Google+ Followers

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Pão de queijo is the history of Brazil in a moreish cheese snack. --- O Pão de queijo é a história do Brasil em um lanche de queijo de mais carne.

Indigenous Brazilians, African slaves and European farmers all influenced the evolution of these tasty cheese balls from the state of Minas Gerais.


At almost every Brazilian gathering you’ll find pão de queijo (pronounced pow-ge-kay-ju) on the table: small golden cheese balls with a crunchy crust, a light, fluffy centre and a slightly tart flavour. They are similar to French gougère but are naturally gluten free.

Its culinary roots can almost certainly be traced back to the landlocked state of Minas Gerais in south-east Brazil. It’s thought that the indigenous Guaraní peoples pounded native cassava, otherwise known as yuca or manioc, to make basic bread long before the arrival of the Portuguese in 1500. When the colonisers settled in Minas, bringing with them African slaves – the colonial capital Ouro Preto was at the heart of the Brazilian gold rush – they discovered that the land wasn’t suitable for cultivating grains like wheat, and turned to this hardy, starchy tuber.



Like bitter almonds, cassava root contains cyanide and rendering it edible was a laborious process; it had to be peeled, finely grated, soaked in water and dried. This left behind a residue of powdery tapioca starch that the slaves, desperate to boost their paltry diet, would scrape out of the bowls and roll into small balls of dough before baking.

Fast-forward to the late 19th century; slavery was abolished, cattle farms were widespread, and salty, aged Minas cheese, milk and eggs were added to the mix, and this historic snack went nationwide. It is available around-the-clock and often sold in bars, but it’s best eaten at breakfast, fresh from the oven and washed down with a cup of Brazilian coffee. 







colaboração: Ana Paula Gaspar


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
O Pão de queijo é a história do Brasil em um lanche de queijo de mais carne.

Brasileiros indígenas, escravos africanos e agricultores europeus influenciaram a evolução dessas bolas de queijo saborosas do estado de Minas Gerais.

Em quase todos os encontros brasileiros, você encontrará o pão de queijo (pronunciado pow-ge-kay-ju) sobre a mesa: pequenas bolas de queijo dourado com uma crosta crocante, um centro leve e fofo e um sabor ligeiramente gélido. Eles são semelhantes ao gougère francês, mas são naturalmente sem glúten.

Suas raízes culinárias quase certamente podem ser rastreadas até o estado de Minas Gerais, no litoral, no sudeste do Brasil. Pensa-se que os povos indígenos guaranis batiam a mandioca nativa, também conhecida como yuca ou mandioca, para fazer pão básico muito antes da chegada dos portugueses em 1500. Quando os colonizadores se estabeleceram em Minas, trazendo consigo escravos africanos - a capital colonial Ouro Preto Estava no coração da corrida do ouro brasileiro - eles descobriram que a terra não era adequada para cultivar grãos como o trigo e se voltou para esse tubérculo resistente e amiláceo.

Como as amêndoas amargas, a raiz da mandioca contém cianeto e torná-la comestível foi um processo laborioso; Tinha que ser descascada, ralada, embebida em água e seca. Isso deixou um resíduo de amido de tapioca em pó que os escravos, desesperados por aumentar sua dieta insignificante, raspariam as tigelas e rolariam em pequenas bolas de massa antes de assar.

Avanço rápido até o final do século 19; A escravidão foi abolida, as fazendas de gado foram generalizadas e o queijo salgado, envelhecido Minas, leite e ovos foram adicionados à mistura, e esse lanche histórico foi em todo o país. Está disponível 24 horas por dia e muitas vezes vendido em bares, mas é melhor comer no café da manhã, fresco do forno e lavado com uma xícara de café brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário