Google+ Followers

domingo, 3 de janeiro de 2016

A Lost European Culture, Pulled From Obscurity --- Uma cultura perdida da Europa, retirada da obscuridade. (artigo de 2009)

A Lost European Culture, Pulled From Obscurity 

Before the glory that was Greece and Rome, even before the first cities of Mesopotamia or temples along the Nile, there lived in the Lower Danube Valley and the Balkan foothills people who were ahead of their time in art, technology and long-distance trade.


For 1,500 years, starting earlier than 5000 B.C., they farmed and built sizable towns, a few with as many as 2,000 dwellings. They mastered large-scale copper smelting, the new technology of the age. Their graves held an impressive array of exquisite headdresses and necklaces and, in one cemetery, the earliest major assemblage of gold artifacts to be found anywhere in the world.


The striking designs of their pottery speak of the refinement of the culture’s visual language. Until recent discoveries, the most intriguing artifacts were the ubiquitous terracotta “goddess” figurines, originally interpreted as evidence of the spiritual and political power of women in society.


New research, archaeologists and historians say, has broadened understanding of this long overlooked culture, which seemed to have approached the threshold of “civilization” status. Writing had yet to be invented, and so no one knows what the people called themselves. To some scholars, the people and the region are simply Old Europe.



LIVING SPACE Artifacts from the Lower Danube Valley and the Balkan foothills are presented in an exhibition, “The Lost World of Old Europe,” at New York University’s Institute for the Study of the Ancient World. CreditRumyana Kostadinova Ivanova and Marius Amarie
http://www.nytimes.com/2009/12/01/science/01arch.html?_r=0



The little-known culture is being rescued from obscurity in an exhibition, “The Lost World of Old Europe: the Danube Valley, 5000-3500 B.C.,” which opened last month at the Institute for the Study of the Ancient World at New York University. More than 250 artifacts from museums in Bulgaria, Moldova and Romania are on display for the first time in the United States. The show will run through April 25, 2009.


At its peak, around 4500 B.C., said David W. Anthony, the exhibition’s guest curator, “Old Europe was among the most sophisticated and technologically advanced places in the world” and was developing “many of the political, technological and ideological signs of civilization.”


Dr. Anthony is a professor of anthropology at Hartwick College in Oneonta, N.Y., and author of “The Horse, the Wheel, and Language: How Bronze-Age Riders from the Eurasian Steppes Shaped the Modern World.” Historians suggest that the arrival in southeastern Europe of people from the steppes may have contributed to the collapse of the Old Europe culture by 3500 B.C.


At the exhibition preview, Roger S. Bagnall, director of the institute, confessed that until now “a great many archaeologists had not heard of these Old Europe cultures.” Admiring the colorful ceramics, Dr. Bagnall, a specialist in Egyptian archaeology, remarked that at the time “Egyptians were certainly not making pottery like this.”


A show catalog, published by Princeton University Press, is the first compendium in English of research on Old Europe discoveries. The book, edited by Dr. Anthony, with Jennifer Y. Chi, the institute’s associate director for exhibitions, includes essays by experts from Britain, France, Germany, the United States and the countries where the culture existed.




Dr. Chi said the exhibition reflected the institute’s interest in studying the relationships of well-known cultures and the “underappreciated ones.”


Although excavations over the last century uncovered traces of ancient settlements and the goddess figurines, it was not until local archaeologists in 1972 discovered a large fifth-millennium B.C. cemetery at Varna, Bulgaria, that they began to suspect these were not poor people living in unstructured egalitarian societies. Even then, confined in cold war isolation behind the Iron Curtain, Bulgarians and Romanians were unable to spread their knowledge to the West.


The story now emerging is of pioneer farmers after about 6200 B.C. moving north into Old Europe from Greece and Macedonia, bringing wheat and barley seeds and domesticated cattle and sheep. They established colonies along the Black Sea and in the river plains and hills, and these evolved into related but somewhat distinct cultures, archaeologists have learned. The settlements maintained close contact through networks of trade in copper and gold and also shared patterns of ceramics.


The Spondylus shell from the Aegean Sea was a special item of trade. Perhaps the shells, used in pendants and bracelets, were symbols of their Aegean ancestors. Other scholars view such long-distance acquisitions as being motivated in part by ideology in which goods are not commodities in the modern sense but rather “valuables,” symbols of status and recognition.


Noting the diffusion of these shells at this time, Michel Louis Seferiades, an anthropologist at the National Center for Scientific Research in France, suspects “the objects were part of a halo of mysteries, an ensemble of beliefs and myths.”


In any event, Dr. Seferiades wrote in the exhibition catalog that the prevalence of the shells suggested the culture had links to “a network of access routes and a social framework of elaborate exchange systems — including bartering, gift exchange and reciprocity.”


Over a wide area of what is now Bulgaria and Romania, the people settled into villages of single- and multiroom houses crowded inside palisades. The houses, some with two stories, were framed in wood with clay-plaster walls and beaten-earth floors. For some reason, the people liked making fired clay models of multilevel dwellings, examples of which are exhibited.


A few towns of the Cucuteni people, a later and apparently robust culture in the north of Old Europe, grew to more than 800 acres, which archaeologists consider larger than any other known human settlements at the time. But excavations have yet to turn up definitive evidence of palaces, temples or large civic buildings. Archaeologists concluded that rituals of belief seemed to be practiced in the homes, where cultic artifacts have been found.


WOMEN IN SOCIETY A fired clay Cucuteni figurine,
from 4050-3900 B.C.CreditMarius Amarie


The household pottery decorated in diverse, complex styles suggested the practice of elaborate at-home dining rituals. Huge serving bowls on stands were typical of the culture’s “socializing of food presentation,” Dr. Chi said.


At first, the absence of elite architecture led scholars to assume that Old Europe had little or no hierarchical power structure. This was dispelled by the graves in the Varna cemetery. For two decades after 1972, archaeologists found 310 graves dated to about 4500 B.C. Dr. Anthony said this was “the best evidence for the existence of a clearly distinct upper social and political rank.”

Vladimir Slavchev, a curator at the Varna Regional Museum of History, said the “richness and variety of the Varna grave gifts was a surprise,” even to the Bulgarian archaeologist Ivan Ivanov, who directed the discoveries. “Varna is the oldest cemetery yet found where humans were buried with golden ornaments,” Dr. Slavchev said.


More than 3,000 pieces of gold were found in 62 of the graves, along with copper weapons and tools, and ornaments, necklaces and bracelets of the prized Aegean shells. “The concentration of imported prestige objects in a distinct minority of graves suggest that institutionalized higher ranks did exist,” exhibition curators noted in a text panel accompanying the Varna gold.


Yet it is puzzling that the elite seemed not to indulge in private lives of excess. “The people who donned gold costumes for public events while they were alive,” Dr. Anthony wrote, “went home to fairly ordinary houses.”


Copper, not gold, may have been the main source of Old Europe’s economic success, Dr. Anthony said. As copper smelting developed about 5400 B.C., the Old Europe cultures tapped abundant ores in Bulgaria and what is now Serbia and learned the high-heat technique of extracting pure metallic copper.


Smelted copper, cast as axes, hammered into knife blades and coiled in bracelets, became valuable exports. Old Europe copper pieces have been found in graves along the Volga River, 1,200 miles east of Bulgaria. Archaeologists have recovered more than five tons of pieces from Old Europe sites.

An entire gallery is devoted to the figurines, the more familiar and provocative of the culture’s treasures. They have been found in virtually every Old Europe culture and in several contexts: in graves, house shrines and other possibly “religious spaces.”

One of the best known is the fired clay figure of a seated man, his shoulders bent and hands to his face in apparent contemplation. Called the “Thinker,” the piece and a comparable female figurine were found in a cemetery of the Hamangia culture, in Romania. Were they thinking, or mourning?

Many of the figurines represent women in stylized abstraction, with truncated or elongated bodies and heaping breasts and expansive hips. The explicit sexuality of these figurines invites interpretations relating to earthly and human fertility.

An arresting set of 21 small female figurines, seated in a circle, was found at a pre-Cucuteni village site in northeastern Romania. “It is not difficult to imagine,” said Douglass W. Bailey of San Francisco State University, the Old Europe people “arranging sets of seated figurines into one or several groups of miniature activities, perhaps with the smaller figurines at the feet or even on the laps of the larger, seated ones.”

Others imagined the figurines as the “Council of Goddesses.” In her influential books three decades ago, Marija Gimbutas, an anthropologist at the University of California, Los Angeles, offered these and other so-called Venus figurines as representatives of divinities in cults to a Mother Goddess that reigned in prehistoric Europe.

Although the late Dr. Gimbutas still has an ardent following, many scholars hew to more conservative, nondivine explanations. The power of the objects, Dr. Bailey said, was not in any specific reference to the divine, but in “a shared understanding of group identity.”

As Dr. Bailey wrote in the exhibition catalog, the figurines should perhaps be defined only in terms of their actual appearance: miniature, representational depictions of the human form. He thus “assumed (as is justified by our knowledge of human evolution) that the ability to make, use and understand symbolic objects such as figurines is an ability that is shared by all modern humans and thus is a capability that connects you, me, Neolithic men, women and children, and the Paleolithic painters in caves.”

Or else the “Thinker,” for instance, is the image of you, me, the archaeologists and historians confronted and perplexed by a “lost” culture in southeastern Europe that had quite a go with life back before a single word was written or a wheel turned.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


COLABORAÇÃO: Dilyana Vasileva


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Uma cultura perdida da Europa, retirada da obscuridade.

Antes da glória que foi a Grécia e Roma, antes mesmo das primeiras cidades da Mesopotâmia ou templos ao longo do Nilo, vivia no Danúbio Vale Inferior e no sopé dos Balcãs pessoas que estavam à frente do seu tempo em arte, tecnologia e comércio de longa distância.

Por 1.500 anos, começando mais cedo do que 5000 aC, eles viveiro e construíram cidades de tamanho considerável, alguns com até 2.000 habitações. Eles dominaram fundição de cobre em larga escala, a nova tecnologia da época. Suas sepulturas realizou uma impressionante variedade de requintados cocares e colares e, em um cemitério, a primeira grande coleção de artefatos de ouro para ser encontrado em qualquer lugar do mundo.

Os desenhos marcantes da sua olaria falar do refinamento da linguagem visual da cultura. Até as recentes descobertas, os artefatos mais intrigantes eram as estatuetas de terracota onipresentes "deusa", originalmente interpretada como evidência do poder espiritual e político das mulheres na sociedade.

Novas pesquisas, os arqueólogos e historiadores dizem, ampliou a compreensão dessa cultura longo prédio em frente, que parecia ter se aproximou do limiar do estatuto de "civilização". Escrita ainda tinha que ser inventado, e assim ninguém sabe o que as pessoas chamavam a si mesmos. Para alguns estudiosos, as pessoas e a região são simplesmente Velha Europa.


foto1
VIVENDO Artefatos espaço a partir do Danúbio Vale Inferior e no sopé dos Balcãs são apresentados em uma exposição, "O Mundo Perdido da Velha Europa", no Instituto da Universidade de Nova York para o Estudo do Mundo Antigo. 
Credit: Rumyana Kostadinova Ivanova e Marius Amarie






A cultura pouco conhecida está sendo resgatado da obscuridade em uma exposição, "O Mundo Perdido da Velha Europa: o vale do Danúbio, 5000-3500 BC", que estreou no mês passado no Instituto para o Estudo do Mundo Antigo da Universidade de Nova Iorque . Mais de 250 artefatos de museus na Bulgária, Moldávia e Roménia estão em exibição pela primeira vez nos Estados Unidos. O show será executado até 25 de abril 2009;

No seu auge, em torno de 4500 aC, disse David W. Anthony, convidado o curador da exposição, "Velha Europa foi um dos lugares mais sofisticados e tecnologicamente avançados do mundo" e estava desenvolvendo "muitos dos sinais políticos, tecnológicos e ideológicos da civilização . "

Dr. Anthony é um professor de antropologia da Hartwick College, em Oneonta, Nova Iorque, e autor de "The Horse, a Roda, e Linguagem:. Como Riders Bronze-Idade do Eurasian estepes moldaram o mundo moderno" Os historiadores sugerem que a chegada em sudeste da Europa de pessoas das estepes podem ter contribuído para o colapso da cultura Velha Europa por 3500 aC

Na pré-visualização de exibição, Roger S. Bagnall, diretor do instituto, confessou que até agora "um grande número de arqueólogos não tinha ouvido falar dessas culturas velha Europa." Admirando as cerâmicas coloridas, Dr. Bagnall, especialista em arqueologia egípcia, comentou que, no momento "egípcios certamente não estavam fazendo cerâmica como este."

Um catálogo show, publicado pela Princeton University Press, é o primeiro compêndio em Inglês de pesquisa sobre descobertas velha Europa. O livro, editado pelo Dr. Anthony, com Jennifer Y. Chi, diretor associado do instituto para exposições, inclui ensaios de especialistas da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Estados Unidos e os países onde existia a cultura.

Dr. Chi disse que a exposição reflectiu o interesse do instituto em estudar as relações das culturas bem conhecidas e os "subvalorizado".

Embora escavações ao longo do século passado descobriu vestígios de antigos assentamentos e as estatuetas de deusas, não foi até que os arqueólogos locais, em 1972, descobriu um grande quinto milênio aC cemitério de Varna, na Bulgária, que começou a suspeitar estes não eram pessoas pobres que vivem em sociedades igualitárias não estruturados. Mesmo assim, confinado em isolamento guerra fria por trás da Cortina de Ferro, búlgaros e romenos não foram capazes de espalhar o seu conhecimento para o Ocidente.

A história agora emergente é de agricultores pioneiros depois de cerca de 6200 aC movendo para o norte em Old Europa da Grécia e Macedónia, trazendo de trigo e cevada, sementes e gado domesticado e ovelhas. Eles estabeleceram colônias ao longo do Mar Negro e nas planícies dos rios e colinas, e estes evoluíram para culturas afins, mas um pouco distintos, os arqueólogos aprenderam. Os assentamentos mantido estreito contato através de redes de comércio de cobre e ouro e padrões também compartilhadas de cerâmica.

A concha Spondylus do Mar Egeu era um item especial do comércio. Talvez as conchas, utilizados em pingentes e pulseiras, eram símbolos de seus ancestrais do Mar Egeu. Outros estudiosos visualizar tais aquisições de longa distância como sendo motivado em parte pela ideologia em que os bens não são commodities no sentido moderno, mas sim "objectos de valor," símbolos de status e reconhecimento.

Observando a difusão dessas conchas, neste momento, Michel Louis Seferiades, antropólogo do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, suspeita que "os objetos eram parte de um halo de mistério, um conjunto de crenças e mitos."

Em qualquer caso, Dr. Seferiades escreveu no catálogo da exposição que a prevalência das conchas sugeriu a cultura tinha ligações com "uma rede de vias de acesso e de um quadro social dos sistemas de intercâmbio elaborados - incluindo o escambo, troca de presentes e de reciprocidade."

Sobre uma vasta área do que é agora a Bulgária ea Roménia, as pessoas se estabeleceram em vilas de casas simples e multi-salas cheia dentro paliçadas. As casas, algumas com dois andares, foram enquadrados em madeira com paredes de barro-gesso e piso de terra batida. Por alguma razão, as pessoas gostaram tomada demitido modelos de barro de habitações de vários níveis, cujos exemplos estão expostos.

Algumas cidades do povo Cucuteni, uma cultura mais tarde e aparentemente robusta no norte da Velha Europa, cresceu para mais de 800 acres, que os arqueólogos consideram maiores do que quaisquer outros assentamentos humanos conhecido na época. Mas as escavações ainda tem que virar-se evidência definitiva de palácios, templos ou grandes edifícios cívicos. Os arqueólogos concluíram que os rituais de crença parecia ser praticado nas casas, onde artefatos de culto foram encontrados.




foto2
Mulheres na sociedade Um disparou argila estatueta Cucuteni,
de 4050-3900 BCCreditMarius Amarie


A cerâmica doméstico decorados em diversos estilos, complexos sugeriu a prática de elaborar em casa rituais de jantar. Tigelas enormes em estandes eram típicos da cultura da "socialização de apresentação dos alimentos," disse o Dr. Chi.

No início, a ausência de arquitetura elite levou os estudiosos a supor que a Velha Europa tinha estrutura hierárquica de poder pouco ou nenhum. Este foi dissipado pelas sepulturas no cemitério Varna. Por duas décadas depois de 1972, os arqueólogos encontraram 310 túmulos datados de cerca de 4500 aC Dr. Anthony disse que esta era "a melhor evidência para a existência de uma posição social e político superior claramente distintos."

Vladimir Slavchev, um curador do Museu Regional de História Varna, disse que a "riqueza e variedade dos dons graves Varna foi uma surpresa", mesmo para o arqueólogo búlgaro Ivan Ivanov, que dirigiu as descobertas. "Varna é o cemitério mais antigo já encontrado onde os seres humanos eram enterrados com ornamentos de ouro", disse Dr. Slavchev.

Mais de 3.000 peças de ouro foram encontradas em 62 das sepulturas, juntamente com as armas de cobre, ferramentas e ornamentos, colares e pulseiras de conchas do mar Egeu premiado. "A concentração de objetos de prestígio importados em uma minoria distinta de túmulos sugerem que níveis mais elevados institucionalizados existisse," curadores de exposições observado em um painel de texto que acompanha o ouro Varna.

No entanto, é intrigante que a elite parecia não entrar na vida privada de excesso. "As pessoas que vestiu trajes do ouro para eventos públicos, enquanto eles estavam vivos", escreveu Dr. Anthony, "foi para casa para casas bastante comuns".

Cobre, não de ouro, pode ter sido a principal fonte de sucesso econômico da Velha Europa, disse o Dr. Anthony. Como fundição de cobre desenvolvido sobre 5400 BC, as culturas velha Europa bateu minérios abundantes na Bulgária e que é agora a Sérvia e aprendeu a técnica de alto calor de extração de cobre metálico puro.

Cobre fundido, escalado como machados, martelados em lâminas de facas e enroladas em pulseiras, tornou-se exportações valiosos. Peças de cobre velha Europa foram encontrados em covas ao longo do rio Volga, 1.200 milhas a leste da Bulgária. Os arqueólogos recuperaram mais de cinco toneladas de peças de sites velha Europa.

Uma galeria inteira é dedicada às estatuetas, mais familiares e provocantes dos tesouros da cultura. Eles foram encontrados em praticamente todas as culturas Velha Europa e em vários contextos: em túmulos, santuários e casas possivelmente outros "espaços religiosos."

Uma das mais conhecidas é a figura de barro demitido de um homem assentado, com os ombros dobrados e as mãos ao rosto na contemplação aparente. Chamado de "Pensador", a peça e uma estatueta feminina comparáveis ​​foram encontrados em um cemitério da cultura Hamangia, na Roménia. Eles estavam pensando, ou luto?

Muitas das estatuetas de representar as mulheres na abstração estilizada, com corpos truncadas ou alongadas e seios de empilhamento e quadris amplos. A sexualidade explícita dessas figurinhas convida interpretações relativas à terrena e fertilidade humana.

Um conjunto de prender 21 pequenas figuras femininas, sentados em círculo, foi encontrado em um local aldeia pré-Cucuteni no nordeste da Romênia. "Não é difícil de imaginar", disse Douglass W. Bailey de San Francisco State University, as pessoas Velha Europa "arranjar conjuntos de figuras sentadas em um ou vários grupos de atividades em miniatura, talvez com as figuras menores aos pés ou até mesmo em as voltas dos maiores, os assentados. "

Outros imaginou as figuras como o "Conselho de deusas." Em seus livros influentes três décadas atrás, Marija Gimbutas, um antropólogo da Universidade da Califórnia, Los Angeles, ofereceu estes e outros chamados estatuetas de Vênus como representantes de divindades em cultos para uma deusa da mãe que reinava na Europa pré-histórica.

Embora o falecido Dr. Gimbutas ainda tem um ardente seguinte, muitos estudiosos talhar para conservadores, explicações mais nondivine. O poder dos objetos, Dr. Bailey disse, não era, de qualquer referência específica ao divino, mas em "um entendimento comum da identidade do grupo."

Como o Dr. Bailey escreveu no catálogo da exposição, as estatuetas talvez deva ser definida apenas em termos de sua aparência real: diminuto, representações de representação da forma humana. Ele, portanto, "assumido (como é justificada pelo nosso conhecimento da evolução humana) que a capacidade de fazer, usar e entender objetos simbólicos tais como figurinhas é uma habilidade que é compartilhada por todos os seres humanos modernos e, portanto, é uma capacidade que conecta você, eu, homens do Neolítico, mulheres e crianças, e os pintores do Paleolítico em cavernas ".

Ou então o "Pensador", por exemplo, é a imagem de você, eu, os arqueólogos e historiadores confrontam e perplexos por um "perdido" a cultura no sudeste da Europa que tinha a ir com a vida de volta antes que uma única palavra foi escrito ou um roda girava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário