália em Outubro de 1866 minou esse privilégio, e outros fotógrafos de Veneza, incluindo Naya, foram capazes de produzir e vender este equipamento.




--

Volta ao mundo em fotocromo: as fotos que encantavam o mundo no século 19

Processo criado por suíço Hans Jakob Schmid começou a colorizar fotos em preto e branco a partir de 1888.

Nenhum comentário:

Postar um comentário