Google+ Followers

quinta-feira, 6 de julho de 2017

The writers: Júlia Lopes de Almeida, Albertina Bertha and Narcisa Amália, Brazilians from the turn of the 19th and 20th centuries are rescued in books. --- As escritoras: Júlia Lopes de Almeida, Albertina Bertha e Narcisa Amália, brasileiras da virada dos séculos XIX e XX são resgatadas em livros.

Júlia Lopes de Almeida published, between 1909 and 1912, the weekly column "Two fingers of prose" in the influential Carioca newspaper "O Paiz". At the time, she had already launched the novels "Memories of Martha", 1888, and her most important work, "The Bankruptcy" in 1901. At the end of the nineteenth century, she was part of the group of intellectuals who founded the Brazilian Academy of Although her name appears on the list published by the future academic Lúcio Mendonça in "The State of S. Paulo", six months before the foundation of the house, she was deprived of being a woman, and her He remained with his husband, the poet Filinto de Almeida. Her name was thus erased from the history of Brazilian literature, along with those of other important writers of the late nineteenth and early twentieth centuries.



Picture 1 - The writer Júlia Lopes de Almeida, who participated in 
the creation of the GLA but can not take a chair f
or being a woman - Reproduction / National Library Foundation

Slowly, women like Julia (1862-1934), Albertina Bertha (1880-1953) and Narcisa Amália (1852-1924) are being rescued from the oblivion to which they were relegated. Júlia will be the theme of the conference of the writer Luiz Ruffato, "All against Júlia!", Next Tuesday at 17:30 in the ABL, at the opening of the cycle "Chair 41", about great authors absent from the House of Machado de Assis below). At the end of this month, the National Library Foundation (FBN) launches "Two fingers of prose: Carioca daily by Júlia Lopes de Almeida", in the series Cadernos da Biblioteca Nacional, a meeting of chronicles published in "O Paiz" organized by Angela di Stasio, Anna Faedrich and Marcus Venicio Ribeiro. Also this month will be released "Nebulosas", by Narcisa Amália, a co-edition of Editiva Gradiva with FBN. The books have been added to the reissue, in 2015, of the novel "Exaltation" (Gradiva / FBN), by Albertina Bertha. The last two are organized by Anna Faedrich.

Ruffato points out that it is not a matter of valuing Julia because she is a woman, but because of her literary quality. The writer tells that he discovered the work of the author in the 1980s, when he studied in Juiz de Fora (MG). Enchanted by the novel "A falência", that deals with the emergence of the Brazilian commercial bourgeoisie in the beginning of the Republic, Ruffato initiated a search for other books of Júlia and, in the decade of 1990, collaborated in reediciones made by Editora Women, that closed after the death Of its founder, Zahidé Muzart.

"Julia is a magnificent author. It is no pleasure to rescue her. She is an absurd case of writer who is not in the literary canon for pure machismo. She is far superior to the great majority of the authors of her time. The only ones that were equal at that moment are Aluísio Azevedo and Lima Barreto - affirms Ruffato.



Picture 2
The author Albertina Bertha, author of the novel 
"Exaltation" and praised by Lima Barreto
 - Reproduction / National Library Foundation

Anna Faedrich was a researcher residing at the National Library, where she coordinated a research on Julia, Albertina and Narcisa. For Anna, when they were excluded from the history of Brazilian literature, these women were forgotten. She recalls that the canon of Brazilian Romanticism has only men, like Gonçalves Dias and José de Alencar, despite the importance of authors such as Narcisa Amália, a poet who dialogued with the three generations of the movement.

"The teachers are unaware of the existence of these writers. Even at university, reproduced the canon of Romanticism, where it is believed that women were not educated, were all illiterate. But it is not the teacher's fault. One great step is to rewrite this history of literature and to insert those authors in dialogue with other writers - explains Anna. "These women wrote, published, lectured, and talked with men, and yet we have no news of them. Every history of literature is written from the previous one, reproducing an excluding discourse.

The idea of ​​joining Julia's chronicles came from Angela di Stasio, a FBN manuscript clerk and one of the organizers of "Two fingers of prose." Angela highlights the writer's insightful look at the city, the way she described a period of great transformation in Rio de Janeiro, such as the inauguration of the Municipal Theater and the National Library itself. She points out the recognition that Julia had at the time in which she lived:

- As I began to read the chronicles of "O Paiz", a newspaper of great circulation in Rio, I was impressed with the chronicles of Julia. They are of incredible timeliness. It deals with police violence, government problems, strikes. The chronicles were usually on the front page. She would not have this space if it were not bright.


The trajectories of Júlia, Albertina and Narcisa are approaching in one point: the three had a very advanced education to the standards of the time and were supported at home. Albertina was born in a family of good economic situation, since it was daughter of Counselor Lafayette, jurist and important politician in the Empire. Besides being a novelist, he was educated and studied philosophy. Anna Faedrich recounts that she participated in conference cycles in the hall of the "Jornal do Commercio", in which she was the only woman and approached the work of the German Friedrich Nietzsche. The author also corresponded with Lima Barreto, who in an article in the "Gazeta de Notícias" defined it as "one of the most disturbing literary temperaments that, from time to time, have appeared among us." The researcher also emphasizes the thematic daring of Albertina in "Exaltation", when dealing with a love triangle with tragic end.


- This novel shows a certain boldness, mainly thematic, because it works with a taboo, that is the feminine adultery. Albertina already shows an awareness of this macho society in which the character is inserted. This woman in the novel is not naive, but very conscious of pressures and oppressions. It goes against a marriage arranged by the family, stands against the maternity. The protagonist does not want to be a mother. In writing, we still observe some romantic traits, but Albertina also works with a stream of consciousness, with a narrative of introspection - explains Anna, who studied the author's work in her master's thesis.


Picture 3
The poet Narcisa Amália, who married and divorced twice; 
His poems were praised by Machado de Assis, 
despite a macho commentary - 
Reproduction / National Library Foundation



PRAYER OF THE ASSOCIATED MACHADO

Narcisa Amália is the oldest of the trio. Born in São João da Barra (RJ), she lived for a long time in Resende and only came to Rio at the end of her life. Her biography reveals a vanguard woman, as she married and divorced twice, worked as a French translator and as a journalist. Anna points out that she also came from a privileged space because her parents were teachers. In commenting on the poems gathered in "Nebulosas", in the magazine "Semana Ilustrada", Machado de Assis demonstrates a certain prejudice: "Not without fear I open a book signed by a lady," Machado begins, and then affirms that " Caused me an excellent impression. "

- Narcisa dialogues with the social poetry of Castro Alves, addresses the torture and suffering of the slave. It also dialogues with nationalism, dealing with historical themes typical of the first generation of romanticism. And yet there are poems of melancholy, very "evil of the century," that death is the only salvation - says Anna.

The hope of the organizers and researchers is that, back on the shelves of the bookstores, Julia, Albertina and Narcisa are more read, studied and replaced in the history of Brazilian literature from which they were excluded.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.










--br 

As escritoras: Júlia Lopes de Almeida, Albertina Bertha e Narcisa Amália,   brasileiras da virada dos séculos XIX e XX  são resgatadas em livros.


Júlia Lopes de Almeida publicou, entre 1909 e 1912, a coluna semanal “Dois dedos de prosa” no influente jornal carioca “O Paiz”. Na época, ela já tinha lançado os romances “Memórias de Martha”, de 1888, e sua obra mais importante, “A falência”, em 1901. No final do século XIX, fez parte do grupo de intelectuais que fundou a Academia Brasileira de Letras (ABL), em julho de 1897. Apesar de seu nome constar na lista publicada pelo futuro acadêmico Lúcio Mendonça em “O Estado de S. Paulo”, seis meses antes da fundação da casa, ela foi preterida por ser mulher, e sua vaga ficou com seu marido, o poeta Filinto de Almeida. Seu nome foi, assim, apagado da história da literatura brasileira, junto aos de outras importantes escritoras do final do século XIX e o início do XX.

imagem 1
A escritora Júlia Lopes de Almeida, que participou da criação da ABL mas não pode assumir uma cadeira por ser mulher - Reprodução/Fundação Biblioteca Nacional

Aos poucos, mulheres como Júlia (1862-1934), Albertina Bertha (1880-1953) e Narcisa Amália (1852-1924) vão sendo resgatadas do esquecimento a que foram relegadas. Júlia será tema da conferência do escritor Luiz Ruffato, “Todos contra Júlia!”, na próxima terça-feira, às 17h30m, na ABL, na abertura do ciclo “Cadeira 41”, sobre grandes autores ausentes da Casa de Machado de Assis (leia abaixo). No fim deste mês, a Fundação Biblioteca Nacional (FBN) lança “Dois dedos de prosa: o cotidiano carioca por Júlia Lopes de Almeida”, na série Cadernos da Biblioteca Nacional, uma reunião de crônicas publicadas em “O Paiz” organizada por Angela di Stasio, Anna Faedrich e Marcus Venicio Ribeiro. Também neste mês será lançado “Nebulosas”, de Narcisa Amália, uma coedição da Editora Gradiva com a FBN. Os livros vêm se somar à reedição, em 2015, do romance “Exaltação” (Gradiva/FBN), de Albertina Bertha. Os dois últimos são organizados por Anna Faedrich.

Ruffato ressalta que não se trata de valorizar Júlia pelo fato de ela ser mulher, mas sim pela sua qualidade literária. O escritor conta que descobriu a obra da autora na década de 1980, quando estudava em Juiz de Fora (MG). Encantado pelo romance “A falência”, que trata do surgimento da burguesia comercial brasileira no início da República, Ruffato iniciou uma busca por outros livros de Júlia e, na década de 1990, colaborou em reedições feitas pela Editora Mulheres, que fechou após a morte de sua fundadora, Zahidé Muzart.

— Júlia é uma autora magnífica. Não é nenhum favor resgatá-la. Ela é um caso absurdo de escritora que não está no cânone literário por puro machismo. Ela é muito superior à grande maioria dos autores de sua época. Os únicos que se equipararam naquele momento são Aluísio Azevedo e Lima Barreto — afirma Ruffato.


imagem 2
A escritora Albertina Bertha, autora do romance "Exaltação" e elogiada por Lima Barreto - Reprodução/Fundação Biblioteca Nacional

Anna Faedrich foi pesquisadora residente na Biblioteca Nacional, onde coordenou uma pesquisa sobre Júlia, Albertina e Narcisa. Para Anna, ao serem excluídas das obras de história da literatura brasileira, essas mulheres foram esquecidas. Ela lembra que o cânone do Romantismo brasileiro só tem homens, como Gonçalves Dias e José de Alencar, apesar da importância de autoras como Narcisa Amália, uma poeta que dialogou com as três gerações do movimento.

— Os professores não sabem da existência dessas escritoras. Mesmo na universidade, reproduz-se o cânone do Romantismo, onde se acredita que as mulheres não eram educadas, eram todas analfabetas. Mas a culpa não é do professor. Um grande passo é reescrever essa história da literatura e inserir essas autoras em diálogo com outros escritores — explica Anna. — Essas mulheres escreviam, publicavam, faziam conferências e dialogavam com os homens, e mesmo assim não temos notícias delas. Toda história da literatura é escrita a partir da anterior, reproduzindo um discurso excludente.

A ideia de reunir as crônicas de Júlia veio de Angela di Stasio, funcionária do setor de manuscritos da FBN e uma das organizadoras de “Dois dedos de prosa”. Angela destaca o olhar perspicaz da escritora para a cidade, a maneira como ela descreveu um período de grandes transformações no Rio de Janeiro, como a inauguração do Teatro Municipal e da própria Biblioteca Nacional. Ela aponta o reconhecimento que Júlia teve na época em que viveu:

— Ao começar a ler as crônicas de “O Paiz”, um jornal de grande circulação no Rio, me impressionei com as crônicas da Júlia. São de uma atualidade incrível. Ela trata da violência policial, dos problemas do governo, das greves. As crônicas estavam, em geral, na primeira página. Ela não teria esse espaço se não fosse brilhante.

As trajetórias de Júlia, Albertina e Narcisa se aproximam num ponto: as três tiveram educação bastante avançada para os padrões da época e foram apoiadas em casa. Albertina nasceu em uma família de boa situação econômica, já que era filha do Conselheiro Lafayette, jurista e político importante no Império. Além de romancista, teve formação erudita e estudou filosofia. Anna Faedrich conta que ela participou de ciclos de conferência no salão do “Jornal do Commercio”, nos quais era a única mulher e abordava a obra do alemão Friedrich Nietzsche. A autora também se correspondeu com Lima Barreto, que em um artigo na “Gazeta de Notícias” a definiu como “um dos mais perturbadores temperamentos literários que, de uns tempos a esta parte, têm aparecido entre nós”. A pesquisadora destaca ainda a ousadia temática de Albertina em “Exaltação”, ao tratar de um triângulo amoroso com final trágico.

— Esse romance mostra certa ousadia, principalmente temática, pois trabalha com um tabu, que é o adultério feminino. Albertina mostra já uma consciência dessa sociedade machista em que a personagem está inserida. Essa mulher do romance não é nada ingênua, mas muito consciente das pressões e opressões. Ela vai contra um casamento arranjado pela família, se posiciona contra a maternidade. A protagonista não quer ser mãe. Na escrita, a gente observa ainda alguns traços românticos, mas Albertina trabalha também com fluxo de consciência, com uma narrativa de introspecção — explica Anna, que estudou a obra da autora na sua dissertação de mestrado.


imagem 3
A poeta Narcisa Amália, que se casou e se divorciou duas vezes; seus poemas foram elogiados por Machado de Assis, apesar de um comentário machista - Reprodução/Fundação Biblioteca Nacional



ELOGIO DE MACHADO DE ASSIS

Já Narcisa Amália é a mais velha do trio. Nascida em São João da Barra (RJ), ela viveu por muito tempo em Resende e só veio para o Rio no fim da vida. Sua biografia revela uma mulher de vanguarda, pois se casou e se divorciou duas vezes, trabalhou como tradutora de francês e como jornalista. Anna aponta que ela também veio de um espaço privilegiado, pois seus pais eram professores. Ao comentar sobre os poemas reunidos em “Nebulosas”, na revista “Semana Ilustrada”, Machado de Assis demonstra certo preconceito: “Não sem receio abro um livro assinado por uma senhora”, começa Machado, para depois afirmar que “a leitura das Nebulosas causou-me excelente impressão”.

— Narcisa dialoga com a poesia social de Castro Alves, aborda a tortura e sofrimento do escravo. Ela também dialoga com o nacionalismo, trata de temas históricos típicos da primeira geração do romantismo. E ainda tem poemas de tom melancólico, bem “mal do século”, de que a morte é a única salvação — afirma Anna.

A esperança dos organizadores e pesquisadores é que, de volta às prateleiras das livrarias, Júlia, Albertina e Narcisa sejam mais lidas, estudadas e recolocadas na história da literatura brasileira da qual foram excluídas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário