Google+ Followers

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Cleveland Museum of Art solves mysteries of its medieval French table fountain (photos, video). --- Cleveland Museum of Art resolve mistérios de sua fonte de mesa medieval francês (fotos, vídeo).

CLEVELAND, Ohio – The late Umberto Eco, the Italian novelist who set his murder mystery "The Name of the Rose" in a 14th-century Italian monastery, would have loved the Cleveland Museum of Art's new Focus Gallery exhibition on its celebrated French Gothic table fountain.

medieval French table fountain
Table Fountain, c. 1320-40. France, Paris. Gilt-silver, translucent enamel on basse-taille, 
opaque enamel; 31.1 x 24.1 cm. (weight 2.7 kg). 
The Cleveland Museum of Art, Gift of J. H. Wade 1924.859.


That's because the show, "Myth and Mystique," is a whodunit that explores mysteries and visual riddles swirling around one of the most rare and compelling works in the museum's collection.

Standing slightly over a foot high, the table fountain, made largely in gilt silver with colorful panels of enamel, is a delicate, glittering mash-up of a Gothic cathedral and a Crusader castle configured in several tiers with pointed arches, finials, crenellated battlements and gargoyles.

When operated, the fountain would have spun miniature water wheels with water spitting from four jets on its middle tier.

The tiny cascades would then have trickled down over a lower level of water wheels, and ultimately through the mouths of spitting gargoyles into an underlying catch basin that has since been lost.

As water poured over the spinning wheels, tiny bells attached to their axles would have turned, filling the air with a playful jingling.

Passed up by Louvre

Purchased by the museum in 1924 after the Louvre turned down a chance to buy it, the table fountain was originally thought to have functioned as a banquet centerpiece to delight guests at aristocratic feasts.

But the show debunks long-held assumptions about the object, believed to be the only medieval table fountain to have survived the centuries intact.

Organized by Stephen Fliegel, the museum's curator of medieval art, the show uses everything from digital videos to loaned artworks including "Madonna at the Fountain," an exquisite early Renaissance painting by the Flemish artist Jan van Eyck, to explore the historical context, symbolism and patronage behind the table fountain.

Fliegel said that he now believes after years of research that the fountain was not intended for hand washing before or after feasts, and that it wasn't even installed on a banquet table.

The fountain most likely would have occupied a dedicated and permanent architectural setting, where it received water fed by gravity through plumbing from a hidden cistern.

Medieval deodorizer?

Fliegel also theorized that the fountain once circulated rosewater, possibly as an air freshener. This argues against any notion that it would have been installed at a banquet table.

"You wouldn't want rosewater competing with the aroma of food," he said in a recent interview at the museum.

Like a prosecutor presenting his case, Fliegel has lined up works of art to make his argument.

The show displays large-scale reproductions of famous feasting scenes in medieval art, including an early 15th-century manuscript illustration from the "Tres Riches Heures du Duc de Berry" of the Netherlandish Limbourg Brothers, in which there is no table fountain.

Such absences – repeated throughout classic scenes of medieval feasting – indicate the strong likelihood that table fountains did not accompany banquets, Fliegel said in the interview.

As for hand-washing implements, Fliegel included in the show two German "lavers," essentially vessels shaped like castle turrets with one or more spigots that were actually used for hand washing before and after elaborate meals.

Fliegel cites visual proof from contemporary artworks that depicted such vessels in bedrooms or living rooms, often in a wall niche.

Cleanliness in the Middle Ages

The show also includes a 15th-century brass lavabo, or wall-mounted washbasin, from the southern Netherlands, which served a similar purpose.

"Because fingers were the primary utensils used for eating, the practice of washing one's hands not only before but also after dinner was a necessary ritual," Fliegel points out in the show's excellent catalog.

As for plumbing, Fliegel points to the sublime van Eyck painting, which depicts the Virgin Mary and infant Jesus standing in a celestial garden next to a brass fountain that issues tiny jets of water.

The curator argues in the catalog that the realism of Van Eyck's painting indicates without a doubt that such fountains once existed, and that they would have required extensive hidden plumbing of the sort that originally served the Cleveland table fountain.

Fliegel argues that the table fountain was made between 1320 and 1340 based on similarities in decorative motifs found in the "Hours of Jeanne d'Evreux," by French artist Jean Pucelle, a devotional prayer volume borrowed from the Cloisters at the Metropolitan Museum of Art.

