Google+ Followers

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Museu do Bonsai em Minas Gerais, Brasil, inspira e ajuda a divulgar arte milenar

Bonsaísta percebe interesse crescente pelo cultivo de miniárvores


Apaixonado por bonsais, Francisco Corrêa diz que pode esperar até 25 anos por uma árvore perfeita


NATÁLIA OLIVEIRA

Troncos trabalhados, retorcidos, lapidados, folhas vigorosas e muita beleza. Muito menores do que os exemplares tradicionais, os bonsais – também chamados de “árvores em bandejas” – encantam cada vez mais pessoas. Minas Gerais é protagonista desse deslumbramento, já que o Estado tem o primeiro e único Museu dos Bonsais das Américas. Dentro do clube Thermas, às margens da BR–040, em Esmeraldas, o espaço foi inaugurado em maio do ano passado e já conta com 150 plantas em exposição.

A ideia do museu é do bonsaísta apaixonado Francisco Corrêa, que há mais de 25 anos se dedica ao cuidado dessas plantas. Além de encantar os mineiros, o museu já recebeu bonsaístas de todo o mundo, que foram a congressos realizados no clube. Construído de acordo com os padrões da arquitetura japonesa, o espaço chama a atenção não só pela beleza das árvores expostas, mas também pelo charme arquitetônico.

Além dos bonsais que estão no museu, Corrêa tem ainda outros 2.000 pré-bonsais e bonsais em formação que ficam em uma área reservada do clube. “Essa é uma arte milenar em que é preciso, principalmente, ter muita paciência e respeito com a natureza. Você não pode pensar que vai começar um bonsai neste sábado e terminar neste domingo. Para algumas árvores, estou esperando de 20 a 25 anos para chegar ao que quero”, diz Corrêa. “É preciso ter muita técnica e cuidado também. Se você corta muito a raiz ou poda demais as folhas, acaba matando o bonsai”.

Em Belo Horizonte, o bonsaísta Fernando Magalhães conta que o interesse pelo cultivo das miniárvores cresceu muito nos últimos anos.

“Cada vez mais pessoas me procuram para consultoria ou cursos”, diz ele, responsável pelo espaço Bonsai Morro Velho, na Pampulha. O objetivo é ensinar para as pessoas como cuidar dos bonsais corretamente. “O bonsai é uma técnica de cultivo e uma arte. Não existe segredo nos cuidados, o importante é ter a orientação certa em relação a cada espécie”, destaca.

De várias espécies pode-se fazer um bonsai, mas o ideal é que tenham frutos e flores menores, já que elas se adaptam melhor à ideia de “árvores na bandeja”. Os bonsais podem ser feitos com sementes ou a partir do troncos de árvores e podem ser de vários estilos.

No museu, por exemplo, Corrêa opta por utilizar bastante madeira morta e trabalhar os troncos. “Eu gosto de fazer obra de arte na madeira. É como lapidar um diamante”, conclui.

História e serviço
O bonsai. As primeiras árvores na bandeja foram feitas pelos chineses 200 d.C. Depois, a cultura se espalhou pelo Japão e chegou ao Ocidente há 200 anos.

Museu do Bonsai.
Localiza-se na entrada do Thermas Internacional de Minas Gerais, em Esmeraldas e a entrada é gratuita. Funciona de terça a domingo, das 8h às 17h30

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://www.otempo.com.br/interessa/museu-do-bonsai-em-mg-inspira-e-ajuda-a-divulgar-arte-milenar-1.1081874

Nenhum comentário:

Postar um comentário