Google+ Followers

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Rijksmuseum unveils 18th-century South Africa through comprehensive digital portrait. --- Rijksmuseum desvela a África do Sul do século XVIII através de um retrato digital abrangente.

Today the Rijksmuseum launched www.robertjacobgordon.nl through which all of Robert Jacob Gordon’s drawings, diaries and letters are made accessible to all for the first time. 

Hippopotamus amphibius capensis (Nijlpaard), Robert Jacob Gordon, ca. 1777.


The 18th-century Dutch explorer documented South Africa’s inhabitants, flora and fauna in more than 450 detailed drawings. He meticulously noted down in his diaries and letters everything he experienced during his expeditions. The drawings, which include unique 8-metre-long panoramas, form part of the collection at the Rijksmuseum. The diaries and letters are kept in the Brendhurst Library in Johannesburg. 

On the occasion of the exhibition Good Hope. South Africa and The Netherlands from 1600, all of Gordon’s diaries and drawings are reunited for the first time and thus present a comprehensive view of 18th-century South Africa. 

Zoom in on 18th-century South Africa 

Through www.robertjacobgordon.nl, visitors are given a complete portrait of what Gordon encountered, and where. The site enables visitors to zoom in on the 18th-century maps Gordon created alongside contemporary South Africa via Google Maps. The comparison revealed the uncanny accuracy of Gordon’s measurements. His diaries and letters are also made available digitally for the first time via the website. Gordon’s travel notes, discovered in 1960, are kept in the Brandhurst Library in Johannesburg, South Africa. Through the website, these documents are made accessible for the first time. The original texts have been transcribed and translated into English for the occasion, with special functions linking Gordon’s texts to his drawings. 

Robert Jacob Gordon 

The 18th-century Dutch scientist Robert Jacob Gordon (1743-1795) travelled through the interior of South Africa during the second half of the 18th century. As a zoologist, cartographer, geographer, linguist, meteorologist and anthropologist, he recorded his discoveries in an ‘Atlas’ – a treasure trove of 450 drawings along with spectacular panoramas, multiple metres in length, that show precisely how Gordon portrayed the land, its inhabitants and the flora and fauna. To record all of this in words and in pictures, he made four extensive expeditions deep into the interior of South Africa, where he was frequently the mediator between the local people and the colonists, resolving conflicts arisen from arson, murders and cattle thefts. As a representative of the European Enlightenment, Gordon poured his knowledge and expertise into the creation of ‘Great Map’, his compendium which remained unfinished due to his suicide in 1795 post the British invasion. A large number of Gordon’s drawings and metres-long, meticulously drawn panoramas can be seen in Rijksmuseum’s exhibition, Good Hope. South Africa & The Netherlands from 1600 (17 February to 21 May 2017).









Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.





--br via tradutor do google
Rijksmuseum desvela a África do Sul do século XVIII através de um retrato digital abrangente.

Hippopotamus amphibius capensis (Nijlpaard), Robert Jacob Gordon, ca. 1777.



    
AMSTERDAM.- Hoje o Rijksmuseum lançou www.robertjacobgordon.nl através do qual todos os desenhos, diários e cartas de Robert Jacob Gordon são acessíveis a todos pela primeira vez.

O explorador holandês do século XVIII documentou os habitantes da África do Sul, flora e fauna em mais de 450 desenhos detalhados. Ele meticulosamente anotou em seus diários e cartas tudo o que ele experimentou durante suas expedições. Os desenhos, que incluem panoramas únicos de 8 metros de comprimento, fazem parte da coleção no Rijksmuseum. Os diários e as cartas são guardados na biblioteca de Brendhurst em Joanesburgo.

Por ocasião da exposição Boa Esperança. África do Sul e Países Baixos a partir de 1600, todos os diários e desenhos de Gordon são reunidos pela primeira vez e, assim, apresentar uma visão abrangente da África do Sul do século XVIII.

Zoom in sobre a África do Sul do século XVIII
Através de www.robertjacobgordon.nl, os visitantes recebem um retrato completo do que Gordon encontrou, e onde. O site permite aos visitantes ampliarem os mapas do século XVIII que Gordon criou ao lado da África do Sul contemporânea por meio do Google Maps. A comparação revelou a extraordinária precisão das medidas de Gordon. Seus diários e cartas também são disponibilizados digitalmente pela primeira vez através do site. As notas de viagem de Gordon, descobertas em 1960, são mantidas na Biblioteca Brandhurst, em Joanesburgo, África do Sul. Através do site, estes documentos são disponibilizados pela primeira vez. Os textos originais foram transcritos e traduzidos para o inglês para a ocasião, com funções especiais ligando os textos de Gordon aos seus desenhos.

Robert Jacob Gordon
O cientista holandês Robert Jacob Gordon (1743-1795) viajou pelo interior da África do Sul durante a segunda metade do século XVIII. Como zoólogo, cartógrafo, geógrafo, lingüista, meteorologista e antropólogo, ele registrou suas descobertas em um 'Atlas' - um tesouro de 450 desenhos com espectaculares panoramas de vários metros de comprimento que mostram exatamente como Gordon retratou a terra, Habitantes e da flora e fauna. Para registrar tudo isso em palavras e imagens, ele fez quatro extensas expedições no interior da África do Sul, onde era freqüentemente o mediador entre a população local e os colonos, resolvendo conflitos surgidos de incêndios criminosos, assassinatos e roubos de gado. Como um representante do Iluminismo Europeu, Gordon derramou seus conhecimentos e experiência na criação de 'Great Map', seu compêndio que permaneceu inacabado devido ao seu suicídio em 1795 após a invasão britânica. Um grande número de desenhos de Gordon e panoramas meticulosamente desenhados, medindo longos metros, podem ser vistos na exposição de Rijksmuseum, Boa Esperança. África do Sul e Holanda de 1600 (17 de fevereiro a 21 de maio de 2017).

Nenhum comentário:

Postar um comentário