Google+ Followers

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

How Much Viking Lore Is True? Archaeologists have confirmed key details in Norse oral histories. --- Os arqueólogos confirmaram detalhes importantes nas histórias orais dos noruegueses

How Much Viking Lore Is True?

Archaeologists have confirmed key details in Norse oral histories (but not the dragons, elves, and trolls).












foto:
The Vikings had "a long oral history going back centuries," says Eleanor Rosamund Barraclough. "It's very hard to separate the facts from the fiction." Here, a replica of a Viking boat floats on a Norwegian lake. 

PHOTOGRAPH BY JIM RICHARDSON, NATIONAL GEOGRAPHIC CREATIVE




In TV series from Vikings to Game of Thrones, the icy wastes of the north provide the backdrop to dramatic, often violent, stories of kings and warriors, dragons and trolls. The source for many of these dramas is the Icelandic sagas. In her new book, Beyond the Northlands: Viking Voyages and the Old Norse Sagas, historian Eleanor Rosamund Barraclough explores the world of the sagas, teasing fact from fiction to show that there was much more to the Norse peoples than rape and pillage. (Find out whether the Vikings deserved their terrible reputation.)

Speaking from her home in Durham, England, she explains how the United States should really celebrate Leif the Lucky, not Columbus, why the Soviets hated the idea that Russia had been founded by the Vikings, and how the gruesome Viking torture known as the Blood Eagle may have been more poetic conceit than historical practice. (Did Vikings make the modern world possible?)

You write, “The Vikings have always had a reputation as the bad boys of the medieval world.” Is it time to rethink this prejudice?

The idea of the Vikings being the bad boys in the medieval world goes right back to the medieval world. The first big Viking raid took place around A.D. 793 on the island of Lindisfarne, home of the Lindisfarne Gospels. But it’s important to think about how we know of this raid—from the Anglo-Saxon Chronicle, which was written a hundred years later, in the time of King Alfred, who we know as a Viking basher. At about the same time, a strongly devout Anglo-Saxon cleric at the court of King Charlemagne, named Alcuin, writes a letter to the abbot of Lindisfarne, saying “Never before has a terror appeared on our shores like this. Remember the words of the prophets, from the north, evil breaks forth.” So from the start we have the idea of the Viking raiders somehow being God’s punishment for sins committed.

When we say "Vikings," we think of any inhabitant of the medieval Nordic world. But Viking literally means raider; it’s a job title. The people living in the Nordic world during the Viking age did raid and pillage. But there was much more to them than that. They were far travelers. They colonized the North Atlantic, parts of the Scottish Isles, Iceland. They’re in Arctic Scandinavia and on the Russian waterways. They founded a colony in Greenland that lasted 500 years and got all the way to the edge of North America.

filme 3:00 min
SECRET VIKING RECIPE These Icelanders share a rotten shark recipe that dates back to the time of the Vikings.

Columbus is celebrated as the person who “discovered” America. But the Vinland Saga suggests that Americans should really celebrate Erik the Red day.


[Laughs] Well, maybe Leif the Lucky day, who is Erik the Red’s son. Greenland was settled from around [A.D.] 985, initially by Erik the Red. We know this partly because of the Vinland Sagas, two Icelandic sagas called Saga of Erik the Red, and Saga of the Greenlanders. These same sagas are our main written accounts of how Norse Greenlanders, a generation after Erik the Red, set out from Greenland and reached the edge of North America. First Baffin Island, then Labrador—which they called Markland, “forest land”— and finally Newfoundland.

But until the 1960s, the Vinland Sagas were our only source of information for these voyages. People weren’t even sure if they’d actually happened. Then, in the ’60s excavations on the tip of Newfoundland at L’Ans-Aux-Meadows showed clear evidence that there had been Norse visitors. I wouldn’t say settlers. There are long houses but they seem to be more overwintering sites, where they could mend their ships, then carry on farther south. There were women on these voyages, too. In one saga, a woman is said to have had a child out there, making her the first European woman to give birth on the North American continent.

What’s interesting is that, in the past, even before the archaeological evidence, Americans were very keen on this Viking heritage. Toward the end of the 19th century, there were lots of paintings showing big, romantic Norse coming across in their boats. But you also find lots of forgeries and fakes because if you can’t find a past, then you create it. There were fake rune stones dug up in a Minnesota field, fake weapons, and, of course, the famous Vinland Map forgery.

You call the sagas “Medieval Iceland’s unparalleled storytelling legacy to the world.” Are they fact—or fiction?

The sagas were written in 13th-century Iceland and continued to be written and copied in manuscripts. In some ways, the medieval period didn’t end in Iceland until the 20th century. Saga comes from the Norse word sayer, which means “to say.” That gives a clue to the origins of these sagas. They weren’t just conjured up out of some scribe’s head in the 13th century and then written down. They had a long oral history going back centuries. These are stories told and retold, passed down through the generations. But that doesn’t make them pure fact. Stories change, they adapt, they’re embellished, facts drop out of them, pieces of information are added. So by the time they are written down, it’s very hard to separate the facts from the fiction.

foto:
A statue of Leif Erikson stands before the Hallgrimskirkja Church in Reykjavik, Iceland. The Viking is believed to have reached the Americas five centuries before Columbus. 

PHOTOGRAPH BY JON BOWER ICELAND, ALAMY STOCK PHOTO


Trolls and dwarves have become familiar to us from Lord of The Rings. Dragons form an important story thread in Game of Thrones. The sagas are full of them, aren’t they?

They do crop up in the sagas but the sagas can also be pretty realistic. Not all sagas are filled with dragons and elves. But the interesting thing is that they were clearly seen as part of the Norse worldview. When they do appear, they’re not seen as necessarily fantastical. You can be having a normal saga episode, where someone’s having a dream or wandering through a mountain, and suddenly a creature will appear. The idea of trolls lurking just outside, at the edge of your peripheral vision, is a common one.

The far north has always had supernatural, even diabolical associations, stretching all the way back to the Bible. We see it in the Anglo-Saxon worldview, all the way up to 19th century and Hans Christian Andersen’s Snow Queen. The farther north you go, the more inhospitable the landscape becomes. There are mountains and deep crevasses, strange rock formations. So it becomes easier to imagine in these inhuman parts of the world, that the only things that could live in them would themselves be inhuman, like trolls.

One of the surprises in your book is that the Vikings also voyaged east— and overland—to what is now Russia. Tell us about these journeys—and why the Soviets downplayed the Viking connection.

The initial impetus to go into Russia from the Norse world came from the people facing east: in particular, the Swedes. They crossed the Baltic then headed down the Russian waterways. If you want to know where the Norse go, follow the money. [Laughs] There are enormous amounts of Islamic silver flowing up and down the waterways during the Middle Ages, and the Norse are following those. They also are bringing things of their own to trade, like furs and skins, which fetched a very high price. And they’re bringing slaves, which is another reason we have all these raids and violence.

The word “Russia” seems to be derived from the term Rus, which, in origin at least, seems to have come from Sweden or some part of the Nordic world. These Norse tribes founded Kiev and created the polity that becomes known as Kievan Rus, the foundation of modern-day Russia, Belarus, and Ukraine. But during the Soviet era, it wasn’t a good thing to go around saying that your founding nation was built by Europeans. You wanted it to be built by Slavs, your own people, in opposition to Europe. But if you look at the first archaeological layers of trading towns, such as Staraya Ladoga in the far north, there are clearly Norse elements.

foto:
Vikings traveled widely, from Russia to North America, but they probably didn't make it to Petersburg, Alaska, where this replica Viking ship celebrates the town's Norwegian heritage. 

PHOTOGRAPH BY MACDUFF EVERTON, NATIONAL GEOGRAPHIC CREATIVE


One of the most gruesome scenes in the TV series Vikings is when the lead character, Ragnar Lothbrok, an actual historical figure, subjects one of his enemies to a torture known as the Blood Eagle. What is it? And did it really exist? Sensitive readers should look away.

[Laughs] The Blood Eagle was a particularly gruesome form of torture and killing, where you sliced down the spine of your victim, take the rib cage and pull it back, then pull out their lungs, which look like a pair of eagle’s wings. Academics argue as to whether this actually ever took place because the original source of evidence is a couple of skaldic verses. A skald is a Norse poet, so skaldic verses are written by Norse poets, usually a court poet.

One of the features of a skaldic poem is that it’s incredibly convoluted, like a cryptic crossword puzzle. If you have a reference to what appears to be the Blood Eagle in a skaldic verse, it’s quite likely this is a poetic conceit. Roberta Frank, at Yale, argues that the Blood Eagle is just the idea of a carrion bird scratching at the back of the dead. If you create lots of corpses, you are a very good warrior. That’s what is being referred to. But when later writers made prose stories around these skaldic verses, they seem to have interpreted it literally. So it’s quite likely that there was no such thing as this horrible form of torture, but it grew in the telling.

I presume you are not a fan of the Vikings TV Series?

[Laughs] I absolutely love it! Brilliant! They do so much research! For instance, when they set sail in episode one of the first season, trying to find the British Isles, they say, “How are we going to navigate, it’s so cloudy?” They then hold up this thing they call the sunstone. The idea is that you are able to see where the light’s coming from and that enables you to navigate. There’s a lot of debate whether something like this stone actually existed. There are written accounts of it. But they haven’t found any examples from other Viking contexts. But the idea that they wouldn’t know that the British Isles existed is absolute bollocks! [Laughs] They’d been trading for years.

You are an academic—but you definitely left your ivory tower to research this book. Talk about some of the highlights of your travels, and how working on this book changed your view of the Vikings.

I’m not much of a fan of the ivory tower. I find libraries boring [Laughs] So going to Greenland was part of the reason I wanted to write the book. I was there over two summers. The first summer I did it on the back of an Icelandic pony with a guide, who was this amazing, pioneer-type woman. We trekked from Norse ruin to Norse ruin, staying at Greenlandic farms, which were often in the same place as the Norse ruins. Later, I got on a three-day ferry and chugged up the coast past the Arctic Circle to a place called Ilulissat, which is a UNESCO World Heritage site because it’s full of icebergs. It may even be the fjord where the iceberg that sank the Titanic calved.

In Greenland, I was seeing the archaeological evidence for the view of the world I’d got from the sagas: the farms described in some of the sagas, the fjord where Erik the Red lived. I stayed right next door to his farm! More than anything, it gave me a sense of how extraordinary these people were; how far they went; how dangerous it was; how intrepid and brave they were to go out to the edge.

This interview was edited for length and clarity.

Simon Worrall curates Book Talk. Follow him on Twitter or at simonworrallauthor.com







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.










--br via tradutor do google
Quanto Vory Lore é verdade?

Os arqueólogos confirmaram detalhes importantes nas histórias orais dos noruegueses (mas não os dragões, elfos e trolls).


Foto:
Os Vikings tinham "uma longa história oral que se remonta a séculos", diz Eleanor Rosamund Barraclough. "É muito difícil separar os fatos da ficção." Aqui, uma réplica de um barco de Viking flutua em um lago norueguês.

FOTOGRAFIA DE JIM RICHARDSON, CREATIVA GEOGRÁFICA NACIONAL

Nas séries de TV dos Vikings ao jogo dos tronos, os desperdícios gelados do norte fornecem o contexto às histórias dramáticas, frequentemente violentas dos reis e dos guerreiros, dos dragões e dos trolls. A fonte de muitos desses dramas são as sagas islandesas. Em seu novo livro, Beyond the Northlands: Viking Voyages e as Sagas Nórdicas Antigas, a historiadora Eleanor Rosamund Barraclough explora o mundo das sagas, provocando fatos da ficção para mostrar que havia muito mais para os povos nórdicos do que estupro e pilhagem. (Descubra se os Vikings mereceram sua reputação terrível.)

Falando de sua casa em Durham, Inglaterra, ela explica como os Estados Unidos deveriam realmente celebrar Leif o Sorte, não Colombo, porque os soviéticos odiaram a idéia de que a Rússia tinha sido fundada pelos Vikings e como a horrível tortura viking conhecida como Sangue A águia pode ter sido uma presunção mais poética do que a prática histórica. (Os vikings tornaram o mundo moderno possível?)

Você escreve: "Os Vikings sempre tiveram uma reputação como os meninos maus do mundo medieval." É hora de repensar esse preconceito?

A idéia dos vikings serem os meninos maus no mundo medieval remonta ao mundo medieval. A primeira grande incursão viking ocorreu em torno de 793 dC na ilha de Lindisfarne, lar dos Evangelhos de Lindisfarne. Mas é importante pensar sobre como sabemos dessa incursão - da Crônica Anglo-Saxônica, que foi escrita cem anos mais tarde, na época do Rei Alfred, que conhecemos como um viking basher. Aproximadamente na mesma época, um clérigo anglo-saxão fortemente devoto na corte do rei Carlos Magno, chamado Alcuin, escreve uma carta ao abade de Lindisfarne, dizendo: "Nunca antes um terror apareceu em nossas costas assim. Lembre-se das palavras dos profetas, do norte, o mal brota. "Assim, desde o início, temos a idéia dos incursores vikings de alguma forma sendo castigo de Deus pelos pecados cometidos.

Quando dizemos "Vikings", pensamos em qualquer habitante do mundo nórdico medieval. Mas Viking significa literalmente raider; É um cargo. Os povos que vivem no mundo nórdico durante a idade de Viking fizeram raid e pilhagem. Mas havia muito mais para eles do que isso. Eram viajantes longínquos. Eles colonizaram o Atlântico Norte, partes das Ilhas Escocesas, Islândia. Eles estão na Escandinávia ártica e nas vias navegáveis ​​russas. Eles fundaram uma colônia na Groenlândia que durou 500 anos e chegou até a borda da América do Norte.


3:00 min
RECEITA SECRETA VIKING Estes islandeses partilham uma receita de tubarão podre que remonta ao tempo dos Vikings.

Colombo é celebrado como a pessoa que "descobriu" a América. Mas a saga de Vinland sugere que os americanos devem realmente comemorar o dia vermelho de Erik.


[Risos] Bem, talvez Leif o dia de sorte, que é o filho de Erik, o Vermelho. A Groenlândia foi povoada de [aproximadamente] 985, inicialmente por Erik o Vermelho. Sabemos disso em parte por causa das Sagas Vinland, duas sagas islandesas chamadas Saga de Erik the Red e Saga dos Groenlandeses. Essas mesmas sagas são nossos principais relatos escritos de como os escandinavos escandinavos, uma geração depois de Erik the Red, partiram da Groenlândia e chegaram à beira da América do Norte. Primeira Ilha de Baffin, depois Labrador - que eles chamaram de Markland, "terra de floresta" - e finalmente Terra Nova.

Mas até a década de 1960, as Sagas Vinland foram a nossa única fonte de informações para essas viagens. As pessoas nem sequer tinham certeza se realmente tinham acontecido. Então, nas escavações dos anos 60 na ponta de Terra Nova em L'Ans-Aux-Meadows mostrou evidências claras de que houve visitantes nórdicos. Eu não diria que os colonos. Há longas casas, mas eles parecem ser mais hibernação locais, onde poderiam remendar os seus navios, em seguida, continuar mais ao sul. Havia mulheres nessas viagens também. Numa saga, diz-se que uma mulher teve uma criança lá fora, fazendo dela a primeira mulher européia a dar à luz no continente norte-americano.

O que é interessante é que, no passado, mesmo antes da evidência arqueológica, os americanos estavam muito interessados ​​nesta herança viking. No final do século XIX, havia muitas pinturas mostrando grandes e românticos nórdicos que cruzavam em seus barcos. Mas você também encontra muitas falsificações e falsificações, porque se você não consegue encontrar um passado, então você criá-lo. Havia pedras de runa falsas desenterradas em um campo de Minnesota, armas falsas e, claro, a famosa falsificação do mapa de Vinland.

Você chama as sagas de "legado incomparável de contar histórias da Islândia Medieval para o mundo." Eles são fatos ou ficção?

As sagas foram escritas na Islândia do século XIII e continuaram a ser escritas e copiadas em manuscritos. De certa forma, o período medieval não terminou na Islândia até o século XX. Saga vem da palavra nórdica sayer, que significa "dizer". Isso dá uma pista para as origens dessas sagas. Eles não foram apenas evocados para fora da cabeça de algum escriba no século 13 e, em seguida, escrito. Eles tiveram uma longa história oral que remonta séculos atrás. Estas são histórias contadas e recontadas, transmitidas através das gerações. Mas isso não os torna um fato puro. As histórias mudam, adaptam-se, são embellished, os fatos caem fora deles, as partes de informação são adicionadas. Assim, quando são escritos, é muito difícil separar os fatos da ficção.


Foto:
Uma estátua de Leif Erikson está antes da igreja de Hallgrimskirkja em Reykjavik, Islândia. Acredita-se que o Viking tenha chegado às Américas cinco séculos antes de Colombo.

FOTOGRAFIA POR JON BOWER ISLÂNDIA, ALAMY STOCK PHOTO


Trolls e anões se tornaram familiares para nós do Senhor dos Anéis. Os dragões formam um fio de história importante em Game of Thrones. As sagas estão cheias deles, não são?

Eles surgem nas sagas, mas as sagas também podem ser bastante realistas. Nem todas as sagas estão cheias de dragões e elfos. Mas o interessante é que eles foram claramente vistos como parte da cosmovisão nórdica. Quando eles aparecem, eles não são vistos como necessariamente fantásticos. Você pode estar tendo um episódio de saga normal, onde alguém está tendo um sonho ou vagando por uma montanha, e de repente uma criatura aparecerá. A idéia dos trolls que espreitam apenas fora, na borda de sua visão periférica, é comum.

O extremo norte sempre teve associações sobrenaturais, até mesmo diabólicas, esticando todo o caminho de volta para a Bíblia. Vemos isso na cosmovisão anglo-saxônica, até o século XIX e a rainha da neve de Hans Christian Andersen. Quanto mais ao norte você vai, mais inóspita a paisagem torna-se. Há montanhas e profundas fendas, estranhas formações rochosas. Assim, torna-se mais fácil imaginar nestas partes inumanas do mundo, que as únicas coisas que poderiam viver nelas seriam elas mesmas desumanas, como trolls.

Uma das surpresas em seu livro é que os Vikings também viajaram leste e por terra para o que é agora a Rússia. Conte-nos sobre essas viagens - e por que os soviéticos minimizaram a conexão viking.

O impulso inicial para entrar na Rússia a partir do mundo nórdico veio das pessoas que enfrentam Oriente: em particular, os suecos. Atravessaram o Báltico e então seguiram para as vias navegáveis ​​russas. Se você quiser saber onde os nórdicos vão, siga o dinheiro. [Risos] Há enormes quantidades de prata islâmica fluindo para cima e para baixo nas vias navegáveis ​​durante a Idade Média, e os nórdicos estão seguindo aqueles. Eles também estão trazendo coisas próprias para o comércio, como peles e peles, que obteve um preço muito alto. E eles estão trazendo escravos, o que é outra razão pela qual temos todos esses ataques e violência.

A palavra "Rússia" parece derivar do termo Rus, que, pelo menos na origem, parece ter vindo da Suécia ou de alguma parte do mundo nórdico. Estas tribos nórdicas fundaram Kiev e criaram a política que se torna conhecida como Rus de Kiev, a fundação da Rússia moderna, Bielorrússia e Ucrânia. Mas durante a era soviética, não foi uma boa coisa para ir ao redor dizendo que sua nação fundadora foi construída por europeus. Você queria que fosse construída por eslavos, seu próprio povo, em oposição à Europa. Mas se você olhar para as primeiras camadas arqueológicas de cidades comerciais, como Staraya Ladoga no extremo norte, há elementos claramente nórdicos.

Foto:
Os vikings viajaram extensamente, de Rússia à America do Norte, mas provavelmente não o fizeram a Petersburgo, Alaska, onde esta réplica navio de Viking comemora a herança norueguesa da cidade.

FOTOGRAFIA POR MACDUFF EVERTON, CREATIVO GEOGRÁFICO NACIONAL


Uma das cenas mais horríveis da série de TV Vikings é quando o personagem principal, Ragnar Lothbrok, uma figura histórica real, submete um de seus inimigos a uma tortura conhecida como a Águia do Sangue. O que é isso? E realmente existiu? Leitores sensíveis devem desviar o olhar.

A Águia de Sangue era uma forma particularmente horrível de tortura e matança, onde você cortava a espinha de sua vítima, pegava a caixa torácica e puxava-a para trás, depois tirava os pulmões, que pareciam um par de asas de águia. Os acadêmicos argumentam sobre se isso realmente aconteceu porque a fonte original de evidência é um par de versos skaldic. Um skald é um poeta dos noruegueses, assim que os versos skaldic são escritos por poetas nórdicos, geralmente um poeta da corte

Uma das características de um poema skaldic é que é incrivelmente complicado, como um enigma de palavras cruzadas críptico. Se você tem uma referência ao que parece ser a Águia de Sangue em um verso esquelético, é bem provável que isso seja uma presunção poética. Roberta Frank, em Yale, argumenta que a Águia do Sangue é apenas a idéia de um pássaro carniça coçando na parte de trás dos mortos. Se você cria muitos corpos, você é um guerreiro muito bom. Isso é o que está sendo referido. Mas quando escritores posteriores fizeram histórias de prosa em torno destes versos skaldic, eles parecem ter interpretado literalmente. Então é bem provável que não houvesse tal coisa como essa horrível forma de tortura, mas cresceu no relato.

Eu presumo que você não é um fã da série de TV Vikings?

[Risos] Eu absolutamente amo isso! Brilhante! Eles fazem tanta pesquisa! Por exemplo, quando eles navegam no episódio um da primeira temporada, tentando encontrar as Ilhas Britânicas, eles dizem: "Como vamos navegar, está tão nublado?" Eles então sustentam essa coisa que eles chamam de pedra-de-sol. A idéia é que você é capaz de ver de onde a luz está vindo e que permite navegar. Há muita discussão se algo como esta pedra realmente existiu. Há relatos escritos dele. Mas eles não encontraram nenhum exemplo de outros contextos vikings. Mas a idéia de que eles não saberiam que as Ilhas Britânicas existia são bichos absolutos! Eles estavam negociando há anos.

Você é um acadêmico, mas você definitivamente deixou sua torre de marfim para pesquisar este livro. Fale sobre alguns dos destaques de suas viagens, e como trabalhar neste livro mudou sua visão dos Vikings.

Eu não sou muito fã da torre de marfim. Acho que as bibliotecas são chatas [Risos] Então, indo para a Gronelândia era parte da razão pela qual eu queria escrever o livro. Eu estava lá durante dois verões. O primeiro verão eu fiz isso na parte de trás de um pônei islandês com um guia, que era esta mulher surpreendente, pioneira. Nós trekked da ruína nórdica à ruína dos noruegueses, permanecendo em fazendas de Greenlandic, que eram frequentemente no mesmo lugar que as ruínas nórdicas. Mais tarde, eu peguei um ferry de três dias e chugged até a costa passado o Círculo Ártico para um lugar chamado Ilulissat, que é um Património Mundial da UNESCO, porque é cheio de icebergs. Pode até ser o fiorde onde o iceberg que afundou o Titanic pariu.

Na Gronelândia, eu estava vendo as evidências arqueológicas para a visão do mundo que eu tinha das sagas: as fazendas descritas em algumas das sagas, o fiorde onde Erik o Vermelho viveu. I se hospedaram à direita ao lado de sua fazenda! Mais do que qualquer coisa, me deu uma sensação de como essas pessoas eram extraordinárias; Quão longe eles foram; Como era perigoso; Quão intrépidos e corajosos eles iriam até o limite.

Esta entrevista foi editada por comprimento e clareza.

Simon Worrall curates livro conversa. Siga-o no Twitter ou no simonworrallauthor.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário