Google+ Followers

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Uma das mais belas histórias do Carnaval de São Paulo, será enredo em 2017. --- One of the most beautiful stories of Carnival of São Paulo, will plot in 2017

Em fevereiro de 2017 a mais antiga escola de samba em atividade na cidade de São Paulo, a Lavapés, completa oitenta anos de história.



A data especial, não só para a entidade, mas para a cultura popular paulistana, será celebrada em forma de enredo no Carnaval do próximo ano com o tema: "Oito décadas de samba, minha Lavapés, orgulho da terra da garoa", e desenvolvimento do carnavalesco Horácio Rabaça Filho. Leia a sinopse na íntegra.




O mundo do samba está em festa. Os arautos negros evocam a chegada daquela que é a mais antiga escola em atividade de São Paulo: a Sociedade Recreativa Beneficente Escola de Samba Lavapés. Tudo começou com a dedicação de Deolinda Madre, mas que em função dos inúmeros afilhados era conhecida como "Madrinha Eunice".


Filha de escravos, nasceu em 14 de outubro de 1909 em Piracicaba vindo a morar em São Paulo com doze anos. As notas musicais do jongo, samba rural e do batuque foram as bases de sua formação para que futuramente se tornasse um ícone do carnaval paulista. Na capital, morou na Rua Tamandaré, residindo posteriormente nas ruas da Glória, Galvão Bueno e Barão de Iguape (onde foi instalada a quadra da agremiação). Tinha como companheiro o italiano Chico Pinga, um exímio cavaquinhista que ajudou também a fundar a Lavapés. A "Rainha Negra do Samba" falecia em 1995 deixando um imenso legado...


Uma inspiração carioca

Madrinha Eunice e Chico Pinga se conheceram na Festa de Pirapora, uma tradição que envolvia romarias, sambas e batuques de diversas partes do estado para a cidade de Pirapora do Bom Jesus. Durante vários anos Dona Eunice manteve o costume de levar os integrantes da escola e sua família a famosa festa comemorada em 06 de agosto, que gira em torno da imagem que foi encontrada na região em 1725, aproximadamente, às margens do rio Tietê, e que passou a ser considerada milagrosa. Na capital paulista fez parte de um do bloco carnavalesco do Glicério, na década de 1930, chamado "Baianas Paulistas" que durou cerca de três anos, até que, em 1936, o casal foi passar uma temporada com familiares no Rio de Janeiro quando assistiram ao Carnaval da Praça Onze.


Encantada com o desfile da escola de samba vermelha e branca "Deixa Malhar" ela, então, reuniu alguns batuqueiros e 20 homens do bairro para desfilarem vestidos de baianas. Assim nascia a Lavapés. Dona Eunice escolheu as cores vermelho e branco, como eram as da escola que ela dissera ter gostado de ver no Rio de Janeiro e o símbolo adotado para a escola foi uma baiana, figura pela qual tinha grande admiração. Ela representaria a tradicional ala carnavalesca e as grandes matronas dos terreiros de grupos vindos da Bahia para o Rio de Janeiro e São Paulo.


O sonho que virou escola, que virou realidade... 


A escola foi considerada uma das mais fortes em sua época áurea e dela participaram vários sambistas que, mais tarde, fundariam e participariam de outras escolas da cidade. Entre eles, Carlão do Peruche (fundador da Unidos do Peruche, em 1956), Silval do Império (fundador da Império do Cambuci, em 1963), Chiclé e Mestre Thadeu (do Vai-Vai), os radialistas Moraes Sarmento e Evaristo de Carvalho, Mestre Lagrila e o multiartista Germano Mathias. A Lavapés passou por, praticamente, todos os espaços dedicados aos desfiles de carnaval desde sua fundação em 1937. Praça da Sé, Vale do Anhangabaú, Avenida São João, Tiradentes e até o sambódromo.


No final da década de 30 e década de 40, participava de disputas organizadas por comerciantes e rádios em diferentes pontos da cidade, sendo considerada a maior campeã deste período. Na década de 50, houve a unificação das disputas de agremiações carnavalescas na Praça da Sé e, entre escolas e cordões, a Lavapés foi tetracampeã (1950 a 1953) e também ganhou o campeonato em 1956.


Hoje a escola é comandada por Rosemeire Marcondes, neta de Madrinha Eunice, e mesmo longe dos holofotes do sambódromo é respeitada e admirada por todos, considerada a escola de coração pelos verdadeiros sambistas do carnaval de São Paulo. A Lavapés tem verdadeiros guerreiros que honram seu pavilhão. Finalizamos com uma frase memorável da querida madrinha fundadora: "Lavapés teve começo, mas não terá fim". 


Carnaval 2016


Este ano a Lavapés desfilou pelo Grupo 3 da Uesp com o enredo: "Danças Africanas", e obteve o sexto lugar na classificação final.






Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

colaboração:

Liah Belmonte


http://www.sidneyrezende.com/noticia/265720+uma+das+mais+belas+historias+do+carnaval+de+sp+sera+enredo+em+2017

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



--in via tradutor do google
One of the most beautiful stories of Carnival of São Paulo, will plot in 2017

In February 2017 the oldest samba school in activity in the city of São Paulo, Lavapés, full eighty years of history.

The special day, not only for the body but for the popular São Paulo culture, will be held in the form of plot Carnival next year with the theme "Eight decades of samba, my Lavapés, Land pride of drizzle", and development the carnivalesque Horace Rabaça Son. Read the synopsis in full.

Wash feet. Photo: Collection

The samba the world is celebrating. The black heralds evoke the arrival of what is the oldest school in activity of São Paulo: the Recreational Society Charitable School of Samba Lavapés. It started with the dedication of Deolinda Mother, but according to numerous godchildren was known as "Godmother Eunice."

Daughter of slaves, was born on October 14, 1909 in Piracicaba been living in São Paulo with twelve. The musical notes jongo, rural samba and drumming were the basis of their training so that future to become one of the São Paulo carnival icon. In the capital, lived in Tamandaré Street, residing later in the glory streets, Galvão Bueno and Barão de Iguape (where it was installed the court of the club). I had as fellow Italian Chico Pinga, a master cavaquinhista who also helped found the Lavapés. The "Samba Black Queen" passed away in 1995 leaving a huge legacy ...

A Rio inspiration

Godmother Eunice and Chico Pinga met in Pirapora Party, a tradition involving pilgrimages, sambas and drums in various parts of the state to the city of Pirapora do Bom Jesus. For several years Mrs. Eunice kept the custom of taking the school members and his family the famous festival celebrated on August 06, which revolves around the image that was found in the region in 1725, approximately the banks of the Tiete River, and now considered miraculous. In the state capital was part of a carnival block Glicerio, in the 1930s, called "Baianas Paulistas" which lasted about three years, until, in 1936, the couple was to spend some time with family in Rio de Janeiro when watched the Carnival of Praça Onze.

Delighted with the parade of red and white samba school "Let Malhar" she then met some drummers and 20 men in the neighborhood to parade dressed in Bahia. Thus was born the Lavapés. Dona Eunice chose the colors red and white, as were the school she said have liked to see in Rio de Janeiro and the symbol adopted for the school was a Bahian figure for which he had great admiration. It would represent the traditional wing carnival and large matrons of terreiros groups from Bahia to Rio de Janeiro and São Paulo.

The dream turned school come true ...

The school was considered one of the strongest in its heyday and it was attended by several samba dancers that later would found and participate in other city schools. Among them, Carlão the Peruche (founder of States Peruche in 1956), Silval Empire (founder of Cambuci Empire in 1963), Chiclé and Thadeu Master (of the Go-Go), the broadcasters Moraes Sarmento and Evaristo de Carvalho , Lagrila Master and the multi-artist Germano Mathias. Lavapés went through the virtually all spaces dedicated to carnival parades since its founding in 1937. Cathedral Square, Anhangabaú Valley, Saint John Avenue Tiradentes and to the Sambadrome.

At the end of the 30s and 40s, participated in contests organized by traders and radio stations in different parts of the city, is considered the greatest champion of this period. In the 50's, there was the unification of the carnival associations disputes in Cathedral Square, and between schools and cords, the Lavapés was tetracampeã (1950-1953) and also won the championship in 1956.

Today the school is run by Rosemeire Marcondes, granddaughter of Honour Eunice, and even away from the Sambadrome spotlight is respected and admired by all, considered the school of heart by the true samba of São Paulo carnival. The Lavapés have true warriors who honor their flag. We end with a memorable phrase beloved founder godmother: "Lavapés had a beginning, but will have no end."

Carnival 2016

This year Lavapés paraded by Group 3 UESP with the theme: "African Dance" and got the sixth place in the final standings.

Nenhum comentário:

Postar um comentário