Google+ Followers

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Austrian Authorities Thwart Group Trying to Sell Fake Picassos. --- As autoridades austríacas impedem o grupo de tentar vender falsos Picassos.

LONDON — Austria’s criminal intelligence service announced this week that it had uncovered a group selling forgeries of high-profile art, including fakes that had been attributed to Chagall and Picasso.




The service said in a statement on Monday that intelligence officers had posed as art buyers and arrested six suspects at a Vienna airport hotel in an undercover operation in July. Details on the operation were kept private until this week.

The suspects were said to have been trying to sell the undercover authorities five artworks that they said were Picasso originals for about 10 million euros, or about $11 million, each.

The authorities in the Vienna suburb of Schwechat, site of the city’s international airport, received a tip in the middle of the year that a small criminal group was planning to sell fake artworks there and alerted the intelligence service, which then organized the undercover purchase.

Further investigations into the suspects, who include five Austrians and one Slovenian citizen, revealed that members of the group had over a dozen forgeries of works by artists including Picasso and Emil Nolde in their possession in Austria, and that there was a trove of more than 60 others by artists like Klimt, Monet and Picasso at one of the suspects’ properties in Slovenia.

The Slovenian member of the group tried to sell some of these fakes in 2014 but was unable to find buyers, said Vincenz Kriegs-Au, a spokesman for the criminal intelligence service. After the first failed attempt, the suspect teamed up with those who were arrested in July. He told investigators that he bought the works from an art collector. It is not clear who painted the forgeries.

The suspects, whose names have not been released, told investigators that they believed the works were real. The suspects have been released pending trial, Mr. Kriegs-Au said. All of the works are in police possession, and representatives of the artists’ estates are in the process of evaluating some of them for authenticity.







 
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.
 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.
 
O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!






--br via tradutor do google
As autoridades austríacas impedem o grupo de tentar vender falsos Picassos.

LONDRES (Reuters) - O serviço de inteligência criminal da Áustria anunciou esta semana que descobriu um grupo vendendo falsificações de arte de alto perfil, incluindo falsificações atribuídas a Chagall e Picasso.

O serviço disse em um comunicado na segunda-feira que os oficiais de inteligência posaram como compradores de arte e prendeu seis suspeitos em um hotel do aeroporto de Viena em uma operação secreta em julho. Detalhes sobre a operação foram mantidos em privado até esta semana.

Os suspeitos teriam tentado vender às autoridades secretas cinco obras de arte que, segundo eles, eram originais de Picasso por cerca de 10 milhões de euros, ou cerca de US $ 11 milhões cada.

As autoridades do subúrbio de Schwechat, local do aeroporto internacional da cidade, receberam uma dica no meio do ano em que um pequeno grupo criminoso planejava vender falsas obras de arte e alertaram o serviço de inteligência, que então organizou a compra secreta.

Outras investigações sobre os suspeitos, que incluem cinco austríacos e um cidadão esloveno, revelaram que os membros do grupo tinham mais de uma dúzia de falsificações de obras de artistas como Picasso e Emil Nolde na sua posse na Áustria e que havia um tesouro de mais de 60 por artistas como Klimt, Monet e Picasso em uma das propriedades dos suspeitos na Eslovénia.

O membro esloveno do grupo tentou vender algumas dessas falsificações em 2014, mas foi incapaz de encontrar compradores, disse Vincenz Kriegs-Au, um porta-voz do serviço de inteligência criminal. Após a primeira tentativa fracassada, o suspeito se uniu aos que foram presos em julho. Ele disse aos investigadores que ele comprou as obras de um colecionador de arte. Não está claro quem pintou as falsificações.

Os suspeitos, cujos nomes não foram divulgados, disseram aos investigadores que acreditavam que as obras eram reais. Os suspeitos foram liberados na pendência do julgamento, disse Kriegs-Au. Todas as obras estão na posse da polícia, e os representantes das propriedades dos artistas estão no processo de avaliar alguns deles para a autenticidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário