Google+ Followers

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Mostra coletiva celebra 40 anos do Museu Ludwig, na Alemanha. --- We Call It Ludwig. The Museum is turning 40!

Artistas como Ai Weiwei participam da exposição do museu, que possui a maior coleção de Pop Art da Europa






A partir deste sábado (27/08), o Museu Ludwig, na cidade alemã de Colônia, celebra os seus 40 anos de existência com uma exposição coletiva formada por 25 artistas de todo o mundo, incluindo nomes como o chinês Ai Weiwei e o africano Georges Adéagbo.




Não é difícil entender por que o museu foi capaz de reunir tantos artistas renomados – afinal, o Ludwig tem o maior acervo de Pop Art da Europa e a terceira maior coleção de Pablo Picasso do mundo, além de ser reconhecido por seu conjunto de fotografias e de obras do expressionismo alemão. Entre os artistas com obras no museu, estão Max Erns, Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Jackson Pollock e Mondrian.




Organizada pelo diretor e todos os curadores do museu, a mostra “Call It Ludwig” convidou artistas a expressarem o que o museu representa para eles. A proposta não é oferecer ao público um conceito definido sobre o local, mas várias perspectivas diferentes – e subjetivas – sobre o museu.




O artista Georges Adéagbo, por exemplo, ampliou a sua instalação “Explorer and Explorers Facing the History of Exploration…!”, que foi adquirida pelo Ludwig em 2003. Ele espalhou obras por diversas salas do museu com o objetivo de interagir e ressaltar o acervo permanente do local. Na área de entrada do museu, Adéagbo dispôs um tapete vermelho e quatro esculturas de madeira.





Já Ai Weiwei criou uma instalação aludindo à obra de Marcel Duchamp “Roda de Bicicleta” (1913). O artista chinês, que já declarou ter sido influenciado pelas ideias de Duchamp, apresenta na mostra um conjunto de várias bicicletas dispostas em um círculo infinito. O nome da instalação, “Forever”, faz uma referencia a uma marca chinesa de bicicletas e é uma provocação ao conceito do tempo nos bens de consumo atuais.



O Museu Ludwig surgiu depois que o casal Peter e Irene Ludwig doou mais de 350 obras de arte moderna para a cidade de colônia, em 1976, uma década antes da abertura do prédio atual da instituição. A exposição comemorativa celebra a visão global que o casal tinha diante da arte. Por exemplo, ambos mantinham uma proximidade com Cuba, onde conheceram o artista Diango Hernández, que participa da mostra. Desta vez, o cubano criou murais que refletem a sua visão sobre a história do museu.




Além de trabalhar com artistas que de alguma forma estão conectados com a história do museu, os curadores da exposição também quiseram apontar para o futuro da arte ao convidar novos nomes para a mostra – a exemplo da dupla de artistas da Romênia Alexandra Pirici e Manuel Pelmus, que farão performances no Ludwig ao longo do período da exibição. Nas apresentações, o duo fará interpretações próprias de trabalhos selecionados, como de Marina Abramovic.


We Call It Ludwig
Data: de 27 de agosto a 8 de janeiro de 2017
Local: Ludwig Museum - Hein¬rich-Böll-Platz, 50667 Köln, Alemanha
Horário: De terça-feira a domingo, das 10h às 18h
Valor: 11 euros.






Fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://casavogue.globo.com/MostrasExpos/Arte/noticia/2016/08/mostra-coletiva-celebra-40-anos-do-museu-ludwig-na-alemanha.html
http://www.museum-ludwig.de/en/exhibitions/we-call-it-ludwig.html


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



--in 
We Call It Ludwig. 
The Museum is turning 40!

Au­gust 27, 2016 – Jan­uary 08, 2017
Open­ing: Fri­day, Au­gust 26, 7 p.m.
The group ex­hi­bi­tion We Call It Lud­wig is the high point of the land­mark year 2016 at the Mu­se­um Lud­wig. For the an­niver­sary ex­hi­bi­tion, which was joint­ly con­ceived by the di­rec­tor and all the mu­se­um’s cu­ra­tors, twen­ty-five in­ter­na­tio­n­al artists and artist col­lec­tives have been in­vit­ed to en­gage in depth with the in­sti­tu­tion and to re­act to the ques­tion of what the Mu­se­um Lud­wig means to them.

The ti­tle We Call It Lud­wig was pur­pose­ly kept open-end­ed, since the ex­hi­bi­tion is not in­tend­ed to of­fer a con­crete def­i­ni­tion, but a va­ri­e­ty of sub­jec­tive per­spec­tives that to­gether form a kalei­do­s­cop­ic im­age of the in­sti­tu­tion. The Mu­se­um Lud­wig defines it­self in large part based on its own his­to­ry, its col­lec­tion, and, above all, the peo­ple who have shaped it – as an artists’ mu­se­um. We Call It Lud­wig ac­counts for this si­t­u­a­tion by re­flect­ing along with th­ese par­ti­ci­pants in the art sys­tem on what the mu­se­um has been, is, and can be.

The se­lec­tion of twen­ty-five par­ti­ci­pat­ing artists span­n­ing ev­ery conti­nent de­lib­er­ate­ly un­der­s­cores Peter and Irene Lud­wig’s glob­al ap­proach to the col­lec­tion. For in­s­tance, they main­tained close con­tacts with Cu­ba, where they met the artist Dian­go Hernán­dez in the mid- 1990s. Now Hernán­dez will trans­late im­por­tant ex­hi­bi­tion ti­tles from the his­to­ry of the mu­se­um as well as its lo­go in­to a sen­su­al and po­et­ic land­s­cape of un­du­lat­ing seat­ing and mu­rals.

The Guer­ril­la Girls col­lec­tive will take a very dif­fer­ent ap­proach by crit­i­cal­ly ree­val­u­at­ing the col­lec­tion from a femi­n­ist per­spec­tive. Maria Eich­horn, by con­trast, will deal with the pro­cess­es that led to the sign­ing of an em­ploy­ment con­tract with her as an artist, thus em­pha­siz­ing the ad­min­is­tra­tive struc­ture of the mu­se­um. With The Cho­co­late Mas­ter from 1981, Hans Haacke will pre­sent the re­sult of his metic­u­lous and crit­i­cal re­search on the fam­i­ly and cor­po­rate his­to­ry of the cho­co­late man­u­fac­tur­ers and art col­lec­tors Peter and Irene Lud­wig.

Par­ti­ci­pat­ing artists:
Ge­orges Adéag­bo, Ai Wei­wei, Ei Arakawa & Michel Au­d­er, Min­er­va Cue­vas, Maria Eich­horn, An­drea Fras­er, Meschac Ga­ba, Guer­ril­la Girls, Hans Haacke, Dian­go Hernán­dez, Can­di­da Höfer, Bodys Isek Kin­gelez, Kuehn Malvezzi, Chris­tian Philipp Müller, Mar­cel Oden­bach, Ah­met Ögüt, Claes Ol­d­en­burg, Pratchaya Phin­thong, Alexan­dra Piri­ci & Manuel Pel­muş, Ger­hard Richter, Av­ery Singer, Jür­gen Stoll­hans, Rose­marie Trock­el, Vil­la De­sign Group, Chris­to­pher Wil­li­ams




Nenhum comentário:

Postar um comentário