Google+ Followers

domingo, 6 de novembro de 2016

An important gift will transform MoMA’s holdings of Latin American art. --- Um presente importante transformará as explorações do MoMA da arte latino-americana.

LATIN AMERICAN art has long been an important feature of the collection of the Museum of Modern Art in New York. Ever since 1931, when Alfred Barr, its then-director, followed an exhibition of Henri Matisse with a one-man show of the Mexican modernist, Diego Rivera, the museum has collected design, photography, film, architectural drawings, paintings and sculpture from region. In 2014 it put on the first American retrospective of Lygia Clark, a radical Brazilian who died in 1988. It brought together 300 works that were grouped around three themes: abstraction, Neo-Concretism and what the artist termed the “abandonment” of art. Now the museum can do even more, thanks to a donation from an important private collector.


The gift of 102 paintings and sculptures comes from Patricia Phelps de Cisneros, a long-time patron and trustee of MoMA, who has been buying art for more than half a century. Over the past 16 years she and her husband, Gustavo Cisneros, a Venezuelan-Dominican media mogul, have already donated 40 works to MoMA. This most recent gift will increase MoMA’s Latin American paintings and sculpture by as much as half again. It also includes plans for a Cisneros Institute to be opened in MoMA’s Midtown Manhattan campus, which will focus on curatorial research, hosting an annual international conference and producing publications on art from Latin America. “It’s the largest gift we’ve ever had,” says MoMA’s director, Glenn Lowry. “It’s the most important gift, and in terms of size it’s the biggest.”

The seed of the idea was sown in the first week of Mr Lowry’s directorship in 1995. But it was not until nine years ago that the two began discussing specifics. “We wanted to make sure that whatever we gave was the perfect fit,” Mrs Cisneros says. According to Mr Lowry, Mrs Cisneros offered the museum anything it wanted from her collection. “We had to be careful that we were not duplicating what we already had, that we were filling in weaknesses and that we were adding depth where we were already strong,” he says.

The curators focused on geometric abstraction, a movement that grew up in the 1940s and took its cue from Europeans like Piet Mondrian and artists of the Bauhaus group. Made of metal, paint on wood, plexiglass or woven paper, as well as more conventional materials to study the relationship between planes and angles, Latin American modernism evolved in four countries—Brazil, Venezuela, and the Río de la Plata region of Argentina and Uruguay—into an aesthetic all of its own. Artists such as Clark, Hélio Oiticica, Lygia Pape, Jesús Rafael Soto, Alejandro Otero and Tomás Maldonado have long been regarded as modernists, but it is only in the last decade or so that their work is being studied seriously alongside that of European and American modernists. “A whole chapter of international modernism is revealed in these works,” Mr Lowry says, “allowing a more complex understanding of modern art as an international, multifaceted movement.” 

The Cisneros gift includes work by 37 artists, of which 21 are entering MoMA’s collection for the first time. Some of them, such as Clark, Oiticica and Mr Maldonado, are well known. The gift will help the museum fill in that layer of people who were working at the same time, but who are less studied. “What is truly important,” Mrs Cisneros says, “is that it allows us now to tell the story of geometric abstraction as a whole. It brings the movement together.”

MoMA will organise a major exhibition of the Cisneros gift after its new extension is opened in 2019. It will also allow the museum to reassess its own modernist collection of artists such as Jackson Pollock, Francis Bacon and Willem de Kooning. “Our interest from the outset is about the ongoing dialogue between different artists who were grappling with similar sets of problems all over the world,” says Mr Lowry. “The gift will catalyse a rethinking of how we think about our own collection...now we can do a room devoted to Lygia Clark, Alejandro Otero or Willys de Castro. In fact, we can show de Castro’s ‘Modulated Composition, 1954’ alongside the Mondrian that inspired it. Because we own that Mondrian.”




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!





--br via tradutor do google

Um presente importante transformará as explorações do MoMA da arte latino-americana.

A arte LATINO-AMERICANA tem sido uma característica importante da coleção do Museu de Arte Moderna de Nova York. Desde 1931, quando Alfred Barr, seu então diretor, acompanhou uma exposição de Henri Matisse com um espetáculo de um homem do modernista mexicano, Diego Rivera, o museu coletou desenho, fotografia, filme, desenhos arquitetônicos, pinturas e escultura de região. Em 2014 apresentou a primeira retrospectiva norte-americana de Lygia Clark, um radical brasileiro que morreu em 1988. Reuniu 300 obras agrupadas em torno de três temas: abstração, neoconcretismo e o que o artista chamou de "abandono" da arte. Agora o museu pode fazer ainda mais, graças a uma doação de um importante colecionador privado.

O presente de 102 pinturas e esculturas vem de Patricia Phelps de Cisneros, patrono de longa data e mordomo do MoMA, que tem comprado a arte por mais de meio século. Nos últimos 16 anos, ela e seu marido, Gustavo Cisneros, um magnata venezuelano-dominicano, já doaram 40 obras ao MoMA. Este presente mais recente aumentará as pinturas e escultura latino-americanas do MoMA em até metade. Também inclui planos para um Instituto Cisneros a ser aberto no campus do MoMA Midtown Manhattan, que se concentrará em pesquisa de curadoria, sediar uma conferência internacional anual e produzir publicações sobre arte da América Latina. "É o maior presente que já tivemos", diz o diretor do MoMA, Glenn Lowry. "É o presente mais importante, e em termos de tamanho é o maior."

A semente da idéia foi semeada na primeira semana da diretoria do Sr. Lowry em 1995. Mas não foi até nove anos atrás que os dois começaram a discutir especificidades. "Nós queríamos ter certeza de que tudo o que nós oferecemos era o ajuste perfeito", diz Cisneros. De acordo com o Sr. Lowry, a Sra. Cisneros ofereceu ao museu qualquer coisa que quisesse de sua coleção. "Tivemos que ter cuidado para não duplicar o que já tínhamos, que estivéssemos preenchendo as fraquezas e que estávamos adicionando profundidade onde já estávamos fortes", diz ele.

Os curadores centraram-se na abstracção geométrica, um movimento que cresceu na década de 1940 e tomou a sua sugestão de europeus como Piet Mondrian e artistas do grupo Bauhaus. Feitos de metal, tinta sobre madeira, plexiglass ou papel tecidos, bem como materiais mais convencionais para estudar a relação entre planos e ângulos, o modernismo latino-americano evoluiu em quatro países - Brasil, Venezuela e região do Rio de la Plata na Argentina e Uruguai - em uma estética própria. Artistas como Clark, Hélio Oiticica, Lygia Pape, Jesús Rafael Soto, Alejandro Otero e Tomás Maldonado são considerados modernistas, mas é apenas na última década que o seu trabalho está a ser estudado seriamente ao lado dos europeus e americanos Modernistas. "Um capítulo inteiro do modernismo internacional é revelado nessas obras", diz Lowry, "permitindo uma compreensão mais complexa da arte moderna como um movimento internacional multifacetado".

O presente de Cisneros inclui trabalho de 37 artistas, dos quais 21 estão entrando pela primeira vez na coleção do MoMA. Alguns deles, como Clark, Oiticica e Maldonado, são bem conhecidos. O presente ajudará o museu preencher essa camada de pessoas que estavam trabalhando ao mesmo tempo, mas que são menos estudados. "O que é realmente importante", diz Cisneros, "é que nos permite agora contar a história da abstração geométrica como um todo. Traz o movimento junto. "

O MoMA vai organizar uma grande exposição do dom Cisneros após a sua nova extensão é inaugurado em 2019. Ele também permitirá que o museu reavaliar sua própria coleção modernista de artistas como Jackson Pollock, Francis Bacon e Willem de Kooning. "O nosso interesse desde o início é sobre o diálogo em curso entre os diferentes artistas que estavam lutando com semelhantes conjuntos de problemas em todo o mundo", diz Lowry. "O presente catalisará um repensar de como nós pensamos sobre nossa própria coleção ... agora nós podemos fazer um quarto devotado a Lygia Clark, Alejandro Otero ou Willys de Castro. De fato, podemos mostrar a "Composição Modulada" de Castro, 1954, ao lado do Mondrian que a inspirou. Porque nós possuímos aquele Mondrian. "


Nenhum comentário:

Postar um comentário