Google+ Followers

terça-feira, 21 de julho de 2015

Clicar aqui para ler artigo série 4/7 - A linguagem cinemática: uma nova linguagem? O conteúdo parte para uma abordagem histórica sobre o uso inicial do videoteipe pelas artes plásticas, sua legitimação por grandes museus e seu posterior desdobramento para outras formas de arte englobadas sob o nome de arte-comunicação.

Comunicação, arte e tecnologia: novas formas de recepção As artes audiovisuais historicamente interagem com a cultura midiática e têm uma função preponderante no domínio da convergência digital. Os diversos meios analógicos e/ou digitais audiovisuais desempenham um papel central na circulação do produto artístico, na sociedade contemporânea. As interações entre arte e tecnologia, nos campos da fotografia, da videoarte, do cinema e da multimídia, propõem novas abordagens criativas entre imagem e som, diferentes formas de narração e, portanto, de construção de significados.



--
Há aqui uma revolução de fato na arte na medida em que a recepção da obra de arte não tem mais nada a ver com aquela que existia antigamente: é a interatividade – fundamental em toda a recepção de uma obra virtual interativa – que transforma a recepção em estatuto do receptor e a obra mesma: por ela a arte muda de estatuto e função – não poderíamos ver uma obra tal como víamos um quadro ou escutávamos uma peça de Bach. Há uma mudança epistemológica: isto não é, a priori, nem melhor, nem pior, é diferente. (SOULAGES, 2011, p. 23).
--

Para Soulages, as artes relacionadas ao computador, ou seja, a imagem 3- D, os dispositivos de imersão, a multimídia, a fotografia digital/virtual, o vídeo digital, a música digital, o emprego do digital por espetáculos, enfim estas “novas práticas da arte” devem ser pensadas teoricamente sob uma nova forma de abordagem estética. E conclui: “É, portanto, urgente, abrir uma reflexão que tenha por objeto a dupla corpo/inconsciente face à arte do computador e à época virtual.” (SOULAGES, 2011, p. 25). 

Denominadas como “artes da comunicação”, as obras interativas caracterizam-se por estarem alocadas em um sistema multimídia, inscritas “no espaço global da informação com todos os suportes confundidos: internet, redes telemáticas etc.” (SOULAGES, 2011, p. 19), e onde o receptor passa por uma situação de experimentação, resgatando e combinando fragmentos da obra, que não pode ser percebida em sua totalidade.

Ao se utilizar dos meios de comunicação presentes no cotidiano do indivíduo, as artes da comunicação pretendem interferir diretamente em uma instância do imaginário acomodado às condições vigentes da modernidade e, assim, despertar novas experiências estéticas. Para que isso se efetue, o artista rompe “com categorias estéticas tradicionais (o belo, a forma, o gênio criador, etc.), cabendo ao artista produzir sentido ao propor e potencializar as estratégias de comunicação, ficando com o receptor o papel de atualizá-las”. (TAVARES, 2003, p. 42).


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
produção bibliográfica de Giselle Gubernikoff

Giselle Gubernikoff
Possui o 1o. Ano de Jornalismo pela Fundação Armando Álvares Penteado (1971), graduação em Artes/Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (1976), mestre em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1985), doutora em Artes/ Cinema pela Universidade de São Paulo (1992), livre-docência em Ciências da Comunicação/ Publicidade pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo(2000). Professora Titular pela ECA USP em Artes Visuais/Multimídia e Intermídia na especialização Fotografia, Cinema e Vídeo (2002). Atualmente é professora titular do Departamento de Artes Visuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Audiovisual/ Cinema, com ênfase em Produção, Roteiro e Direção Cinematográficos, atuando principalmente nos seguintes temas: mídias digitais e novas tecnologias de comunicação, linguagem cinematográfica, produção audiovisual, cinema publicitário, representação feminina, cinema brasileiro, cinema e consciência cultural e museologia e mídias digitais.
(Texto informado pelo autor)


Continuação: dia 21/07/2015 as 12h00min série 5/7 

Nenhum comentário:

Postar um comentário