Google+ Followers

sábado, 10 de outubro de 2015

The cultural sector has faced more ‘threats’ since: in the 50s

Digitally, more accessible and humane

Those of you who read the summary of this presentation will know why I am using the image of a radio on the cover slide. A few years ago, the Kennedy Center in Washington DC was informed by a lawyer that one of his clients had left them $5,000 in his will. They did not know the person. They found out that he was a man who suffered from obesity and, due to his condition, could not get out of home. One of his greatest pleasures in life was listening on the radio to the concerts of the National Symphony Orchestra (the resident orchestra at the Kennedy Center)…




There was a time when radio was the ‘new technology’ and thus a ‘threat’ to the traditional way of attending a performance. Orchestra conductor Thomas Beecham believed that the radio would keep people away from concert halls and scolded the ‘wireless authorities’ for doing ‘devilish work’.

The cultural sector has faced more ‘threats’ since: in the 50s the ‘devil’ was probably the television; in the 90s the websites; in the 2000s the You Tube, the apps, the livestreaming of performances. There was a time when the idea of ​​putting online museum collections made museum professionals tremble, as they imagined empty rooms and people glued on their computer screens, delighted with photos of objects.

I believe that none of these or other threats were confirmed. From radio to television, from CDs to videos, from PDAs to apps that one can download on his phone, from audio guides to robots and 3D printing, new technologies have always provided opportunities for cultural institutions to overcome barriers and involve people differently - creatively and imaginatively.

There are a number of reasons why people might stay away from what cultural organizations have to offer. In this presentation we shall concentrate on access – on physical, social and intellectual barriers that digital technology can help overcome.

People may not have access to specific cultural content because of distance or because of their age, an illness or a disability that keeps them at home or confined to bed. Technology has allowed museums and other cultural institutions to make their offer accessible to those people - their followers online and offsite.

Of course, for those working with museums, the first thing that comes to mind is the Google Art Project. The opportunity to visit from one’s own home a number of museums around the world and to have a close look at their collections. Closer than we might actually have if we were physically there. I cannot forget an article I read in the Guardian when the project was launched, where Nicholas Serota, director of the Tate, confessed that it was the first time he had actually realised that in Pieter Bruegel’s “The Harvesters” there is a tiny scene in the background where a family is enjoying a rather cruel game of throwing sticks at a tied-up goose. “Next time I'm in New York I shall take a closer look", he had said at the time.

In August 2014, there was heavy traffic in Tate Britain galleries after hours. Four robots, equipped with cameras, took people from all over the world, via the internet, through the museum rooms. Live commentary on 500 years of British art was provided by Tate’s art experts. A few lucky people, chosen at random, were given the opportunity to actually control a robot themselves, navigating their own journey around the museum.

It is also thanks to robots that Henry Evans, who is quadriplegic and mute, may visit a number of museums around the world and have one-to-one tours. He can only move his head, but this allows him to access the Internet, use a voice synthesizer and also to pilot telepresence computers.

The Metropolitan Opera is celebrating this year 10 years of live high definition transmissions, which brought its performances to thousands more people in cinema rooms all over the world, beating the distance, but also at a more affordable price. The National Theatre in London and other cultural organisations followed suit. People inquired after these transmissions said that they opted for the cinema either because the performance was sold out or because they lived far from London or because they wanted to convince a friend who doesn’t normally go to the theatre (cinema tickets are cheaper). The majority of the people inquired, 75%, stated that they wouldn’t mind paying more the next time to watch the performance live at the National Theatre. The National Theatre also offers a special service for schools: through “National Theatre. On demand. In schools” teachers can stream its productions direct to their classrooms for free (read NESTA's Beyond Live report)

In addition, technology has helped cultural institutions to deal with barriers in their own space and make their offer more accessible to visitors with disabilities.

A traditional visit to a museum is not very interesting for a blind person, when objects are usually behind glass or cannot be touched, when descriptions are only written (but not in braille) or when audioguides do not include audiodescription. A number of museums, like the Metropolitan Museum of Art, have digitalized their audiodescribed tours, so blind visitors can actually upload the app on their own cell phone for free or use one of the devices available at the museum, and listen to comprehensive descriptions of the objects exhibited in whichever order they wish. And not just that. Thanks to a network of wireless audio beacons at key destinations in the museum, blind and visually impaired people may navigate in the space independently. Furthemore, 3D printing allows museums to make affordable copies of exhibits that may be touched by blind people, thus going beyond the description and completing the experience.