And, as for the patronage behind the table fountain, Fliegel identifies several possible suspects, including the Valois monarch John the Good, who reigned from 1350 to 1364; his father, King Philip VI, who reigned from 1328 to 1350; or King Charles IV, who reigned from 1322 to 1328.


The proof, Fliegel believes, is that tiny escutcheons – shields bearing coats of arms attached to the table fountain - are decorated with eight-pointed stars identified as the symbol of the Order of the Star, a chivalric club founded by John the Good in emulation England's Order of the Garter, established in 1348.

Fliegel's hunch, based on technical analysis, is that the escutcheons were added to the fountain after it was originally made, indicating it may have been presented to the Order of the Star as a gift by one of its knights.

If the show doesn't conclusively establish who commissioned the object and why, it certainly narrows the possibilities.

Along the way, it invites viewers to peer closely at beautiful medieval and early Renaissance objects that are saturated with religious and royal symbolism.

In doing so, the exhibition beautifully embodies the mission of the museum's Focus Gallery, which is to reveal deep layers of meaning in some of the most important works of art in the museum's permanent collection.

Third in a book series

Just as important, the show provides a permanent record for Fliegel's research in the accompanying catalog, co-authored by Case Western Reserve University art historian Elina Gertsman.

The book is the third in a series on Cleveland masterworks that began in 2012 with Curator William H. Robinson's perceptive analysis of Pablo Picasso's "La Vie."

One takeaway from Fliegel's show is that it makes one wish to see more exhibitions like it – accompanied by a shelf full of deep-dive catalogs on the works that make the Cleveland museum one of the best of its kind in the world.












fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!










--br via tradutor do google
Cleveland Museum of Art resolve mistérios de sua fonte de mesa medieval francês (fotos, vídeo).

CLEVELAND, Ohio - O falecido Umberto Eco, o romancista italiano que definiu seu mistério de assassinato "O Nome da Rosa" em um mosteiro italiano do século XIV, teria adorado a nova exposição do Museu de Arte de Cleveland em sua famosa mesa gótica francesa fonte.


Fonte de mesa francesa medieval
Fonte de mesa, c. 1320-40. França, Paris. Gilt-prata, esmalte translúcido em basse-taille, esmalte opaco; 31,1 x 24,1 cm. (Peso 2,7 kg). 
O Museu de Arte de Cleveland, Dom de J. H. Wade 1924.859.

Isso porque o programa, "Mito e Mística", é um whodunit que explora mistérios e enigmas visuais girando em torno de uma das obras mais raras e convincentes na coleção do museu.

De pé um pouco mais de um pé de altura, a fonte da mesa, feita em grande parte em prata dourada com painéis coloridos de esmalte, é um delicado, resplandecente mash-up de uma catedral gótica e um castelo cruzado configurado em vários níveis com arcos apontados, remates, ameias crenellated E gárgulas.

Quando operado, a fonte teria girado rodas de água em miniatura com água cuspida de quatro jatos em sua camada média.

As cascatas minúsculas então teriam gotejado abaixo sobre um nível mais baixo de rodas de água, e finalmente através das bocas de gárgulas cuspir em uma bacia de captura subjacente que desde então se perdeu.

Enquanto a água derramava sobre as rodas girando, os sinos minúsculos anexados a seus eixos teriam girado, enchendo o ar com um jingling playful.

Passado acima pelo Louvre

Comprado pelo museu em 1924 depois que o Louvre recusou uma chance de comprá-lo, a fonte da mesa foi originalmente pensado para ter funcionado como uma peça central de banquete para encantar os hóspedes em festas aristocráticas.

Mas o show desmantela suposições de longa data sobre o objeto, acredita-se ser a única fonte de mesa medieval para ter sobrevivido os séculos intactos.

Organizado por Stephen Fliegel, o curador do museu de arte medieval, o show usa tudo, desde vídeos digitais a obras de arte emprestadas, incluindo "Madonna at the Fountain", uma pintura requintada do artista flamengo Jan van Eyck, para explorar o contexto histórico, simbolismo E patrocínio atrás da fonte da tabela.

Fliegel disse que agora acredita, depois de anos de pesquisas, que a fonte não era para lavar as mãos antes ou depois das festas e que nem sequer estava instalada numa mesa de banquete.

A fonte provavelmente teria ocupado um ambiente arquitetônico dedicado e permanente, onde recebeu água alimentada pela gravidade através de encanamento de uma cisterna escondida.

Desodorizante medieval?

Fliegel também teorizou que a fonte uma vez circulou rosewater, possivelmente como um ambientador. Isso argumenta contra qualquer noção de que ele teria sido instalado em uma mesa de banquete.

"Você não iria querer água de rosas competindo com o aroma de alimentos", disse ele em uma entrevista recente no museu.

Como um promotor apresentando seu caso, Fliegel alinhou obras de arte para fazer seu argumento.

O show exibe reproduções em grande escala de famosas cenas de festa na arte medieval, incluindo uma ilustração do manuscrito do início do século XV das "Tres Riches Heures du Duc de Berry" dos Irmãos neerlandeses Limbourg, em que não há fonte de mesa.

Tais ausências - repetidas em cenas clássicas da festa medieval - indicam a forte probabilidade de que as fontes de mesa não acompanhem os banquetes, disse Fliegel na entrevista.

Quanto aos implementos de lavagem das mãos, Fliegel incluiu no show dois "lavers" alemães, essencialmente vasos em forma de torres de castelo com um ou mais espigões que foram realmente utilizados para lavar as mãos antes e depois de refeições elaboradas.

Fliegel cita provas visuais de obras de arte contemporâneas que retratavam tais vasos em quartos ou salas de estar, muitas vezes em um nicho de parede.

Limpeza na Idade Média

O show também inclui uma lavabo de bronze do século XV, ou lavatório montado na parede, do sul dos Países Baixos, que serviu um propósito semelhante.

"Como os dedos eram os utensílios primários usados ​​para comer, a prática de lavar as mãos não só antes, mas também depois do jantar era um ritual necessário", diz Fliegel no excelente catálogo do programa.

Quanto à canalização, Fliegel aponta para a sublime pintura de Van Eyck, que retrata a Virgem Maria eo Menino Jesus de pé num jardim celeste ao lado de uma fonte de latão que emite pequenos jatos de água.

O curador argumenta no catálogo que o realismo da pintura de Van Eyck indica sem dúvida que tais fontes existiram uma vez, e que eles teriam exigido encanamento oculto extensivo do tipo que originalmente serviu a fonte de mesa de Cleveland.

Fliegel argumenta que a fonte da mesa foi feita entre 1320 e 1340 com base em semelhanças em motivos decorativos encontrados nas "Horas de Jeanne d'Evreux", pelo artista francês Jean Pucelle, um volume de oração devocional emprestado dos claustros do Metropolitan Museum of Art .

E, quanto ao patrocínio por trás da fonte da mesa, Fliegel identifica vários possíveis suspeitos, incluindo o monarca Valois João o Bom, que reinou de 1350 a 1364; Seu pai, o rei Filipe VI, que reinou de 1328 a 1350; Ou o rei Carlos IV, que reinou de 1322 a 1328.

A prova, segundo Fliegel, é que os pequenos escudos - escudos com casacos de braços presos à fonte da mesa - são decorados com estrelas de oito pontas identificadas como o símbolo da Ordem da Estrela, um clube cavalheiresco fundado por João o Bom em emulação Ordem da Liga Inglesa, estabelecida em 1348.

A intuição de Fliegel, baseada na análise técnica, é que os escudos foram acrescentados à fonte depois que ela foi originalmente feita, indicando que ela pode ter sido apresentada à Ordem da Estrela como um presente por um de seus cavaleiros.

Se o show não estabelecer conclusivamente quem encomendou o objeto e por que, certamente estreita as possibilidades.

Ao longo do caminho, convida os espectadores a observar de perto os belos objetos medievais e renascentistas primitivos que estão saturados de simbolismo religioso e real.

Ao fazê-lo, a exposição personifica muito bem a missão da Galeria de Foco do museu, que é revelar camadas profundas de significado em algumas das mais importantes obras de arte na coleção permanente do museu.

Terceiro em uma série de livros

Igualmente importante, o show fornece um registro permanente para a pesquisa de Fliegel no catálogo que acompanha, co-autoria da historiadora de arte da Case Western Reserve University, Elina Gertsman.

O livro é o terceiro de uma série sobre obras-primas de Cleveland que começou em 2012 com Curador William H. Robinson da perceptiva análise de Pablo Picasso "La Vie".

Um takeaway da mostra de Fliegel é que faz um desejo para ver mais exposições como ele - acompanhado por uma prateleira cheia de catálogos do mergulho profundo nos trabalhos que fazem ao museu de Cleveland um do melhor de seu tipo no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário