Google+ Followers

sexta-feira, 10 de março de 2017

Five Continents Museum in Munich, Skulls of Brazilian Indians, controversial German colonial legacy. --- Museu Cinco Continentes, em Monique, Crânios de indígenas brasileiros, controverso legado colonial alemão.

In the 19th century, researchers promoted hunting by skulls of different peoples in Brazil to conduct evolutionary studies. At least 28 follow in museums in Germany - and way of dealing with the collection is currently debated.

Munduruku trophy head, brought by travelers Martius and Spix, currently at the Five Continents Museum in Munich (Photo: Museum Fünf Kontinente / M. Weidner)

For two years, at the beginning of the 19th century, the German prince Maximilian zu Wied-Neuwied (1782 - 1867) ventured through Brazilian lands in search of deepening ethnological, zoological and botanical knowledge. At the end of his journey, in February 1818, in addition to samples of animals and plants, he brought from the expedition Joachim Kuêk, a botocudo who accompanied him in the valley of the river Doce.

Far from his homeland, the "exotic visitor" became an object of study, displayed in one of the rooms of the prince's palace. Life in Germany was not easy for Kuêk, who succumbed to alcohol and had a tragic end: in the New Year of 1833, he would have fallen from a window and not resisted the cold. Wied-Neuwied donated the skull of the former servant to the anatomy institute of the University of Bonn.

After almost 200 years of the beginning of the German journey of Kuêk, its skull was returned to the city of Jequitinhonha in 2011, and passed on to a Krenak tribe descended from the Indian.

The case of Kuêk is the most emblematic of the period in which European researchers promoted true hunting by skulls of different peoples around the world, including in Brazil, to conduct controversial evolutionary and behavioral studies.

Nowadays, the legacy of this "scientific hunt" is part of museum collections in Germany, and the fate of these collections is still a delicate subject. The most correct way to treat these remains, either by returning them or staying where they are, is a question that generates debates between experts and ethnicities who have been victims of this historical episode.

At least 28 skulls from Brazil make parts of museum collections in Germany, according to DW Brazil. Three of Botocudos, from the collection of traveler Georg Wilhelm Freyreiss, are at the Senckenberg Natural History Museum in Frankfurt am Main. The Five Continents Museum in Munich has two trophy heads from mundurukus, brought by Carl Friedrich Philipp von Martius and Johann Baptist von Spix.

In a book in which he details details of the expedition to Brazil, Wied-Neuwied reproduces the botocudo skull that he brought to Germany and was given as a gift to Blumenbach 
(Photo: C. Neher / DW)



The Institute of Ethnology at the University of Göttingen also has a trophy head. The collection of the German anatomist Johann Friedrich Blumenbach, considered the father of zoology and physical anthropology, has at least one skull of botocudo and belongs to the Center of Anatomy of the university.

In Berlin, the Prussian Cultural Heritage Foundation (SPK) museums have about 20 skulls from Brazil. But both in the German capital and in Göttingen, information about the origin and provenance of these remains was lost during World War II.

Morbid Hunt

Despite this loss, historical sources and travelers' accounts may help identify the origin of these collections and reveal the often intentionally overlooked side of the morbid "scientific hunt." For specialists, the clarification on the origin, circumstances of the acquisition of the collections and their use in Germany is the most important step in the debate that involves the destination of this controversial legacy.

"For a long period, and even partially today, there has been almost no awareness of the injustice associated with these collections. This is a consequence of the continuation of colonial patterns of perception and a habit of exhibiting the racially 'other' Says historian Jürgen Zimmerer of the University of Hamburg.


The search for skulls in the 19th century was mainly aimed at tracing evolutionary lines and classifying "races". In Brazil, the practice was driven by Blumenbach's desire to trace the evolutionary line of the monkey to humans. For this, the anatomist asked his students, including Prince Wied-Neuwied and Ludwig von Eschwege, to bring skulls from their travels.

Due to reports that they would practice anthropophagy and their physical appearance, considered by Europeans at the time to be exotic, the botocudos, which in the 19th century inhabited the region of the Doce river valley, Espírito Santo and Minas Gerais, Is one of the main targets of German travelers.

"In the 19th century, botocudos were like the Yanomami today, they were considered, for various reasons, the most wild and primitive." Because of this classification, researchers suspect that botocudos are possibly the closest people to the monkey, " Historian Titus Riedl, of the Regional University of Cariri.

The fever for the remains of botocudos in Europe had an extremely negative impact on the ethnic group. In addition to looting of tombs, a real hunt was promoted in the region in search of Indians for the sale of skulls. According to Riedl, in Salvador, came a black market of bones.

But this hunt was not only promoted by European travelers - skulls became a popular official gift of the Brazilian Empire. "In 1875, for example, Dom Pedro 2 presented the Berlin Ethnological Museum with four skulls of botocudos," says historian Georg Fischer of the University of Aarhus.