Another important development is the use of digital technology for the production of enhanced content, richer and more detailed, which allows people to personalize their visit and have access to information and knowledge according to their interests and needs, both onsite and offsite.

One of the projects we can learn a lot from, is Brooklyn Museum’s Ask app. An app that allows visitors to ask museum staff any question regarding the objects exhibited and get answers in real-time using their own cell phones. The museum can answer the question and also make some suggestions – since a network of beacons allows it to identify the visitors’ location; at the same time, it can evaluate the efficiency of its written communication (panel and label texts), as repeated questions by visitors point to failures, omissions and possible improvements. We can learn a lot about this project, because the Brooklyn Museum has shared on their blog all phases of developing, testing and launching the app.

But, of course, this is a rather sophisticated and expensive project. The Brooklyn Museum has got generous financial support to develop it. A less sophisticated project, which had the same objective (answering people’s questions), was “125 questions for the Van Gogh Museum”. In order to celebrate the 125th anniversary of the painter’s death, the Museum invited people to submit their questions online and selected 125 of them. Apart from the buzz the initiative created, widely shared and commented on different social media, I believe that the museum managed to get – in a less sophisticated and expensive way – valuable feedback on people’s questions, doubts and interests regarding Van Gogh.

Moving beyond questions and answers, a basic but truly necessary interaction, museums have been also investing on:

augmented reality apps

online games and contests – have a look at “An #etsie from your selfie” (Rijksmuseum) or the photo contest “A girl with a pearl earring in a reproduction of your home” (Mauritshuis)

videos with high quality images that allow to explore the collections in different ways – have a look at the Metropolitan Museum’s “82nd and 5th” project

digitalization of museum libraries and publications

downloadable audio and visual guides

and, of course, there’s Google Glass too…


And for those who tend to think that digital technology and apps in particular are nothing but a quick and superficial encounter, something that doesn’t really allow people to engage intellectually, how about the Wellcome Collection’s Mindcraft, an immersive and interactive tool that describes the history of hypnotism over the course of a six-chapter digital story? As Danny Birchall, Digital Manager at London’s Wellcome Collection, puts it, “[…] if museums can deliver snacks, why not three-course meals?

The possibilities are infinite. And one we should also touch upon is that of involving people creatively with museum collections. While some museums feel terrified with open access rules, others find enormous benefits in encouraging people to use and re-use creatively the content available, from the production of educational materials to merchandising – like toilet paper. In my opinion, the Rijksmuseum and its Rijksstudio are definitely blazing a trail.


The last point I would like to make relates to humanizing cultural organizations. And I don’t mean in some “pervert” way of technology and machines substituting human relationships and encounters. What I mean is turning them into something more than scary buildings reserved for the “initiated”. 

Showing that there are people working behind the walls, people who are interested in connecting with other people and share their passion, experience, knowledge, values, ideas, but also their daily work behind-the-scenes, which is what attracts, I believe, a wider and curious audience. 

Digital technology has allowed cultural institutions to do this in a less institutionalized manner, with a sense of humour and with the aim of creating connections, being more open and becoming more relevant.

A couple of years ago, the Royal Opera House invited people to join them for a day behind the scenes through YouTube. The New York City Ballet did a series of videos with Sarah Jessica Parker and talked about everything: dancers, choreographers, shoes, make-up, injuries, all aspects of being a part of a major dance company. The Whitney Museum has a series of videos online, called Whitney Stories, where members of staff talk about their work (my favourite is that of Vincent Punch, a museum guard who takes photos of visitors). Finally, the Metropolitan Museum Director, Thomas Campbell, shares his love and very special view of the Met with approximately 16.000 people on Instagram, while other museum directors are very active on Twitter or Facebook.

Technology is a means, it is not in itself a threat or an opportunity. There are two things that I believe are crucial for museums, and cultural organizations in general, when building their strategies:

They shouldn’t be doing it because everybody else does it. It is necessary to consider the institution’s resources – human, financial, technical – in order to build a realistic plan that will help reach the objectives efficiently.

They should consider the specificities of every medium and choose the platform, language and tone that better suits the institution’s brand, its identity. Not every medium suits every institution and it’s not all about sharing our calendar of events - it can and should be more exciting than that for everyone!

Having said that, there is no doubt in my mind that digital technology – used with appropriate technical knowledge and a sensitivity for the specificities of the cultural sector – offers considerable advantages for overcoming physical, social and intellectual barriers. We shouldn’t be afraid of it: it doesn’t have a life of its own and it isn’t trying to take our friends away from us. It actually makes them wish they were closer when they are not. And it can answer their specific needs when they are here. Technology can – and does - help us become more accessible and build a more humane and sustainable relationship with people.

Presentation at the Congress of Digital Humanities
 in Portugal, Universidade Nova de Lisboa, 8. 10. 2015


Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 

http://musingonculturextra.blogspot.pt/2015/10/digitally-more-accessible-and-humane_8.html

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.



--br
O sector cultural tem enfrentado mais "ameaças" desde: na década de 50

Digitalmente, mais acessível e humana

Aqueles de vocês que ler o resumo desta apresentação vai saber por que eu estou usando a imagem de um rádio na cobertura deslizante. Há alguns anos, no Kennedy Center em Washington DC foi informado por um advogado que um de seus clientes lhes deixara US $ 5.000 em sua vontade. Eles não sabiam a pessoa. Eles descobriram que ele era um homem que sofria de obesidade e, devido ao seu estado, não podia sair de casa. Um de seus maiores prazeres da vida estava ouvindo no rádio para os concertos da Orquestra Sinfônica Nacional (a orquestra residente no Kennedy Center) ...

Houve um tempo em que o rádio era a "nova tecnologia" e, portanto, uma "ameaça" para a forma tradicional de assistir a uma performance. Maestro de orquestra Thomas Beecham acreditava que o rádio iria manter as pessoas longe de salas de concerto e repreendeu as autoridades wireless 'para fazer' trabalho diabólico ".

O sector cultural tem enfrentado mais "ameaças" desde: na década de 50

o "diabo" foi provavelmente a televisão; na década de 90 os sites; na década de 2000 o You Tube, os aplicativos, a Transmissão de performances. Houve um tempo em que a idéia de colocar coleções de museus on-line efectuadas profissionais de museus tremer, como eles imaginavam salas vazias e as pessoas coladas em suas telas de computador, encantado com fotos de objetos.

Eu acredito que foram confirmados nenhuma destas ou outras ameaças. Do rádio para a televisão, a partir de CDs de vídeos, a partir de PDAs para aplicativos que um pode fazer o download em seu telefone, a partir de guias de áudio para robôs e impressão em 3D, as novas tecnologias têm sempre proporcionou oportunidades para as instituições culturais para superar as barreiras e envolver as pessoas de forma diferente - de forma criativa e imaginativamente.

Há uma série de razões pelas quais as pessoas podem ficar longe do que as organizações culturais têm para oferecer. Nesta apresentação vamos concentrar-se no acesso - sobre barreiras físicas, sociais e intelectuais que a tecnologia digital pode ajudar a superar.

As pessoas podem não ter acesso ao conteúdo cultural específico por causa da distância ou por causa de sua idade, uma doença ou uma deficiência que os mantém em casa ou confinado à cama. A tecnologia tem permitido museus e outras instituições culturais para tornar a sua oferta acessível para as pessoas - seus seguidores on-line e off-site.

Claro que, para aqueles que trabalham com museus, a primeira coisa que vem à mente é o Google Art Project. A oportunidade de visitar a partir de sua própria casa uma série de museus ao redor do mundo e ter um olhar mais atento sobre as suas colecções. Mais perto do que poderia realmente ter se estávamos fisicamente lá. Eu não posso esquecer um artigo que li no The Guardian, quando o projeto foi lançado, onde Nicholas Serota, diretor da Tate, confessou que era a primeira vez que ele tinha realmente percebi que em Pieter Bruegel "As ceifeira" há uma pequena cena em o fundo onde a família está desfrutando de um jogo bastante cruel de atirar paus em um ganso amarrado. "Da próxima vez que estou em New York Vou dar uma olhada", ele disse na época.

Em agosto de 2014, houve trânsito intenso nas galerias Tate Britain após horas. Quatro robôs, equipados com câmeras, levou pessoas de todo o mundo, através da Internet, através das salas do museu. Comentário ao vivo em 500 anos de arte britânica foi fornecido por especialistas em arte Tate. Algumas pessoas de sorte, escolhidos ao acaso, foi dada a oportunidade de realmente controlar um robô-se, navegar sua própria viagem ao redor do museu.

É também graças a robôs que Henry Evans, que é tetraplégico e mudo, pode visitar uma série de museus ao redor do mundo e têm um-para-um passeios. Ele só pode mover a cabeça, mas o que lhe permite aceder à Internet, use um sintetizador de voz e também a pilotar computadores de telepresença.

O Metropolitan Opera está comemorando este ano 10 anos de emissões em alta definição ao vivo, que trouxeram suas performances para milhares de pessoas em salas de cinema de todo o mundo, superando a distância, mas também a um preço mais acessível. O Teatro Nacional de Londres e outras organizações culturais seguiram o exemplo. As pessoas perguntam por estas transmissões disse que optou pelo cinema ou porque o desempenho foi vendido para fora ou porque viviam longe de Londres ou porque queriam convencer um amigo que normalmente não ir ao teatro (bilhetes de cinema são mais baratos). A maioria dos inquiridos, 75%, afirmaram que não se importam em pagar mais da próxima vez para assistir ao vivo desempenho no Teatro Nacional. O Teatro Nacional também oferece um serviço especial para as escolas: através de "Teatro Nacional. Sob demanda. Nas escolas "os professores podem transmitir suas produções diretamente para suas salas de aula para livre (leia relatório Beyond Live NESTA)

Além disso, a tecnologia tem ajudado as instituições culturais para lidar com os obstáculos em seu próprio espaço e tornar a sua oferta mais acessível aos visitantes com deficiência.

A tradicional visita a um museu não é muito interessante para uma pessoa cega, quando os objetos são geralmente atrás de um vidro ou não pode ser tocado, quando as descrições são apenas escrito (mas não em braille) ou quando audioguides não incluem audiodescrição. Um número de museus, como o Metropolitan Museum of Art, já digitalizou seus passeios audiodescribed, para que os visitantes cegos pode realmente fazer o upload do aplicativo em seu próprio telefone celular de graça ou usar um dos dispositivos disponíveis no museu, e ouvir as descrições abrangentes de os objetos expostos em qualquer ordem que desejar. E não apenas isso. Graças a uma rede de faróis de áudio sem fio em destinos chave no museu, as pessoas cegas e deficientes visuais podem navegar no espaço de forma independente. Furthemore, impressão 3D permite museus para fazer cópias acessíveis de exposições que podem ser tocadas por pessoas cegas, indo assim além da descrição e completar a experiência.

Outra evolução importante é o uso da tecnologia digital para a produção de conteúdo avançado, mais rica e detalhada, que permite às pessoas para personalizar sua visita e ter acesso a informações e conhecimentos de acordo com seus interesses e necessidades, tanto no local e externo.

Um dos projetos que podemos aprender muito com, é Pergunte app do Brooklyn Museum. Um aplicativo que permite que os visitantes para pedir o pessoal do museu qualquer pergunta sobre os objetos expostos e obter respostas em tempo real utilizando seus próprios telefones celulares. O museu pode responder à pergunta e também fazer algumas sugestões - desde uma rede de beacons permite identificar a localização dos visitantes; ao mesmo tempo, ele pode avaliar a eficiência de seus (textos do painel e do rótulo) de comunicação escrita, como repetidas perguntas por visitantes apontar para falhas, omissões e possíveis melhorias. Podemos aprender muito sobre este projeto, porque o Brooklyn Museum compartilhou em seu blog todas as fases de desenvolvimento, testando e lançando o aplicativo.

Mas, evidentemente, esta é um projecto bastante sofisticado e caro. O Museu do Brooklyn tem generoso apoio financeiro para desenvolvê-lo. Um projeto menos sofisticada, que tinha o mesmo objetivo (respondendo às perguntas das pessoas), foi "125 perguntas para o Museu Van Gogh". Para celebrar o 125º aniversário da morte do pintor, o Museu convidou as pessoas a apresentarem as suas perguntas on-line e selecionados 125 deles. Além do zumbido a iniciativa criado, amplamente partilhada e comentada em diferentes meios sociais, eu acredito que o museu conseguiu - de uma forma menos sofisticado e caro - um valioso feedback das pessoas sobre questões, dúvidas e interesses sobre Van Gogh.

Indo além perguntas e respostas, uma interação básico, mas realmente necessário, os museus têm também vindo a investir em:

aplicativos de realidade aumentada
jogos e concursos online - dê uma olhada no "An #etsie do seu selfie" (Rijksmuseum) ou o concurso de fotografia "Uma menina com um brinco da pérola em uma reprodução de sua casa" (Mauritshuis)
vídeos com imagens de alta qualidade que permitem explorar as coleções de diferentes maneiras - dê uma olhada no projeto do Museu Metropolitan "82 e 5"
digitalização de bibliotecas museus e publicações
download de áudio e guias visuais
e, claro, há o Google de vidro também ...

E para aqueles que tendem a pensar que a tecnologia digital e aplicativos em particular, são nada mais que um encontro rápido e superficial, algo que realmente não permitir que as pessoas se envolvam intelectualmente, como sobre a da Coleção Wellcome Mindcraft, uma ferramenta imersiva e interativa, que descreve o história do hipnotismo ao longo de uma história digital de seis capítulo? Como Danny Birchall, Gerente Digital na Wellcome Collection, em Londres, diz, "[...] se os museus podem entregar lanches, por que não refeições de três pratos?

As possibilidades são infinitas. E uma também devemos abordar é a de envolver as pessoas de forma criativa com coleções de museus. Enquanto alguns museus sentir aterrorizado com as regras de acesso aberto, outros acham enormes benefícios em incentivar as pessoas a usar e re-uso criativamente o conteúdo disponível, a partir da produção de materiais educativos ao merchandising - como papel higiênico. Na minha opinião, o Rijksmuseum e sua Rijksstudio são, definitivamente, abrindo caminho.



O último ponto que gostaria de fazer refere-se a humanizar as organizações culturais. E eu não quero dizer de alguma forma "pervertido" de tecnologia e máquinas que substituem as relações humanas e encontros. O que quero dizer é transformá-los em algo mais do que edifícios assustadores reservados para o "início".

Mostrando que há



pessoas que trabalham por trás das paredes, as pessoas que estão interessadas em se conectar com outras pessoas e compartilhar sua paixão, experiência, conhecimento, valores, ideias, mas também seu trabalho diário por trás das cenas, o que é o que atrai, creio eu, um mais amplo e público curioso.


A tecnologia digital permitiu que as instituições culturais para fazer isso de uma forma menos institucionalizado, com um senso de humor e com o objectivo de criação de conexões, sendo mais abertos e cada vez mais relevante.



Um par de anos atrás, a Royal Opera House convidou as pessoas a se juntar a eles para um dia nos bastidores através do YouTube. O New York City Ballet fez uma série de vídeos com Sarah Jessica Parker e falou sobre tudo: dançarinos, coreógrafos, sapatos, maquiagem, lesões, todos os aspectos de ser uma parte de uma grande companhia de dança. O Museu Whitney tem uma série de vídeos on-line, chamado Histórias Whitney, onde os membros da equipe falar sobre seu trabalho (o meu favorito é o de Vincent Punch, um guarda do museu que leva fotos de visitantes). Finalmente, o Metropolitan Museum Director, Thomas Campbell, compartilha seu amor e vista muito especial do Met, com cerca de 16.000 pessoas no Instagram, enquanto outros diretores de museus são muito ativos no Twitter ou Facebook.

A tecnologia é um meio, não é em si uma ameaça ou uma oportunidade. Há duas coisas que eu acredito que são cruciais para museus e organizações culturais em geral, quando a construção de suas estratégias:

Eles não deveriam estar fazendo isso porque todo mundo faz isso. É necessário considerar os recursos da instituição - humanos, financeiros, técnicos -, a fim de construir um plano realista que irá ajudar a alcançar os objetivos de forma eficiente.

Eles devem considerar as especificidades de cada meio e escolher a plataforma, linguagem e tom que melhor se adequa a marca da instituição, a sua identidade. Nem todos os ternos de médio a cada instituição e não é tudo sobre o compartilhamento de nosso calendário de eventos - que pode e deve ser mais emocionante do que para todos!
Dito isto, não há nenhuma dúvida em minha mente que a tecnologia digital - usado com conhecimentos técnicos adequados e uma sensibilidade para as especificidades do sector cultural - oferece vantagens consideráveis ​​para ultrapassar as barreiras físicas, sociais e intelectuais. Não devemos ter medo dele: ele não tem uma vida própria e não está tentando tirar nossos amigos longe de nós. Ele realmente faz-los gostaria que eles estivessem mais perto quando eles não são. E ele pode responder às suas necessidades específicas, quando eles estão aqui. A tecnologia pode - e faz - nos ajudar a tornar-se mais acessível e construir um relacionamento mais humano e sustentável com as pessoas.



Apresentação no Congresso de Humanidades Digital em Portugal, Universidade Nova de Lisboa, 8. 10. 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário