Google+ Followers

quarta-feira, 22 de março de 2017

See the creepy-crawly stowaways in a 3000-year-old loaf of bread. --- Veja os passageiros clandestinos assustadores em um pão de 3000 anos de idade.

This New Scientist article, usually accessible only to subscribers, is made available for free by the Museum of Applied Arts and Sciences in Sydney, Australia.




MUMMIES weren’t the only bodies preserved in the tombs of ancient Egypt. These biscuit beetles were discovered inside a loaf of funerary bread collected in the early 1800s, possibly from a tomb in the necropolis of ancient Thebes.




Such tombs were cool, extremely dry and sealed off from the outside world. “This slowed down in a major way the natural processes of microbial activity and decay,” says Caroline Cartwright of the British Museum in London. The conditions preserved everything from coffin wood to the ceremonial bread — and its stowaways.

The beetles, and their final meal, were buried 3000 to 3500 years ago. Along with other foods like fruit and cake, loaves were left in ancient Egyptian tombs as symbolic offerings, intended to feed the deceased in the afterlife.

To find out what ingredients were in the ritual bread, Cartwright and her colleague John Taylor took images of more than 20 ancient loaves using one of the Department of Scientific Research’s scanning electron microscopes – catching these bugs in the process.

Some of the loaves were made with ingredients we would consider inedible today, like chaff and straw. Others were made of barley or wheat, and some contained fruits.

Caroline Cartwright. The trustees of the British Museum


The bugs pictured are biscuit beetles, about 2 to 3 millimetres long, but the loaf also housed adult grain beetles and fragments of larvae belonging to both species.

This article appeared in print under the headline “Bread bugs”

Caroline Cartwright. The trustees of the British Museum
By Emily Benson







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

https://www.newscientist.com/article/mg23130870-100-see-the-creepycrawly-stowaways-in-a-3000yearold-loaf-of-bread/

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google

Veja os passageiros clandestinos assustadores em um pão de 3000 anos de idade.

Este artigo do New Scientist, geralmente acessível somente aos assinantes, é disponibilizado gratuitamente pelo Museu de Artes Aplicadas e Ciências em Sydney, Austrália

MUMIAS não eram os únicos corpos preservados nas tumbas do antigo Egito.
Estes besouros do biscoito foram descobertos dentro de um naco do pão funerário recolhido no 1800s adiantado, possivelmente de um túmulo na necrópolis de Thebes antigo.

Essas tumbas eram frescas, extremamente secas e isoladas do mundo exterior. "Isto retardou para baixo em uma maneira principal os processos naturais da atividade e da deterioração microbianas," diz Caroline Cartwright do museu britânico em Londres. As condições preservaram tudo, desde caixão de madeira até o pão cerimonial - e seus clandestinos.

Os besouros, e sua refeição final, foram enterrados 3000 a 3500 anos atrás. Junto com outros alimentos como frutas e bolo, pães foram deixados em túmulos egípcios antigos como ofertas simbólicas, destinados a alimentar o falecido na vida após a morte.

Para descobrir quais ingredientes estavam no pão ritual, Cartwright e seu colega John Taylor tiraram imagens de mais de 20 pães antigos usando um dos microscópios eletrônicos de varredura do Departamento de Pesquisas Científicas - capturando esses insetos no processo.

Alguns dos pães eram feitos com ingredientes que hoje consideramos não comestíveis, como palha e palha. Outros eram feitos de cevada ou trigo, e alguns continham frutas.

Os bichos retratados são besouros de biscoito, cerca de 2 a 3 milímetros de comprimento, mas o pão também abrigou besouros de grãos adultos e fragmentos de larvas pertencentes a ambas as espécies.

Este artigo apareceu na cópia sob o título "bugs do pão"
Caroline Cartwright. Os curadores do Museu Britânico




Nenhum comentário:

Postar um comentário