Google+ Followers

sábado, 12 de março de 2016

Patchwork exposições Internacionais ou de acervo de museus como o Museu de Artes e Design, em Nova York, o QuiltStudy Center & Museum em Lincoln/Nebraska ou a QuiltNihon no Japão.

Técnica conhecida por seus desenhos delicados, o patchwork - em português "trabalhos com retalhos", ganhou contornos ousados. Por aqui e mundo a fora, artesãos contemporâneos saem em busca de informação, produzindo artesanato/arte, peças únicas, assinadas, com design moderno e reconhecidas no campo das artes visuais.



Muitos desses trabalhos fazem partes de exposições Internacionais ou de acervo de museus como o Museu de Artes e Design, em Nova York, o QuiltStudy Center & Museum em Lincoln/Nebraska ou a QuiltNihon no Japão.

Em sintonia com essa tendência, a 16ª edição da Patchwork Design, feira que apresenta produtos do segmento têxtil, promove a "Contemporâneo - Exposição Internacional de Arte Têxtil" com 78 trabalhos de 44 artistas brasileiros e americanos.

"A técnica está tão sofisticada que de longe os trabalhos parecem pintura, quase todas abstratas, mas quando se chega perto pode se ver as costuras e isso surpreendente o espectador", afirma Zeca Medeiros, curador da exposição.
No Brasil, o patchwork que sempre foi visto como a "colcha da vovó", esse conceito também mudou. A prova disso é a exposição que há seis anos acontece no Rio de Janeiro e em São Paulo, em 2016 se apresentará também em espaços culturais de outras cidades como o Museu Gerdau em Belo Horizonte e no Centro Cultural do Gasômetro em Porto Alegre.

No Rio de Janeiro a exposição acontecerá de 31 de março a 2 de abril no clube Monte Líbano e estão sendo esperados cerca de 9 mil visitantes, 20% a mais que em 2015.

A história de como o patchwork saiu das camas para as paredes de galerias de arte e museus

Enquanto nos séculos XVI, XVII e XVIII mulheres se esforçavam para fazer colchas bonitas e aconchegantes, na era Vitoriana (século XIX) a criação do patchwork com a técnica "Crazy" tornou-se um hobby elegante que levou a ideia de se fazer trabalhos apenas para exposição.

Nos anos 70, jovens artistas "descobriram" o patchwork, dominaram a técnica e rapidamente começaram a experimentá-lo em estilos contemporâneos.

Galerias de arte se recusavam a expor quilts (patchwork) artísticos por que o patchwork não era visto como dignos de consideração artística e mostras de patchwork se recusavam a aceitar trabalhos artísticos por que não se limitavam a estilos e técnicas tradicionais.

A primeira exposição de patchwork artístico foi realizada no final dos anos 70 nos EUA. O patchwork contemporâneo atinge o seu auge no século XXI. Atualmente, museus e galerias de arte atraem grandes multidões para exposições de arte têxtil em vários países. E os arquitetos e decoradores já usam objetos de patchwork para decorar os ambientes seja em almofadas, poltronas, capas para sofás, quadros e até esculturas.

Serviço

16ª Patchwork Design e Contemporâneo
Exposição Internacional de Arte Têxtil
Curador: Zeca Medeiros
De 31 de março a 2 de abril
Clube Monte Líbano - R. Borges de Medeiros, 701 - Lagoa






Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário