Google+ Followers

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Today, Spain’s national art museum opened its first solo exhibition devoted to a female artist ever. --- Hoje, o Museu Nacional de Arte da Espanha abriu sua primeira exposição individual dedicada a uma artista feminina. ---- 今天,西班牙的国家艺术博物馆开放了第一次个人展览致力于一位女性艺术家。

197 Years After It Opens, the Prado Museum Gives a Woman a Solo Show.


It took nearly 200 years for Madrid’s Museo del Prado, the national art museum of Spain, to mount its first solo exhibition devoted to a female artist. The Art of Clara Peeters, a one-room exhibition featuring 15 works by the pioneering still life painter of the Dutch Golden Age, opened today; the Prado will celebrate its bicentennial in 2019. As the Art Newspaper‘s Hannah McGivern — who pointed out this very belated first — notes, Peeters is one of only 41 women represented in the museum’s collection — it owns four of the works in the exhibition — compared to its holdings of works by over 5,000 male artists.

A survey of the last 13 years of exhibitions at the Prado confirms what seems like a startling gender bias for a museum operating in the 21st century. While this Peeters exhibition appears to be 197 years in the making, since 2003 the institution has mounted six exhibitions devoted to Francisco Goya, four on El Greco, and three each about Diego Velázquez, Titian, and Picasso (the latter of whom, it’s worth noting, was the museum’s director from 1936 to 1939). In the same period, the Prado’s seven forays into contemporary art have also all been solo shows for men, including Francis Bacon, Cy Twombly, Richard Hamilton, and Thomas Struth.

For comparison’s sake, national museums elsewhere in Europe have done only slightly better. Over the past decade, the Louvre has held exhibitions devoted to several female contemporary artists, including Candida Höfer, Eva Jospin, Monique Frydman, and Michal Rovner; it also mounted a historic show devoted to Princess Marie of Orléans and co-organized the recent Élisabeth-Louise Vigée Le Brun retrospective (though it was hosted off-site during its Paris run). Over the last nine years, the UK’s National Gallery has given two women solo shows: in 2014 it opened a one-room exhibition devoted to Maggi Hambling, and in 2010 it held a Bridget Riley exhibition. Meanwhile, in Amsterdam, the Rijksmuseum has not had a single solo exhibition by a female artist since it reopened three and a half years ago. It did, however, host an exhibition featuring three female artists’ portraits of the Netherlands’ new king.

These depressing figures confirm the Guerrilla Girls’ recent comments on the occasion of their aptly titled show at the Whitechapel Gallery, Is it even worse in Europe? “The numbers are very low, they’re not diverse,” a Guerrilla Girl going by Käthe Kollwitz told ARTnews. “Many museums are trying to play catch up but they have a long way to go because they’re stuck with their collection which they started many years ago and it’s mostly white guys.”






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!











--br via tradutor do google
Hoje, o Museu Nacional de Arte da Espanha abriu sua primeira exposição individual dedicada a uma artista feminina.

197 anos depois que abre, o museu do Prado dá a uma mulher uma mostra de solo.

Leva quase 200 anos para o Museo del Prado de Madri, o museu de arte nacional de Espanha, para montar sua primeira exposição individual dedicada a uma artista feminina. A Arte de Clara Peeters, uma exposição de um quarto com 15 obras do pioneiro ainda pintor de vida da Idade de Ouro holandesa, abriu hoje; O Prado festeja seu bicentenário em 2019. Como a Hannah McGivern, da revista Art News, que apontou esta primeira nota muito tardia, Peeters é uma das 41 mulheres representadas na coleção do museu - possui quatro das obras da exposição - em comparação com a sua exploração de obras de mais de 5.000 artistas do sexo masculino.

Um levantamento dos últimos 13 anos de exposições no Prado confirma o que parece um viés de gênero surpreendente para um museu que opera no século XXI. Enquanto esta exposição de Peeters parece estar em 197 anos, desde 2003 a instituição montou seis exposições dedicadas a Francisco Goya, quatro ao El Greco, e três a cada Diego Velázquez, Ticiano e Picasso (este último vale a pena Notando, foi o diretor do museu de 1936 a 1939). No mesmo período, as sete incursões do Prado na arte contemporânea também foram exibições individuais para homens, incluindo Francis Bacon, Cy Twombly, Richard Hamilton e Thomas Struth.

