Google+ Followers

quarta-feira, 15 de março de 2017

O Ministério da Cultura, Brasil, abrirá edital para jovens criarem canais culturais de vídeos na web.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (10 de março de 2017), durante a feira audiovisual Rio Content Market, por Mariana Ribas, secretária do audiovisual do MinC. 

Mariana Ribas,

Para participar, os criadores de conteúdo, chamados pelo MinC de juventude vlogueira, precisarão ter de 18 a 29 anos e terão que publicar ao menos duas vezes por mês vídeos de cinco a 15 minutos. A ideia é que o edital seja voltado para a criação de novos canais, com temática cultural livre.

O Ministério da Cultura vai lançar ainda em 2017 editais destinados a apoiar a produção de canais sobre cultura de conteúdo em vídeo para a web (como os que existem no YouTube) e também em apoio ao desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis.

- Sobre a Mariana Ribas
Com 13 anos de dedicação à cultura, a carioca Mariana Ribas assumiu, em dezembro de 2016, a Secretaria do Audiovisual (SAv) do Ministério da Cultura (MinC). Profissional graduada em Comunicação Social, com pós-graduação em Jornalismo Cultural, Mariana atuou fortemente na área cultural do Rio de Janeiro, tendo trabalhado por oito anos na Secretaria Municipal de Cultura, além de ter sido presidente da RioFilme. Nesta entrevista ao portal do MinC, a secretária fala de seus planos e perspectivas para a pasta. 
 
Quais são suas prioridades à frente da SAv?
Entre as principais estão as atividades da Cinemateca Brasileira, tendo em vista que a preservação é uma das coisas mais importantes que devemos deixar como legado para a sociedade, e do Centro Técnico Audiovisual (CTAv). Ambos são vinculados à SAv e precisam de uma atenção muito especial. Outra prioridade é a retomada do programa de editais, principalmente no que diz respeito às mostras e aos festivais de audiovisual, pois recebemos muitas demandas e a melhor maneira de fazer uma seleção é por meio de edital. 
 
Há uma previsão para o lançamento desses editais?
Queremos retomar os editais de produção de curtas, mostras e festivais e de filmes de baixo orçamento. Começamos as reuniões com as coordenações, pedimos que eles fizessem um estudo minucioso dos últimos editais da SAv e das demandas atuais em relação às novas mídias. Estamos em fase de levantamento de informações para, ainda no primeiro trimestre, fazer a divulgação das linhas de ação, valores e previsão de cronograma para 2017. 
 
Você teve uma longa carreira na RioFilme, chegando ao cargo de presidente. Há alguma experiência de lá que pretende trazer para o MinC?
A principal experiência que pretendo trazer da RioFilme refere-se ao programa de editais. Creio que sempre deve haver algum tipo de política pública voltada para a produção de mostras, festivais, curtas, longas e etc. E isso precisa ter certa temporalidade. Se há um programa de fomento que é divulgado todo ano, num determinado período, os produtores conseguem se programar. O que falta é continuidade das políticas públicas. Eu implantei o atual programa de editais da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, em 2013. É fato que, desde a implantação, o programa sofreu algumas alterações, ajustes de linha de ações e de valores, mas acontece todos os anos. 
 
Quais são os projetos levados pela SAv nos anos anteriores que terão continuidade durante sua gestão?
A Revista Filme Cultura está com um processo aberto de seleção de artigos, com prazo até 16 de fevereiro. A Programadora Brasil, que é um projeto tocado inicialmente pela Cinemateca Brasileira, está em fase de conclusão. É provável que, em maio, já tenhamos a plataforma pronta, com conteúdos nacionais. 
 
Quais são os principais desafios da pasta?
Um dos principais desafios à frente de um cargo no poder público é conseguir, em termos de Brasil, ter braços para entender as particularidades de cada região. Estar presente no Brasil inteiro é muito difícil, então, o diálogo entre poder público e sociedade civil é um grande desafio. Além disso, outra questão é a desburocratização. A cultura tem muitas particularidades. Quem trabalha com cultura sabe que não é fácil, os desafios são muitos, mas é uma área que traz grande retorno, tanto profissional quanto pessoal, porque conseguimos materializar o trabalho feito aqui dentro. Nós vemos os resultados nos filmes, numa mostra, num festival do qual participemos e na própria formação dos profissionais, na qual também investimos. 
 
Quais os planos específicos para a Cinemateca Brasileira?
No ano passado, foi feita uma licitação para gestão da Cinemateca por meio de um OS (Organização Social). Neste momento, estamos na fase de elaboração da minuta do contrato, ou seja, pela primeira vez, o ministério vai trabalhar com uma gestão por meio de uma OS.  A previsão é que eles assumam a Cinemateca em abril deste ano. A Cinemateca não tem personalidade jurídica e a ida de uma OS dá um pouco mais de liberdade para o espaço. Uma OS, por exemplo, pode captar recursos por meio da Lei Rouanet. 
 
E o CTAv?
Nossa ideia, tanto para a Cinemateca quanto para o CTAv, é potencializar os dois espaços, melhorar as políticas públicas que temos, tanto de preservação, para a Cinemateca, quanto de capacitação, para o CTAv. Temos que trazer mais projetos, pensar além do atendimento que nós já fazemos nesses dois espaços para aumentar a formação e o suporte aos produtores. 
 
Como a SAv pretende abordar a questão da acessibilidade, no que diz respeito às políticas do Audiovisual?
Todos os editais da SAv já vêm com uma cláusula que exige que o material produzido seja acessível e fazemos essa verificação aqui, na entrega do produto final. Mas os desafios vão além disso. Para a exibição de um conteúdo audiovisual, é preciso que o espaço também seja acessível. Como o portador de necessidade especial chega ao local ou fica sabendo que pode se valer desses produtos? A meta é que todo o material distribuído e produzido com o apoio do MinC encontre um ponto de convergência, para que potencializemos a divulgação e a difusão de tudo que estamos fazendo em relação à acessibilidade. 
 
A cultura é considerada por muitos como um eixo estratégico para o desenvolvimento econômico e social do país. Como o audiovisual e a SAv podem contribuir nesse aspecto?
Quando se fala de audiovisual, pensamos inicialmente em indústria, em cinema, séries de televisão... Mas uma coisa que temos que pensar é na juventude, encontrar os futuros profissionais, fomentar e fortalecer novos produtores, distribuidores... E aí pensar na atividade como indústria e como desenvolvimento. Além disso, temos que pensar e garantir o acesso ao conteúdo audiovisual para quem está no interior e de repente não tem acesso à internet, não tem sala de cinema na cidade ou não tem curso de capacitação profissional, mas, se tivesse o primeiro contato com o audiovisual, poderia transformar essa experiência em uma atividade profissional.
 
Como fomentar ainda mais a produção audiovisual brasileira?
Já temos algumas medidas formuladas especialmente para isso, como a cota de tela. Temos também a Lei da TV paga, que prevê um mínimo de produção nacional nos canais por assinatura. Além disso, com os editais e as políticas públicas que formulamos, conseguimos contribuir para ampliar a produção. Temos políticas públicas tanto para produzir quanto para veicular conteúdo, que é o que acho mais importante, onde será exibido, por onde ele vai circular, a quem damos acesso... Isso é uma das coisas mais importantes para se pensar. 
Alessandra de Paula
Assessoria de Comunicação

Ministério da Cultura





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.

Nenhum comentário:

Postar um comentário