Google+ Followers

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Cultura brasileira: Povo Indígena Cassupá - Rondônia, Brasil. -- Brazilian Culture: Indigenous People Cassupá - Rondônia, Brazil.

Cultura brasileira: Povo Indígena Cassupá - Rondônia, Brasil.
Perfil de Márcia Mura

Leitora de Jean-Paul Sartre - seguidora da filosofia existencialista. 
Acreditei que somos projetos de ser e que temos várias possibilidades de ser, mas quando tomei consciência da politica de apagamento de identidade Indígena do ESTADO que impedia a possibilidade de eu ser indígena porque foi tirado de mim a minha língua materna e a memória indígena da minha família, impulsionei-me no projeto de ser Mura por ser do Rio Madeira território tradicional de ocupação Mura. 

A partir daí minha luta e meus sonhos se voltaram para a reconstrução da minha história indígena. Essa busca é respaldada em coletividade! É isso que me fortalece!!! Que me alimenta! Ser Mura e fazer parte das lutas e sonhos dos povos indígenas e demais comunidades tradicionais!!!!



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://lutasesonhos.blogspot.com.br/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Décadas de luta do Povo Indígena Cassupá e Salamãe 
para não serem assimilados pela sociedade nacional


O Povo Indígena Cassupá foi deslocado de seu território tradicional na década de 40 do século passado pelo SPI - Serviço de Proteção ao Índio. Foram utilizados na frente de atrações de outros povos indígenas não contactados. Em sua trajetória de histórias compartilhadas com os Salamãe com quem estabeleceram relação de inter-casamentos reafirmaram seus sentimentos de identidade étnica em comum. (fotos: Assembléia do Povo Indígena Cassupá e Salamãe em 2011 com atividade de fortalecimento Cultural por meio do intercambio com os Aikanã parentes dos Cassupá - Arquivo CIMI - Conselho Indígenista Missionário).




Depois de uma longa trajetória passando por Mutum Paraná, Guajará Mirim, Ribeirão, entre outros lugares foram deixados no Km 5,5 da BR 364 área do antigo Ministério da Agricultura. Os mais velhos ficaram morando em casas que eram para os trabalhadores do Ministério de lá até recentemente ficaram a merce de serem expulsos a qualquer momento de suas casas.

Na década de 90 se organizam politicamente por meio da 0PIC'S Organização dos povos indígenas e Salamãe e desde então passaram a reivindicar da FUNAI seu reconhecimento étnico e das outras instituições governamentais seus direitos, como educação e saúde. Estou retomando essa história para contextualizar a notícia que recebi de seus Clóvis Cassupá esses dias. Ele me ligou todo feliz para dizer que por meio da documentação enviada ao Ministério Público conseguiram 5.5 cedida pela União da área onde vivem desde o final da década de 60. Depois eu liguei pra ele e perguntei direitinho por que só 5.5 hectares ai ele me explicou que para eles conseguirem os 40 hectares a FUNAI tem que fazer um grupo de Trabalho - GT para fazer um estudo e laudo de reconhecimento da área como terra indígena. Segundo ele, a FUNAI disse que não tem recursos para pagar esse GT. Enfim, os Cassupá e Salamãi ainda tem muita luta pela frente. A conquista desse 5.5 hectares já deixa o núcleo familiar que vive nessa área mais tranquilo e permite dar continuidade no projeto de reafirmação étnica e cultural dos Povos Indígenas Cassupá e Salamãe.



O Estado os retirou de seu espaço. Atualmente o lugar sagrado deles que é referência de sua origem mítica, o lugar Cascata, tem uma pequena hidrelétrica (PCH) e o restante da área que era seu território é ocupado por fazendeiros. O ESTADO tem uma dívida com os Cassupá e Samãi e tem que garantir o seu direito de ter um espaço vital para a restituição de sua vida cultural e étnica.


Ver mais sobre os Cassupá na minha monografia de bacharelado de história feita por meio da história oral em colaboração com os Cassupá: A Resconstrução de Uma Identidade. Ela não está online, mas quem tiver interesse é só me solicitar.


fonte: http://lutasesonhos.blogspot.com.br/search?updated-min=2012-01-01T00:00:00-08:00&updated-max=2013-01-01T00:00:00-08:00&max-results=50



--in via translate.google.com

Brazilian Culture: Indigenous People Cassupá - Rondônia, Brazil.

Marcia Mura profile

Reader Jean-Paul Sartre - follower of existentialist philosophy.
I thought we project to be and we have several possibilities to be, but when I became aware of the Indigenous STATE Identity deletion policy that prevented the possibility of my being Indian because it was taken from me my mother tongue and the indigenous memory of my family, boosted me in the project to be Mura for being the Madeira River traditional territory of Mura occupation.

From there my fight and my dreams have turned to the reconstruction of my indigenous history. This quest is backed by community! That's what gives me strength !!! They give me food! Mura and be part of the struggles and dreams of indigenous peoples and other traditional communities !!!!


source:edisonmariotti #edisonmariotti

http://lutasesonhos.blogspot.com.br/

Wednesday, December 12, 2012

Decades of struggle of the Indigenous People Cassupá and Salamãe
not to be assimilated into the national society

The Indigenous People Cassupá been displaced from their traditional lands in the 40s of the last century by the SPI - Indian Protection Service. They were used in front of attractions other indigenous people not contacted. Along the way stories shared with Salamãe who have established inter-marriage relationship they reaffirmed their feelings of ethnic identity in common. (Photo: Indigenous People's Assembly Cassupá and Salamãe in 2011 with Cultural building activity through the exchange with the Aikanã relatives of Cassupá - CIMI Archive - Indigenous Missionary Council).

After a long journey through Mutum Paraná, Guajará Mirim, Stream, among other places were left at Km 5.5 of the BR 364 area of ​​the former Ministry of Agriculture. Older were living in houses that were for the Ministry of workers there until recently were at the mercy of being evicted at any time from their homes.

In the 90s they organize themselves politically through 0PIC'S Organization of indigenous peoples and Salamãe and since then began to claim the FUNAI their ethnic recognition and other government institutions their rights, such as education and health. I am returning this story to contextualize the news I received from your Clovis Cassupá these days. He called me all happy to say that through the documentation sent to the prosecutor managed 5.5 courtesy of Union area where they live since the late 60's after I called him and asked straight by only 5.5 hectares then he explained to me that they get to 40 hectares FUNAI have to do a bunch of work - GT to make a study and report recognition of the area as indigenous land. He said the FUNAI said he did not have the resources to pay that GT. Finally, the Cassupá and Salamãi still has plenty of fight ahead. Winning this 5.5 hectares already leaving the nuclear family that lives in this most peaceful area and allows to continue in ethnic and cultural reaffirmation project of Indigenous Peoples Cassupá and Salamãe.

The state removed them from their space. Currently the sacred place of them is a reference to its mythical origin, the place Cascade has a small hydropower (SHP) and the rest of the area that was its territory is occupied by farmers. STATE owes a debt to the Cassupá and Shammai, and have to guarantee their right to have a living space for the return of their cultural and ethnic life.

See more about Cassupá in my monograph Bachelor's history made through oral history in collaboration with Cassupá: The Resconstrução of One Identity. It is not online, but those interested just ask me.


source: http://lutasesonhos.blogspot.com.br/search?updated-min=2012-01-01T00:00:00-08:00&updated-max=2013-01-01T00:00:00-08:00&max-results=50



Nenhum comentário:

Postar um comentário