Listen to the text.

sábado, 4 de novembro de 2017

At the Musée de la chasse, Sophie Calle's love game. - Au Musée de la chasse, le jeu de piste amoureux de Sophie Calle. - No Musée de la Chasse, o jogo de amor de Sophie Calle.

In this Parisian museum similar to a cabinet of curiosities, artist and sculptor Serena Carone have sown fantastic memories, evoking love stalking and death.


The flamboyant red dress of the artist adorns a stuffed deer. / Béatrice Hatala / Museum of Hunting and Nature / ADAGP

Beautiful doubled, Marquis!
Sophie Calle
Museum of Hunting and Nature

She has sown clues everywhere: here her flamboyant red dress adorns a stuffed deer, there her white bathrobe hangs from an antler, further a shoe clung to the corner of a painting, a blonde wig hangs in a showcase and a wedding dress lie in the trophy room. The artist Sophie Calle has even deposited her bedding, well folded, on an armchair of the Museum of hunting and nature in Paris.

Invited to exhibit this fall among the fabulous collections of the place, the artist has therefore engaged in a stripping, accompanying each of his personal effects of a "true story", narrated in a few sentences in a small kitsch. This unparalleled storyteller mingles with her self-deprecating and shameless memories of childhood, the stories of her love fiascos or artistic experiences as her night of meetings spent in 2012 at the top of the Eiffel Tower.

At her side, she invited the unusual sculptures of her friend Serena Carone: ceramics depicting an octopus, bats or the pelisse of a polar bear, a revolver with a dog's head and a chicken carcass made of metal, human butterflies wax ... The two accomplices have baptized their exhibition "Beautiful doubled, Marquis! A phrase borrowed from an old advertisement for hunting cartridges, which sounds like a nod to Claude d'Anthenaise, the aristocratic director of the museum.

The hunt, Sophie Calle knows well, she who, in 1980, decided to take a man in spinning, followed him to Venice then narrates this adventure in a series of texts and photos under the title Venetian Suite. It is displayed on the top floor, in the company of two unpublished works, including a tasty selection of ads published in LeChasseur French or on the Tinder website, detailing the qualities sought in women by men. A way of reversing the views of the huntress and her prey.

Death at the end of the rifle, like the one that tears you off a loved one, is also a recurring theme throughout the course. After having devoted an exhibition in 2012 to the death of her mother, Sophie Calle dedicates this to her father, Bob Calle, doctor, collector of contemporary art and director of the Carré d'Art of Nîmes, who died in 2015. " It is clear that I am the next one ", confides, with humor, the sexagenarian artist, for whom Serena Carone has carved in ceramic a tomb with her effigy.

Wearing a black veil and a shimmering dress completely covered with flowers and small animals (dragonflies, chameleons ...), Sophie Calle is enthroned, surrounded by her dear missing, each figured by a stuffed animal from his personal collection. The mother has taken the head of a giraffe, the father has turned into a tiger, the writer and photographer Hervé Guibert "a green monkey because of AIDS" ... It's a little crazy and tender like anything produced this lover of rituals, who invites visitors to write to him in turn: "And what do you do with your dead? Who do you trust? "






https://www.la-croix.com/Journal/Au-Musee-chasse-jeu-piste-amoureux-Sophie-Calle-2017-11-03-1100889095

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--fr
Au Musée de la chasse, le jeu de piste amoureux de Sophie Calle.

Dans ce musée parisien semblable à un cabinet de curiosités, l’artiste et la sculptrice Serena Carone ont semé des souvenirs fantastiques, évoquant la traque amoureuse et la mort.

La flamboyante robe rouge de l’artiste pare un cerf empaillé. / Béatrice Hatala/Musée de la chasse et de la nature/ADAGP

Beau doublé, Monsieur le marquis !
Sophie Calle
Musée de la chasse et de la nature

Elle a semé des indices un peu partout  : ici sa flamboyante robe rouge pare un cerf empaillé, là son peignoir blanc pend à un andouiller, plus loin un escarpin s’est accroché à l’angle d’un tableau, une perruque blonde traine dans une vitrine et une robe de mariée gît dans la salle des trophées. L’artiste Sophie Calle a même déposé sa literie, bien pliée, sur un fauteuil du Musée de la chasse et de la nature à Paris.

Invitée à exposer cet automne parmi les fabuleuses collections du lieu, l’artiste s’est donc livrée à un effeuillage, accompagnant chacun de ses effets personnels d’une « histoire vraie », narrée en quelques phrases dans un petit cadre kitch. Cette conteuse hors pair y mêle avec autodérision et impudeur ses souvenirs d’enfance, les récits de ses fiascos amoureux ou de ses expériences artistiques comme sa nuit de rencontres passée en 2012 en haut de la tour ­Eiffel.

À ses côtés, elle a convié les sculptures insolites de son amie Serena Carone : des céramiques figurant une pieuvre, des chauves-souris ou la pelisse d’un ours blanc, un revolver à tête de chien et une carcasse de poulet en métal, des humains papillons en cire… Les deux complices ont baptisé leur exposition « Beau doublé, Monsieur le marquis ! », une phrase empruntée à une vieille publicité pour des cartouches de chasse, qui sonne comme un clin d’œil à Claude d’Anthenaise, le très aristocratique directeur du musée.

La chasse, Sophie Calle connaît bien, elle qui, dès 1980, décida de prendre un homme en filature, le suivit jusqu’à Venise puis narra cette aventure dans une série de textes et de photos sous le titre Suite vénitienne. Celle-ci est exposée au dernier étage, en compagnie de deux œuvres inédites, dont une sélection savoureuse de petites annonces parues dans LeChasseur français ou sur le site Internet Tinder, détaillant les qualités recherchées chez la femme par des hommes. Manière de renverser les points de vue de la chasseresse et de ses proies.

La mort au bout du fusil, comme celle qui vous arrache un être cher, revient aussi en leitmotiv tout au long du parcours. Après avoir consacré en 2012 une exposition à la mort de sa mère, Sophie Calle dédie celle-ci à son père, Bob Calle, médecin, collectionneur d’art contemporain et directeur du Carré d’art de Nîmes, disparu en 2015. « Il est clair que je suis la suivante », confie, avec humour, l’artiste sexagénaire, pour laquelle Serena Carone a sculpté en céramique un tombeau à son effigie.

Portant une voilette noire et une robe chatoyante entièrement couverte de fleurs et de petits animaux (libellules, caméléons…), Sophie Calle y trône, entourée de ses chers disparus, chacun figuré par un animal empaillé provenant de sa collection personnelle. La mère a pris la tête d’une girafe, le père s’est mué en tigre, l’écrivain et photographe Hervé Guibert « en singe vert à cause du sida »… C’est un peu fou et tendre comme tout ce que produit cette amoureuse des rituels, qui invite les visiteurs à lui écrire à leur tour : « Et vous que faites-vous de vos morts ? À qui les confiez-vous ? »






--br via tradutor do google
No Musée de la chasse, o jogo de amor de Sophie Calle.

Neste museu parisiense semelhante a um gabinete de curiosidades, a artista e escultora Serena Carone sembrou memórias fantásticas, evocando o amor e a morte.

O vestido vermelho flamboyante do artista adorna um veado recheado.


Béatrice Hatala
Museu de Caça e Natureza
ADAGP
Bela dobrou, Marquis!
Sophie CalleMuseu da caça e da natureza

Ela semeou pistas em todos os lugares: aqui, seu vestido vermelho extravagante adorna um veado recheado, lá seu roupão branco paira de um pinto, além de um sapato agarrado ao canto de uma pintura, uma peruca loira paira em uma vitrine e um vestido de casamento está no Sala de troféus. 

A artista Sophie Calle até depositou seu fundamento, bem dobrado, em uma poltrona do Museu de caça e natureza em Paris.

Convidado a exibir esta queda entre as fabulosas coleções do lugar, o artista se envolveu em uma remoção, acompanhando cada um de seus efeitos pessoais de uma "história verdadeira", narrada em poucas frases em um pequeno kitsch. 

Este narrador incomparável mistura-se com suas memórias autodespreendentes e desavergonhadas da infância, as histórias de seus fiascos amorosos ou experiências artísticas como a noite de reuniões que passou em 2012 no topo da Torre Eiffel.

Ao seu lado, ela convidou as esculturas incomuns de sua amiga Serena Carone: cerâmica retratando um polvo, morcegos ou a pelisse de um urso polar, um revólver com cabeça de cachorro e uma carcaça de frango feita de metal, cera de borboletas humanas ... A Dois cúmplices batizaram sua exposição "Beautiful doubled, Marquis! Uma frase emprestada de um anúncio antigo para cartuchos de caça, que soa como um aceno para Claude d'Anthenaise, o diretor aristocrático do museu.

A caça, Sophie Calle conhece bem, ela que, em 1980, decidiu levar um homem a girar, seguiu-o até Veneza e depois narra essa aventura em uma série de textos e fotos sob o título Venetian Suite. 

É exibido no último andar, em companhia de duas obras inéditas, incluindo uma seleção saborosa de anúncios publicados no LeChasseur French ou no site da Tinder, detalhando as qualidades procuradas pelas mulheres pelos homens. 

Uma maneira de reverter as opiniões da caçada e suas presas.A morte no final do rifle, como aquela que te tira de um ente querido, também é um tema recorrente ao longo do curso. 

Depois de ter dedicado uma exposição em 2012 à morte de sua mãe, Sophie Calle dedica isso ao pai, Bob Calle, médico, colecionador de arte contemporânea e diretor do Carré d'Art de Nîmes, morto em 2015. 

claro que eu sou o próximo ", confessa, com humor, o artista sexagenário, para quem Serena Carone esculpiu na cerâmica um túmulo com sua efígie.

Vestindo um véu preto e um vestido cintilante completamente coberto de flores e pequenos animais (libélulas, camaleões ...), Sophie Calle é entronizada, cercada por sua querida desaparecida, cada uma encontrada por um bicho de pelúcia de sua coleção pessoal. 

A mãe tomou a cabeça de uma girafa, o pai tornou-se um tigre, o escritor e fotógrafo Hervé Guibert "um macaco verde por causa da AIDS" ... É um pouco louco e macio como qualquer coisa produzida por esse amante dos rituais, quem convida os visitantes a escrever para ele, por sua vez: "E o que você faz com seus mortos? Quem você confia?"

Governo do Brasil, vai mudar gestão de parques e museus federais. Entidades privadas sem fins lucrativos cuidarão da administração.

BRASÍLIA - O governo publicou, nesta sexta-feira, um decreto que pode mudar a forma como museus e parques federais são administrados. A norma regulamenta as Organizações Sociais (OS), em que alguns serviços que estão sob a tutela da União ou de estados podem ser administrados por entidades privadas sem fins lucrativos. Em âmbito federal, o Ministério do Planejamento já tem uma lista de possibilidades que se enquadram na lei, entre elas museus, parques federais, como o da Tijuca e da Chapada dos Veadeiros, e instituições que administram legados, como a Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro.



Casa de Ruy Barbosa vista da Rua São Clemente, em Botafogo. - Marcelo Piu / Agência O Globo



O processo está em fase inicial e deve passar ainda por uma negociação com os órgãos responsáveis por essas atividades. O governo, no entanto, promete uma força-tarefa e quer que os primeiros chamamentos públicos sobre o assunto saiam em 2018.

Pela regra, as entidades sem fins lucrativos cuidam apenas da administração. O quadro passa a ser privado, mas a gestão e atividades como a de fiscalização (no caso dos parques), por exemplo, continuam sob a tutela do Estado. A verba também é responsabilidade da União e definida em contratos que, geralmente, vigoram por cinco anos. As Organizações Sociais (OS), contudo, são autorizadas a captar recursos externos, como em serviços de consultoria, por exemplo.

A regulamentação foi publicada quase duas décadas após a aprovação da lei que permitiu a criação das OS, em 1998. Isso porque uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) questionava no Supremo Tribunal Federal (STF) a permissão para que serviços de Estado fossem transferidos para entidades privadas. A Corte entendeu, em decisão de 2015, que a norma era, sim, constitucional, mas determinou que as escolhas das entidades privadas deveriam ser feitas por chamada pública, que considera a expertise das interessadas para realizar o trabalho proposto.

Sem o detalhamento da lei por quase 20 anos, apenas nove OS foram criadas até hoje, grande parte delas institutos de pesquisa ligados ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Entre elas estão o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

O secretário de Gestão do Ministério do Planejamento, Gleisson Rubin, explicou ao GLOBO que nem toda atividade pode ser administrada por entidades privadas sem fins lucrativos.

- São aquelas atividades que não necessariamente precisam estar dentro do governo, não são típicas de Estado. Nesse caso, elas podem e devem ser transferidas - disse.

Segundo ele, o grande ganho para a União é na gestão. Do ponto de vista de ajuste fiscal, o governo ganha pouco com o aumento da eficiência. Como o quadro de pessoal pode ser privado, a empresa tem o poder de gerenciar o tamanho da equipe e escolher pessoas alinhadas com o trabalho específico. Os servidores atuais seriam aproveitados mas, assim que se aposentassem, retirariam a obrigação do governo de realizar novos concursos.

Rubin ressaltou que, além de melhorias na gestão e na prestação de serviços à sociedade, as organizações sociais ficam livres de uma série de burocracias. No caso dos institutos de pesquisa, por exemplo, o intercâmbio de pesquisadores de outros países ficaria dificultado se tivesse que passar por todas as etapas oficiais até o aval da União. Ele ressaltou que esse modelo de associação público/privada tem sido feita com mais vigor pelos estados e dado certo.

- Não temos dúvida sobre a eficiência disso.

O decreto traz, ainda, uma novidade em relação à lei aprovada. O governo passa a exigir, dos órgãos interessados em qualificar uma OS, que apresentem um estudo de viabilidade. Ele deve conter quais são as vantagens de realizar a associação com uma entidade privada e um mapeamento de possíveis interessados. Isso impediria que o governo tivesse chamadas públicas desertas, sem nenhum interessado.



POR BÁRBARA NASCIMENTO


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



Canova's sculpture reaches $ 4 million at Tefaf in New York. - Escultura de Canova alcança US$ 4 milhões na Tefaf de Nova York. - 卡诺瓦的雕塑在纽约的特法夫(Tefaf)有400万美元。

The second edition of the Tefaf / New York art fair ended on Wednesday, 1st, on historic Park Avenue Armory, after six days of great sales, bringing together 95 of the most important art and antiques dealerships. The Dutch fair, held every March in Maastricht, The Netherlands, and now twice a year in New York, hosted guests such as actress Drew Barrymore and architect Peter Marino, as well as representatives of the Bavarian National Museum (Munich, Germany), the Dallas Museum of Art, the J. Paul Getty Museum (Los Angeles, CA) and the Museum of Fine Arts, Boston, among other institutions.


One of the most important sales made at Tefaf / New York was by Carlo Orsi of Trinity Fine Art (Italy), who sold a plaster copy of the Rezzonico Genio (1793) sculpture by Anthony Canova (1757-1822) that can be the only work of its kind on the market, for an approximate price of $ 4 million.

Other important sales included a bronze Female Head of the American sculptor of Polish origin Elie Nadelman (1882-1946), modeled between 1910 and 1911 and cast before 1915 for a value close to $ 200,000. Charles Ede sold several works for values ​​of more than six figures, including an Egyptian statue of Naophoros of the 18th Dynasty (ca. 1400 BCE), worth about $ 350,000 to a young collector in the early hours of the fair.

Among other ancient works sold at Tefaf were four Greek vessels, purchased by a well-known collector, two of which were intended for a museum; and, also on the first day, a Roman statuette of Mercury, in bronze, almost certainly of Gaul, for US $ 120 thousand. Sales continued over the weekend, including an Egyptian limestone relief for $ 125,000 for a young couple, and an antique Greek bronze for $ 225,000.

Among the ancient masters were sold works by Ghirlandaio (by Haboldt & Co.) and ll Padovanino (1588-1649), who was influenced by Titian and other masters of Mannerism. The sale was made by Robert Simon Fine Art (USA, booth 19). Many gallerists have stated that this was the best edition of Tefaf in New York.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Escultura de Canova alcança US$ 4 milhões na Tefaf de Nova York.

A segunda edição da feira de arte Tefaf/Nova York terminou na quarta-feira, 1º, na histórica Park Avenue Armory, após seis dias de ótimas vendas, reunindo 95 dos mais importantes marchands de arte e antiguidades. A feira holandesa, realizada todo mês de março em Maastricht, Holanda, e agora duas vezes por ano em Nova York, recebeu convidados como a atriz Drew Barrymore e o arquiteto Peter Marino, além de representantes do Bavarian National Museum (Munique, Alemanha), do Dallas Museum of Art, J. Paul Getty Museum (Los Angeles, CA) e do Museum of Fine Arts, Boston, entre outras instituições.

Uma das vendas mais importantes feitas na Tefaf/Nova York foi feita por Carlo Orsi, da Trinity Fine Art (Itália), que vendeu uma cópia em gesso do Rezzonico Genio (1793), escultura de Anthony Canova (1757-1822) que pode ser a única obra do gênero no mercado, por um preço aproximado de US$ 4 milhões.

Outras vendas importantes incluiu uma Cabeça Feminina em bronze do escultor americano de origem polonesa Elie Nadelman (1882-1946), modelada entre 1910 e 1911 e fundida antes de 1915, por um valor próximo dos US$ 200 mil. Charles Ede vendeu diversas obras por valores de mais de seis algarismos, incluindo uma estátua egípcia de Naophoros da 18ª Dinastia (ca. 1400 a.C.), por um valor aproximado de US$ 350 mil a um jovem colecionador, nas primeiras horas da feira.

Entre outras obras antigas vendidas na Tefaf estavam quatro vasos gregos, adquiridos por um colecionador conhecido, dois dos quais destinados a um museu; e, também no primeiro dia, uma estatueta romana de Mercúrio, em bronze, quase seguramente de Gaul, por US$120 mil. As vendas continuaram durante o fim-de-semana, incluindo um relevo egípcio em calcário por US$125 mil a um jovem casal, e um bronze grego antigo por US$225 mil.

Entre os mestres antigos foram vendidas obras de Ghirlandaio (pela Haboldt & Co.) e ll Padovanino (1588-1649), que foi influenciado por Titiano e outros mestres do Maneirismo. A venda foi feita por Robert Simon Fine Art (EUA; stand 19). Muitos galeristas declararam que esta foi a melhor edição da Tefaf em Nova York.





--chines simplificado via tradutor do google
卡诺瓦的雕塑在纽约的特法夫(Tefaf)有400万美元。

周三,1日,结束于历史悠久的公园大道军械库,之后销量极大的六天TEFAF /纽约艺术博览会的第二版,汇集了最重要的艺术和古董经销商的95。荷兰公平,在纽约举办两次每年三月在荷兰马斯特里赫特,现在主持嘉宾,如演员德鲁·巴里莫尔和建筑师彼得·马里诺,以及巴伐利亚国家博物馆的代表(慕尼黑,德国)达拉斯艺术博物馆,保罗·盖蒂博物馆(美国加利福尼亚州洛杉矶)和波士顿美术博物馆等机构。

一个在TEFAF /纽约做出的最重要的销售是由三位一体美术卡洛·奥西(意大利),谁安东尼卡诺瓦(1757年至1822年)出售的雷佐尼科杰尼奥(1793)雕塑的石膏复制阙可以是唯一的同类产品在市场上的价格约为400万美元。

其他重要的销售包括青铜波兰起源埃利·纳迪尔曼的美国雕塑家(1882年至1946年)的女主管,1915年之前,1910年和1911年与模具之间蓝本接近$ 200,000的值。几部作品查尔斯·埃德售出超过六位数,包括第十八王朝的Naophoros(约公元前1400),价值约$ 350,000凌晨公平的年轻收藏家的埃及雕像值。

在特福夫出售的其他古代作品中,有四艘是希腊船只,由一位知名收藏家购买,其中两艘是为博物馆设计的;第一天,也就是12万美元的水星的罗马雕像,几乎可以肯定是高卢的铜像。周末的销售额持续增长,其中一对年轻夫妇获得了125,000美元的埃及石灰石救济金,225,000美元的古董希腊青铜奖。

在古代的大师们通过基尔兰达约(由Haboldt&Co.)和帕多瓦尼诺II(1588年至1649年),谁是蒂安和矫饰等大师的影响销售的作品。 Robert Simon Fine Art(美国,19号展位)拍卖。许多画廊主都表示,这是纽约特福夫最好的版本。