Google+ Followers

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

38,000-Year-Old Rock Art Discovered in France --- Arte rupestre de 38.000 anos descoberta na França

In the summer of 2012, a group of archaeologists turned over a broken block of limestone on the floor of a rock shelter in southwestern France and discovered what could be one of the oldest examples of art in Europe.

Archaeologists discovered this 38,000-year-old engraved 
image of an aurochs in a rock shelter in France.




Scrawled with the image of an aurochs (an extinct species of cattle) and dozens of small dots, the slab was created by the Aurignacians, the first Homo sapiens to arrive in Europe. Radiocarbon tests showed that the engraving dates back to about 38,000 years ago, according to a Jan. 24 report in the journal Quaternary International.

New York University anthropologist Randall White, a co-author of the study who led recent excavations at the rock shelter, said that the discovery "sheds new light on regional patterning of art and ornamentation across Europe" at a time when humans were just starting to spread across the continent. [Gallery: Photos of Europe's Oldest Rock Art]

The slab comes from a partially collapsed rock shelter called Abri Blanchard, where groups of hunter-gatherers would have congregated during the winter.

This 65-foot-long (20 meters) shelter is located near the small town of Sergeac in France's Vézère Valley, a region famous for having some of Europe's oldest examples of cave art. Several other carved slabs were already discovered at Abri Blanchard a century ago, during excavations by amateur archaeologists Louis Didon and Marcel Castanet from 1910 to 1912.

Many of the early artistic representations from this region have been interpreted as vulvas, ever since a French abbot was presented with an image of a heart-like engraving from Abri Blanchard and declared in 1911 that it was a "pudendum muliebre" ("a woman's thing to be ashamed of"). But the artists at Abri Blanchard didn't just have an interest in the female form. They chose a diverse array of artistic subjects, from horses and cats to geometric designs such as rings, according to White and his colleagues.

Didon's team had nearly emptied the rock shelter in the early 20th century. So when White's team returned to the site in 2011, they dug underneath the previous excavators' old dirt piles into heavily concreted, untouched prehistoric sediments. In addition to the aurochs carving, the researchers found hundreds of stone tools and stone tool fragments, as well as animal bones, mostly from reindeer. They also found decorative bone, including an ivory bead and a pierced fox tooth.

White and his colleagues speculate that the carved block was a freestanding slab when it was decorated, meaning that either an Aurignacian found it and brought it into the rock shelter for engraving or the block had fallen from the ceiling and was engraved later on.

Aurignacian images of aurochs have been found at other sites, such as Chauvet Cave, also in France. Aligned dots have also been seen before on Aurignacian objects such as mammoth-tooth plaques and ivory pendants, but the combination of this design with an animal figure is "exceptional," the researchers wrote.

The discovery of the slab fits into the patterns researchers usually see in the earliest European art: There are broad shared features, with some regional quirks that stand out, White said in a statement.

"This pattern fits well with social geography models that see art and personal ornamentation as markers of social identity at regional, group and individual levels," White said.

Original article on Live Science. Credit: Ph. Jugie/Musée national de Préhistoire collections.












Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.





















--br via tradutor do google
Arte rupestre de 38.000 anos descoberta na França

Os arqueólogos descobriram esta imagem gravada de 38.000 anos de um aurochs em um abrigo da rocha em France.

No verão de 2012, um grupo de arqueólogos virou um bloco de pedra calcária quebrado no assoalho de um abrigo de pedra no sudoeste da França e descobriu o que poderia ser um dos mais antigos exemplos de arte na Europa.

Rabiscado com a imagem de um aurochs (uma espécie extinta de gado) e dezenas de pequenos pontos, a laje foi criada pelos aurignacianos, o primeiro Homo sapiens para chegar na Europa. Testes de radiocarbono mostraram que a gravura remonta a cerca de 38.000 anos atrás, de acordo com um relatório de 24 de janeiro na revista Quaternary International.

O antropólogo da Universidade de Nova York, Randall White, co-autor do estudo que liderou as recentes escavações no abrigo rochoso, disse que a descoberta "lança nova luz sobre padrões regionais de arte e ornamentação em toda a Europa" Espalhados pelo continente. [Galeria: Fotos da arte mais antiga da Europa]

A laje provém de um abrigo de pedra parcialmente abatido chamado Abri Blanchard, onde grupos de caçadores-coletores teriam se reunido durante o inverno.

Este abrigo de 20 metros está localizado perto da pequena cidade de Sergeac, no Vale de Vézère, uma região famosa por ter alguns dos mais antigos exemplos de arte rupestre da Europa. Várias outras lajes esculpidas já foram descobertas em Abri Blanchard há um século, durante escavações de arqueólogos amadores Louis Didon e Marcel Castanet de 1910 a 1912.

Muitas das primeiras representações artísticas desta região foram interpretadas como vulvas, desde que um abade francês foi apresentado com uma imagem de uma gravura de coração de Abri Blanchard e declarou em 1911 que era um "pudendum muliebre" Coisa de que se envergonhar "). Mas os artistas de Abri Blanchard não tinham apenas interesse na forma feminina. Eles escolheram uma variedade diversificada de temas artísticos, desde cavalos e gatos a desenhos geométricos, como anéis, de acordo com White e seus colegas.

A equipe de Didon tinha quase esvaziado o abrigo de rocha no início do século XX. Assim, quando a equipe de White retornou ao local em 2011, eles cavaram debaixo das velhas pilhas de sujeira anteriores em sedimentos pré-históricos muito concretos e intocados. Além da escultura de aurochs, os pesquisadores encontraram centenas de ferramentas de pedra e fragmentos de ferramentas de pedra, bem como ossos de animais, principalmente de renas. Eles também encontraram osso decorativo, incluindo um talão de marfim e um dente de raposa perfurado.

White e seus colegas especulam que o bloco esculpido era uma laje independente quando foi decorado, o que significa que ou um Aurignacian encontrou e trouxe-o para o abrigo rochoso para gravar ou o bloco tinha caído do teto e foi gravado mais tarde.

Imagens aurignacianas de auroques foram encontradas em outros locais, como Chauvet Cave, também na França. Pontos alinhados também foram vistos antes em objetos Aurignacian tais como placas de dentes de mamute e pingentes de marfim, mas a combinação deste desenho com uma figura de animal é "excepcional", escreveram os pesquisadores.

A descoberta da laje enquadra-se nos padrões que os pesquisadores costumam ver na arte européia mais antiga: existem amplas características compartilhadas, com algumas peculiaridades regionais que se destacam, disse White em um comunicado.

"Esse padrão se encaixa bem com os modelos de geografia social que vêem a arte ea ornamentação pessoal como marcadores da identidade social nos níveis regional, de grupo e individual", disse White.

Artigo original sobre Ciência Viva. Crédito: Colecções Ph. Jugie / Musée national de Préhistoire.



Nenhum comentário:

Postar um comentário