Para fins de comparação, os museus nacionais em outros lugares da Europa têm feito apenas um pouco melhor. Durante a última década, o Louvre realizou exposições dedicadas a várias artistas contemporâneas, incluindo Candida Höfer, Eva Jospin, Monique Frydman e Michal Rovner; Também montou um espetáculo histórico dedicado à Princesa Marie de Orleães e co-organizou a recente retrospectiva Élisabeth-Louise Vigée Le Brun (embora fosse hospedada fora do local durante sua corrida em Paris). Nos últimos nove anos, a Galeria Nacional do Reino Unido deu duas exibições individuais para mulheres: em 2014 abriu uma exposição de um quarto dedicada a Maggi Hambling, e em 2010 realizou uma exposição Bridget Riley. Enquanto isso, em Amsterdã, o Rijksmuseum não teve uma única exposição individual de uma artista desde que reabriu três anos e meio atrás. No entanto, foi apresentada uma exposição com três retratos de mulheres do novo rei holandês.

Esses números deprimentes confirmam os recentes comentários das Guerrilla Girls, por ocasião de seu acertadamente intitulado show na Whitechapel Gallery, É ainda pior na Europa? "Os números são muito baixos, eles não são diversos", disse uma Guerrilla Girl de Käthe Kollwitz à ARTnews. "Muitos museus estão tentando jogar catch up, mas eles têm um longo caminho a percorrer, porque eles estão presos com a sua coleção que começaram há muitos anos e é principalmente brancos."





--chines simplificado via tradutor do google
今天,西班牙的国家艺术博物馆开放了第一次个人展览致力于一位女性艺术家。

197年后,普拉多博物馆给一个女人一个独奏秀。

花了将近200年,马德里的普拉多博物馆,西班牙的国家艺术博物馆,安装其第一次个人展览致力于一个女性艺术家。 Clara Peeters的艺术,一个房间的展览,荷兰黄金时代的开拓静物画家15件作品,今天开幕;普拉多将于2019年庆祝其二百周年。正如艺术报纸的Hannah McGivern--他指出了这个迟到的第一 - 笔记,Peeters是博物馆收藏中唯一41名女性之一 - 它拥有四件展览 - 与其拥有的5000多名男性艺术家的作品相比。

对普拉多最近13年展览的调查证实,对于在21世纪运营的博物馆来说,似乎是一个惊人的性别偏见。虽然这个Peeters展览似乎是197年的制作,自2003年以来,该机构已经举办了6次专门针对Francisco Goya的展览,4次在El Greco,还有3次各自关于DiegoVelázquez,Titian和Picasso(后者是值得的注意,是博物馆的导演从1936年到1939年)。在同一时期,普拉多的七次进入当代艺术也都是为男人的个人表演,包括弗朗西斯·培根,Cy Twombly,理查德·汉密尔顿和托马斯·斯特鲁斯。

为了比较,欧洲其他地方的国家博物馆只做了稍微好一点。在过去十年,卢浮宫举办了几个女性当代艺术家的展览,包括CandidaHöfer,Eva Jospin,Monique Frydman和Michal Rovner;它还举办了一个历史性的节目,致力于公主玛丽的奥尔良,并联合组织了最近的伊丽莎白 - 路易斯VigéeLe Brun回顾(虽然它在巴黎运行期间托管非现场)。在过去的九年里,英国国家美术馆给了两个女人个展:在2014年,它为Maggi Hambling开了一个房间的展览,并在2010年举办Bridget Riley展览。同时,在阿姆斯特丹,国家博物馆自从三年半前重新开放以来,没有一个女性艺术家的单独个展。然而,它确实举办了一个展览,展出了荷兰新国王的三个女艺术家的肖像。


这些令人沮丧的人物确认了游击队女孩最近的评论,他们恰当地在Whitechapel画廊的展览,在欧洲更糟糕的是? “数字非常低,他们不是多样化,”一个游击队女孩KätheKollwitz告诉ARTnews。 “许多博物馆正在努力追赶,但他们还有很长的路要走,因为他们被困在他们的收藏,他们开始多年前,它大多是白人。

Nenhum comentário:

Postar um comentário