In addition to botocudo skulls, the trophy heads produced by the Mundurukus, who inhabited the Amazon region, also attracted the attention of travelers. These war trophies were prepared during mummification rituals and had symbolic and spiritual significance.

Return where?

Brought to Germany at the height of European colonialism, even after the end of this period, these collections were exhibited in museums or used in scientific research without ethical reflection on the theme for decades. A few years ago, some institutions started the debate on the right fate for the acquis.

In 2015, the SPK in Berlin developed a manual of practices for dealing with the remains that belong to its collection, which provides a study to clarify the origins of these objects and does not rule out restitution. The Five Continents Museum in Munich has begun a process to identify remains in its collection and contact countries of origin for the return.

In Frankfurt, the process to prove the origin of the remains, which may result in restitution, is initiated if there is any official request from governments. Exposure of these skulls is prohibited by the three institutions.

The restitution, however, may in the end be as problematic as the maintenance of these remains if it does not involve the affected communities. For Ailton Krenak, one of the leading indigenous leaders in Brazil and a descendant of botocudos, devolution itself does not make sense if it is not accompanied by a broad debate in society, which included contextualizing crimes against indigenous people and their consequences.

"More than just imagining what we are going to do with an object that has left the place of memory, it has traveled the world and now can return home, the question remains: what house? In the case of the botocudos, the house no longer exists, The territory that our ancestors circulated or made their villages was totally dememialized, "says Krenak.

The environmentalist also questions the way the repatriation of Kuêk's skull was made. "That circumstance was a fortuitous event, a bit of a nonsense.

Someone took advantage, in a superficial way, the opportunity to repatriate this material and joined with the celebration of the centennial of the municipality.

It had no repercussions in Brazil, it was a local thing and it was frustrating "He says.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--BR
Crânios de indígenas brasileiros, controverso legado colonial alemão.

No século 19, pesquisadores promoveram caçadas por crânios de diferentes povos no Brasil para realizar estudos evolucionistas. Ao menos 28 seguem em museus na Alemanha – e forma de lidar com acervo é atualmente debatida.

Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner) Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner)

Cabeça-troféu de munduruku, trazida pelos viajantes Martius e Spix, atualmente no Museu Cinco Continentes, em Munique (Foto: Museum Fünf Kontinente/M. Weidner)

Durante dois anos, no início do século 19, o príncipe alemão Maximiliam zu Wied-Neuwied (1782 - 1867) se aventurou por terras brasileiras em busca de aprofundar conhecimentos etnológicos, zoológicos e botânicos. No fim de sua jornada, em fevereiro de 1818, além de amostras de animais e plantas, trouxe da expedição Joachim Kuêk, um botocudo que o acompanhou no vale do rio Doce.

Longe de sua terra natal, o "exótico visitante" tornou-se objeto de estudo, exposto numa das salas do palácio do príncipe. A vida na Alemanha não foi fácil para Kuêk, que sucumbiu ao álcool e teve um fim trágico: no Ano Novo de 1833, teria caído de uma janela e não resistido ao frio. Wied-Neuwied doou o crânio do antigo serviçal ao instituto de anatomia da Universidade de Bonn.

Depois de quase 200 anos do início da jornada alemã de Kuêk, seu crânio foi devolvido à cidade de Jequitinhonha, em 2011, e repassado a uma tribo krenak descendente do indígena.

O caso de Kuêk é o mais emblemático do período, no qual pesquisadores europeus promoveram verdadeiras caçadas por crânios de diferentes povos ao redor do mundo, inclusive no Brasil, para realizar controversos estudos evolucionistas e comportamentais.

Atualmente, o legado desta "caçada científica" faz parte de acervos de museus na Alemanha, e o destino destas coleções ainda é tema delicado. A forma mais correta para tratar esses restos mortais, seja por meio da devolução ou da permanência onde estão, é uma questão que gera debates entre especialistas e etnias que foram vítimas deste episódio histórico.

Pelo menos 28 crânios oriundos do Brasil fazem partes de acervos em museus na Alemanha, segundo apurou a DW Brasil. Três de botocudos, da coleção do viajante Georg Wilhelm Freyreiss, estão no museu de história natural Senckenberg, em Frankfurt am Main. O Museu Cinco Continentes, em Munique, possui duas cabeças-troféus de mundurukus, trazidas por Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptist von Spix.

Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW) Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW)

Em livro no qual relata detalhes de expedição ao Brasil, Wied-Neuwied reproduz crânio botocudo que trouxe para a Alemanha e foi dado de presente a Blumenbach (Foto: C. Neher/DW)

O Instituto de Etnologia da Universidade de Göttingen possui também um exemplar de cabeça-troféu. Já a coleção do anatomista alemão Johann Friedrich Blumenbach, considerado o pai da zoologia e da antropologia física, tem pelo menos um crânio de botocudo e pertence ao Centro de Anatomia da universidade.

Em Berlim, os museus da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano (SPK) possuem cerca de 20 crânios do Brasil. Mas tanto na capital alemã, como em Göttingen, informações sobre a origem e procedência destes restos mortais foram perdidas durante a Segunda Guerra Mundial.

Caçada mórbida

Apesar desta perda, fontes históricas e relatos de viajantes podem ajudar na identificação da origem destes acervos e revelar o lado esquecido, muitas vezes intencionalmente, da mórbida "caçada científica". Para especialistas, o esclarecimento sobre a procedência, circunstâncias da aquisição das coleções e sua utilização na Alemanha é o passo mais importante no debate que envolve a destinação deste controverso legado.

"Durante um longo período, e parcialmente até hoje, não houve quase nenhuma consciência da injustiça relacionada a estas coleções. Isso é uma consequência da continuidade de padrões coloniais de percepção e de um hábito de exibição do 'outro' classificado em termos raciais", afirma o historiador Jürgen Zimmerer, da Universidade de Hamburgo.


A busca por crânios no século 19 visava principalmente traçar linhas evolutivas e classificar "raças". No Brasil, a prática foi impulsionada pelo desejo de Blumenbach em traçar a linha evolutiva do macaco até os seres humanos. Para isso, o anatomista solicitou a seus alunos, entre eles o príncipe Wied-Neuwied e Ludwig von Eschwege, que trouxessem crânios de suas viagens.

Devido a relatos de que praticariam a antropofagia e à sua aparência física, considerada por europeus na época como exótica, os botocudos, que, no século 19, habitavam a região do vale do rio Doce, no Espírito Santo e em Minas Gerais, tornaram-se um dos principais alvos de viajantes alemães.

"No século 19, os botocudos eram como os ianomâmis hoje. Eles eram considerados, por vários motivos, os mais selvagens e primitivos. Devido a essa classificação, os pesquisadores suspeitam que os botocudos seriam possivelmente o povo mais próximo ao macaco", afirma o historiador Titus Riedl, da Universidade Regional do Cariri.

A febre por restos mortais de botocudos na Europa teve um impacto extremamente negativo para a etnia. Além de saques de túmulos, uma verdadeira caçada foi promovida na região em busca de indígenas para a venda de crânios. De acordo com Riedl, em Salvador, chegou a surgiu um mercado negro de ossos.

Mas essa caçada não foi promovida somente por viajantes europeus – crânios tornaram-se um popular presente oficial do Império brasileiro. "Em 1875, por exemplo, Dom Pedro 2º presentou o Museu Etnológico de Berlim com quatro crânios de botocudos", afirma o historiador Georg Fischer, da Universidade de Aarhus.

Além de crânios de botocudos, as cabeças-troféus produzidas pelos mundurukus, que habitavam a região da Amazônia, também chamavam a atenção de viajantes. Esses troféus de guerra eram preparados durante rituais de mumificação e possuíam um significado simbólico e espiritual.

Devolver para onde?

Trazidos para a Alemanha no auge do colonialismo europeu, mesmo após o fim deste período, essas coleções foram expostas em museus ou utilizadas em pesquisas científicas sem que houvesse uma reflexão ética sobre o tema durante décadas. Há poucos anos, algumas instituições começaram o debate sobre o destino correto para o acervo.

Em 2015, a SPK em Berlim desenvolveu um manual de práticas para o trato com restos mortais que pertencem a sua coleção, que prevê um estudo para esclarecer as origens destes objetos e não descarta a restituição. Já o Museu Cinco Continentes, em Munique, iniciou um processo para identificar restos mortais em seu acervo e contatar países de origem para a devolução.

Em Frankfurt, o processo para comprovar a procedência dos restos mortais, que pode resultar na restituição, é iniciado se houver algum pedido oficial de governos. A exposição destes crânios é proibida pelas três instituições.

A restituição, porém, pode ser no fim tão problemática quanto a manutenção destes restos mortais se não envolver as comunidades atingidas. Para Ailton Krenak, uma das principais lideranças indígenas do Brasil e descendente de botocudos, a devolução em si não faz sentindo se ela não vier acompanhada de um debate amplo na sociedade, que incluiu a contextualização sobre crimes cometidos contra indígenas e suas consequências.

"Mais do que ficar imaginando o que vamos fazer com um objeto que saiu do lugar de memória, peregrinou pelo mundo e agora pode voltar para casa, a pergunta que resta é: que casa? No caso dos botocudos, a casa não existe mais, o território que nossos antepassados circulavam ou faziam suas aldeias foi totalmente desmemorializado", afirma Krenak.

O ambientalista questiona ainda a maneira como foi feita a repatriação do crânio de Kuêk. "Aquela circunstância toda foi um evento fortuito, meio sem sentido.

 Alguém aproveitou, de maneira superficial, a oportunidade de repatriar esse material e juntaram com a celebração do centenário do município.

Não teve nenhuma repercussão no Brasil, ficou uma coisa local e foi frustrante", avalia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário