Google+ Followers

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Iraq accelerates work on its virtual national museum. --- O Iraque acelera o trabalho em seu museu nacional virtual.

BAGHDAD — Iraq’s Ministry of Tourism and Antiquities has accelerated its efforts to finish by the end of 2018 the Virtual Museum of Iraq, which will create a comprehensive database of Iraqi archaeological heritage online.




“The project, which will establish a comprehensive database of Iraq’s cultural and heritage treasures, will make the Iraqi antiquities accessible to people all around the world,” said Abdel Amir al-Hamadani, an Iraqi archaeologist who is a candidate for management of the National Museum of Iraq.

The acceleration of the project comes following a Japanese government loan to Iraq a year ago. The funding was used to purchase equipment that would enable the online categorization of Iraq’s numerous archaeological relics, giving a breath of life to the virtual museum project that has been on the table since 2005. Most experts, however, maintain that further funding would be required to make it a truly stellar virtual museum.

At present, the Virtual Museum of Iraq's website is in English, Arabic and Italian and offers a flash video that takes visitors to eight different doors that correspond to periods of Iraq’s history: Prehistoric, Sumerian, Akkadian and Neo-Sumerian, Babylonian, Assyrian, Achaemenid and Seleucid, Parthian and Sasanian, and Islamic. If the visitor clicks on any of the objects in the halls, it zooms closer and allows you to observe the object closer, as if you were in a real museum.

Many of the relics in the website come from the National Museum of Iraq, which was closed in 2003 when US forces invaded Iraq and then officially reopened in 2015. The museum includes many exhibition halls, classified by historical periods, just like its online version, and displays many Assyrian monuments and cuneiform writings.

Junaid Amer Hamid, an archaeologist at the Iraqi National Museum, told Al-Monitor that the virtual national museum project started in 2005 through cooperation with American and Italian efforts, but had been “slow in its beginning because of the lack of funding, as well as security and political conditions in Iraq.”

He predicted that the “next two years will witness the completion of the virtual museum, which will by then include most of Iraq’s relics and artifacts.”

Hamadani, whose archaeological work is acknowledged on the website, said that despite all the financial and technological difficulties, considerable progress was made on the virtual museum. “The first step was to translate texts into Arabic and edit the texts," he said. "I was personally involved in the translation process and the publishing of information in Arabic, English and Italian. Indeed, relics from the 23 halls of the Iraqi museum were put up online, divided according to chronological historical ages, from prehistoric times until the end of the Islamic era.”

But financial difficulties stopped further work, said Hamadani. The Japanese grant was then used to overcome the financial bottleneck. 

“The Japanese grant includes cameras, computers and other devices that will be used to document and digitally record Iraqi antiquities,” said Tanheen Ali Al-Miyadi, an information officer at the Iraqi National Museum. “Iraqi cultural heritage will gradually be transferred online to a virtual museum comparable to international practices.”

However, the process of documenting the existing items and tracking the lost ones continues to be both difficult and time-consuming. Some of the existing images of the antique treasures do not meet the quality standards of virtual museums. Hamid, an archaeologist at the National Museum of Iraq, said, “Iraq’s relics, including the ones in the National Museum, do not have high-standard virtual images. What is displayed online lacks in technology of effects and three dimensions and animated imagery. If these could be improved, it could lead to more interactions with the visitor.”

Also, some of the pieces were looted during the American invasion in 2003 and in the region's ensuing wars, and it would be difficult, if not impossible, to produce accurate digital images.

“The destruction of Iraqi heritage in Ninevah was a painful experience, not only for Iraq but for the whole world,” Miyadi said, adding that the antiquities housed there were not well documented and it would take a lot of time and effort to recover such information.

But she also maintained that the Japanese grant by itself will not be enough to document all Iraq's archaeological artifacts. "This requires concerted local and international efforts to support a virtual museum of Iraq’s relics, which will have the same standards as world-famous virtual museums,” she said.

The efforts exerted by the Ministry of Tourism and Antiquities at the international level resulted in the establishment of a fund for donors in Paris on May 17, whose budget amounted to $100 million to support the rehabilitation and preservation of Iraqi heritage.

Ali Sharif, head of the parliamentary Committee on Tourism and Antiquities, told Al-Monitor, “Iraq is in dire need of a virtual museum that includes a comprehensive electronic database of all the antiquities and relics in of Iraq.”

He expressed hope that Iraq, with the help of the Arab League Educational, Cultural and Scientific Organization (ALECSO), would complete this virtual museum by 2018, after the development of the necessary academic and professional skills. “The establishment of a virtual museum will reduce the cost of setting up field exhibitions of Iraq’s antiquities in different countries, which [places a strain on] the Iraqi budget," he said.

Hamadani said that the financial grants and support from UNESCO and ALECSO would help set a finishing date for the completion of the virtual museum, provided that Iraqi staff is trained by specialized foreign experts.

The 2003 US invasion and the overthrow of Saddam Hussein in Iraq delivered a major blow to Iraq’s historical heritage. Many archaeological sites and museums were looted, and historic landmarks were later destroyed at the hands of extremist groups. The virtual museum is a timely development, bringing Iraq's heritage to global audiences at a time when interest is high. The Iraqi pavilion at the Venice Biennale has put many Iraqi antiquities on display outside Iraq for the first time, and it has become one of the most visited parts of the international exhibition.





http://www.al-monitor.com/pulse/originals/2017/07/iraq-accelerates-work-on-virtual-museum.html

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.









-br via tradutor do google

O Iraque acelera o trabalho em seu museu nacional virtual.

BAGDÁ - O Ministério do Turismo e Antiguidades do Iraque acelerou seus esforços para concluir no final de 2018 o Museu Virtual do Iraque, que criará uma base de dados abrangente sobre patrimônio arqueológico iraquiano on-line.

"O projeto, que estabelecerá uma base de dados abrangente dos tesouros culturais e patrimoniais do Iraque, tornará as antiguidades iraquianas acessíveis para pessoas de todo o mundo", disse Abdel Amir al-Hamadani, um arqueólogo iraquiano candidato à administração do Nacional Museu do Iraque.

A aceleração do projeto vem depois de um empréstimo do governo japonês ao Iraque há um ano. O financiamento foi utilizado para comprar equipamentos que permitiriam a categorização on-line das inúmeras relíquias arqueológicas do Iraque, dando vida a um projeto de museu virtual que já estava na mesa desde 2005. A maioria dos especialistas, porém, sustenta que seria necessário um financiamento adicional Para torná-lo um museu virtual verdadeiramente estelar.

Atualmente, o site do Museu Virtual do Iraque é em inglês, árabe e italiano e oferece um vídeo flash que leva os visitantes a oito portas diferentes que correspondem a períodos da história do Iraque: pré-históricos, sumérios, acadianos e neo-sumérios, babilônios, assírios, Achaemenid e Seleucid, Parthian e Sasanian, e islâmico. Se o visitante clicar em qualquer um dos objetos nos salões, ele se aproxima e permite que você observe o objeto mais perto, como se estivesse em um museu real.

Muitas das relíquias do site vêm do Museu Nacional do Iraque, encerrado em 2003, quando as forças dos EUA invadiram o Iraque e depois reabriram oficialmente em 2015. O museu inclui muitas salas de exposições, classificadas por períodos históricos, assim como sua versão online, E exibe muitos monumentos assírios e escritos cuneiformes.

Junaid Amer Hamid, um arqueólogo do Museu Nacional do Iraque, disse ao Al-Monitor que o projeto do museu nacional virtual começou em 2005 através da cooperação com os esforços americanos e italianos, mas também foi "lento no início por causa da falta de financiamento". Como segurança e condições políticas no Iraque ".

Ele previu que os "próximos dois anos testemunharão a conclusão do museu virtual, que incluirá a maioria das relíquias e artefatos do Iraque".

Hamadani, cujo trabalho arqueológico é reconhecido no site, disse que, apesar de todas as dificuldades financeiras e tecnológicas, realizaram-se progressos consideráveis ​​no museu virtual. "O primeiro passo foi traduzir textos em árabe e editar os textos", afirmou. "Eu estava pessoalmente envolvido no processo de tradução e na publicação de informações em árabe, inglês e italiano. De fato, relíquias dos 23 salões do museu iraquiano foram colocadas on-line, divididas de acordo com as idades históricas cronológicas, desde os tempos pré-históricos até o fim da era islâmica ".

Mas as dificuldades financeiras interromperam o trabalho, disse Hamadani. O subsídio japonês foi usado para superar o estrangulamento financeiro.

"O subsídio japonês inclui câmeras, computadores e outros dispositivos que serão usados ​​para documentar e gravar digitalmente antiguidades iraquianas", disse Tanheen Ali Al-Miyadi, um oficial de informações no Museu Nacional do Iraque. "O patrimônio cultural iraquiano será gradualmente transferido para um museu virtual comparável às práticas internacionais".

No entanto, o processo de documentar os itens existentes e rastrear os perdidos continua a ser difícil e demorado. Algumas das imagens existentes dos tesouros antigos não atendem aos padrões de qualidade dos museus virtuais. Hamid, um arqueólogo do Museu Nacional do Iraque, disse: "As relíquias do Iraque, incluindo as do Museu Nacional, não possuem imagens virtuais de alto nível. O que é exibido online não possui tecnologia de efeitos e três dimensões e imagens animadas. Se estes pudessem ser melhorados, isso poderia levar a mais interações com o visitante ".

Além disso, algumas das peças foram saqueadas durante a invasão americana em 2003 e nas guerras subsequentes da região, e seria difícil, se não impossível, produzir imagens digitais precisas.

"A destruição da herança iraquiana em Nineva foi uma experiência dolorosa, não só para o Iraque, mas para o mundo inteiro", disse Miyadi, acrescentando que as antiguidades alojadas lá não estavam bem documentadas e levaria muito tempo e esforço para recuperar isso em formação.

Mas ela também afirmou que a concessão japonesa por si só não será suficiente para documentar todos os artefatos arqueológicos do Iraque. "Isso exige esforços locais e internacionais concertados para apoiar um museu virtual de relíquias do Iraque, que terá os mesmos padrões que os museus virtuais mundialmente famosos", disse ela.

Os esforços exercidos pelo Ministério do Turismo e Antiguidades a nível internacional resultaram no estabelecimento de um fundo para doadores em Paris, no dia 17 de maio, cujo orçamento totalizava US $ 100 milhões para apoiar a reabilitação e a preservação do patrimônio iraquiano.

Ali Sharif, chefe do Comitê Parlamentar de Turismo e Antiguidades, disse ao Al-Monitor: "O Iraque está em extrema necessidade de um museu virtual que inclua uma base de dados eletrônica abrangente de todas as antiguidades e relíquias do Iraque".

Ele expressou a esperança de que o Iraque, com a ajuda da Organização Árabe, Organização Educacional, Cultural e Científica (ALECSO), complete este museu virtual até 2018, após o desenvolvimento das habilidades acadêmicas e profissionais necessárias. "O estabelecimento de um museu virtual reduzirá o custo da criação de exposições de campo das antiguidades do Iraque em diferentes países, o que [impõe] o orçamento iraquiano", afirmou.

Hamadani disse que os subsídios financeiros e o apoio da UNESCO e da ALECSO ajudariam a definir uma data de conclusão para a conclusão do museu virtual, desde que o pessoal iraquiano seja treinado por especialistas estrangeiros especializados.

A invasão dos EUA em 2003 e a derrubada de Saddam Hussein no Iraque provocaram um grande golpe no patrimônio histórico do Iraque. Muitos locais arqueológicos e museus foram saqueados, e os marcos históricos foram mais tarde destruídos nas mãos de grupos extremistas. O museu virtual é um desenvolvimento oportuno, trazendo a herança do Iraque para o público global em um momento em que o interesse é alto. O pavilhão iraquiano da Bienal de Veneza colocou muitas partes da antiguidade iraquiana em exibição fora do Iraque pela primeira vez e tornou-se uma das partes mais visitadas da exposição internacional.












Nenhum comentário:

Postar um comentário