Google+ Followers

terça-feira, 28 de março de 2017

Priceless remains lie in ruins at Mosul museum. --- Priceless fica em ruínas no museu de Mosul.

It was once home to priceless archaeological treasures, but these days you get into Mosul museum in Iraq's second city via a gaping hole in the basement. 

People inspect the damage inside the destroyed museum of Mosul on March 11, 2017 after it was recaptured by Iraqi forces from Islamic State (IS) group fighters. Iraqi forces seized the building from IS on March 7 as they pushed into west Mosul as part of a vast offensive to oust the jihadists from the northern city. ARIS MESSINIS / AFP. 

by Tony Gamal-Gabriel


In the darkness lies a pile of rubble -- all that remains of two ancient Assyrian statues of winged bulls, smashed to pieces by Islamic State group jihadists. 

Iraqi forces announced that they retook the building from IS on Tuesday as they pushed into west Mosul as part of a vast offensive to oust the jihadists from the northern city. 

Taking the museum was a symbolic victory. 

In a notorious video issued in February 2015, the jihadists were seen attacking items at the museum with sledgehammers and pneumatic drills, destroying priceless pre-Islamic artefacts. 

Today, the museum is in ruins -- nothing escaped the attackers. 

In a darkened hall, a heap of stones marks the spot where tourists once admired two imposing "lamassu" statues, Assyrian winged bulls with human faces. 

The two-metre-tall monuments weighed more than four tonnes, according to Iraqi archaeologist Layla Salih. 

In the rubble, what appear to be the remains of carved legs and wings can be seen. Other pieces of smashed stone bear inscriptions in the cuneiform alphabet. 

Amid the ruins, a hole leads to the basement, where twisted iron bars are visible in the foundations. 

From time to time, an explosion rocks the building, a plain structure of ochre rock, as Iraqi forces fire rockets at IS positions. 

On the first floor, two Iraqi snipers huddle behind narrow windows, their weapons trained. An IS sniper is operating nearby. 

Assyria, with its capital Nineveh in the area of present-day Mosul, was a kingdom in northern Mesopotamia that became one of the most powerful empires in the ancient Middle East. 

Assyrian art is famous for its bas-reliefs showing scenes of war. 

'Destroyed on the spot' 

As well as the two lamassu, the museum housed a winged lion of similar proportions, says Salih. 

The three lost sculptures "were among the most valuable pieces in the museum", she says. 

The building had housed 100 objects, she adds, and all but six of them were originals. 

"Antiquities weighing more than four tonnes were impossible for them to steal, so they were destroyed on the spot." 

The second-most important museum in Iraq, the building also housed Hellenic objects dating from centuries before the Christian era. 

But now, the iron and wood showcases are empty, covered with broken glass. 

Labels discarded on the ground bear witness, in Arabic and English, to inestimable losses: 

"Two silver goblets found in the royal cemetery of Ur... dating from 2,600 BC." 

"Various small objects found in the royal palaces of Nimrud - 9th century BC." 

Others mention pottery, marble or alabaster tablets and a Mamluk-era copper candleholder decorated with floral motifs. 

IS jihadists seized a string of ancient sites in their lightning 2014 advance across Iraq and Syria. 

After declaring their supposed caliphate that summer, they plundered and destroyed several of them. 

The jihadists cast their destruction of artefacts as the religiously mandated elimination of idols, but they have had no qualms about selling smaller pieces on the black market to fund their rule. 

In one video, they were seen using bulldozers, pickaxes and explosives to demolish Nimrud, a jewel of the Assyrian empire founded in the 13th century BC. 

At Mosul museum, little survived except two massive, dark coffins decorated with inscriptions from the Koran. Salih says they belonged to 13th century Shiite imams. 

"A restoration is possible, but it will be difficult to know if we will find all the fragments, or if some are missing," she says.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 


but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google

Priceless fica em ruínas no museu de Mosul.

Era uma vez o lar de tesouros arqueológicos inestimáveis, mas estes dias você entra no museu de Mosul na segunda cidade do Iraque através de um buraco enorme no porão.




Na escuridão está uma pilha de escombros - tudo o que resta de duas antigas estátuas assírias de touros alados, quebradas em pedaços pelos jihadistas do grupo do Estado Islâmico.

As forças iraquianas anunciaram que retomaram o prédio do IS na terça-feira, quando empurraram para o oeste de Mosul como parte de uma vasta ofensiva para expulsar os jihadistas da cidade do norte.

Tomar o museu foi uma vitória simbólica.

Em um notório vídeo emitido em fevereiro de 2015, os jihadistas foram vistos atacando itens no museu com marretas e brocas pneumáticas, destruindo artefatos pre-islâmicos inestimáveis.

Hoje, o museu está em ruínas - nada escapou dos atacantes.

Em um salão escurecido, um monte de pedras marca o local onde os turistas uma vez admiravam duas imponentes estátuas "lamassu", touros alados assírios com rostos humanos.

Os monumentos de dois metros de altura pesavam mais de quatro toneladas, de acordo com a arqueóloga iraquiana Layla Salih.

Nos escombros, o que parecem ser os restos de pernas esculpidas e asas pode ser visto. Outras peças de pedra esmagada inscrições urso no alfabeto cuneiforme.

Entre as ruínas, um buraco conduz ao porão, onde as barras de ferro torcidas são visíveis nos fundamentos.

De tempos em tempos, uma explosão invade o edifício, uma estrutura lisa de rocha ocre, enquanto as forças iraquianas disparam foguetes em posições de IS.

No primeiro andar, dois franco-atiradores iraquianos se amontoam atrás de janelas estreitas, suas armas treinadas. Um sniper IS está operando nas proximidades.

A Assíria, com sua capital Nínive, na área do atual Mosul, era um reino no norte da Mesopotâmia, que se tornou um dos impérios mais poderosos do antigo Oriente Médio.

A arte assíria é famosa por seus bas-reliefs mostrando cenas de guerra.

"Destruído no local"

Bem como os dois lamassu, o museu abrigou um leão alado de proporções semelhantes, diz Salih.

As três esculturas perdidas "estavam entre as peças mais valiosas no museu", diz ela.

O edifício abrigava 100 objetos, acrescenta, e todos, exceto seis, eram originais.

"Antiquities que pesam mais de quatro toneladas era impossível para eles roubar, assim eles foram destruídos no local."

O segundo museu mais importante no Iraque, o edifício também abrigou objetos helênicos datam de séculos antes da era cristã.

Mas agora, as vitrines de ferro e madeira estão vazias, cobertas de vidro quebrado.

As etiquetas descartadas no chão dão testemunho, em árabe e em inglês, de perdas inestimáveis:

"Duas taças de prata encontradas no cemitério real de Ur ... datam de 2.600 aC".

"Vários objetos pequenos encontrados nos palácios reais de Nimrud - 9o século BC."

Outros referem cerâmica, mármore ou tabuletas de alabastro e um candelabro de cobre de era mameluca decorado com motivos florais.

IS jihadistas apreenderam uma seqüência de locais antigos em seu relâmpago avanço de 2014 através do Iraque e Síria.

Depois de declarar seu suposto califado naquele verão, saquearam e destruíram vários deles.

Os jihadistas lançaram sua destruição de artefatos como a eliminação religiosa de ídolos, mas eles não tiveram escrúpulos em vender peças menores no mercado negro para financiar seu governo.

Em um vídeo, eles foram vistos usando bulldozers, picaretas e explosivos para demolir Nimrud, uma jóia do império assírio fundada no século 13 aC.

No museu de Mosul, pouco sobreviveu exceto dois enormes caixões escuros decorados com inscrições do Alcorão. Salih diz que eles pertenciam aos imãs xiitas do século XIII.

"Uma restauração é possível, mas será difícil saber se vamos encontrar todos os fragmentos, ou se alguns estão faltando", diz ela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário