Google+ Followers

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

"La cultura no es una actividad del tiempo libre; es lo que nos hace libres todo el tiempo" . --- "Culture is not an activity of free time, it is what makes us free all the time." --- @edisonmariotti

Luisa Etxenike (San Sebastián, 1957) es escritora de novelas y relatos, pero también reflexiona sobre el lenguaje, la realidad política o el porvenir con certera clarividencia como muestran sus frecuentes artículos en prensa. El próximo 18 de junio presentará un nuevo libro en San Sebastián, El arte de la pesca, reescritura de la última parte de su novela Los peces negros, una especie de 'collage' de cortos en relación con ese texto, que llevará una ilustración sonora a cargo del compositor Borja de Miguel.


Directora del festival literario Un mundo de escritoras, miembro del Consejo de Redacción de la revista de cultura y pensamiento Grand Place, el pasado sábado 18 de abril intervino en el evento TEDx Almendra Medieval, en Vitoria, para hablar sobre ecología lingüística: "Como las selvas amazónicas, las palabras también se expolian, se violan, se maltratan y hay que cuidarlas", comentó. 

¿De dónde surge tu argumentación sobre la necesidad de una ecología lingüística ante el empobrecimiento del lenguaje?

Yo le llamo ecología lingüística, pero podríamos hablar también de ecología del pensamiento, de ecología cultural. La reflexión viene de la constatación de la desertización que avanza en determinados campos que considero fundamentales, que son el de la cultura, el pensamiento, el arte, la creación intelectual. Y que tiene que ver también con un empobrecimiento del lenguaje. La relación con el lenguaje es la relación estelar de nuestras vidas y el perder ese matiz, esa ambición, se convierte en una catástrofe personal y social. Las Humanidades están siendo desterradas del sistema educativo y eso tiene consecuencias. Vemos cómo se ha despertado la conciencia ecológica y la ciudadanía comprende la pérdida colosal que supone la devastación del Amazonas, del mismo modo, hay bienes culturales, patrimonio, libros, capacidad de lectura de referencias que se están perdiendo, que se están devastando por el poco aliento que desde instancias institucionales se da a la preservación de ese patrimonio.

¿Podemos decir que esto es premeditado?

No quiero que mi pensamiento se articule en forma de la polémica o la provocación. Decir que esto es "premeditado" es un titular fácil. Sinceramente, creo que lo tenemos que abordar con serenidad. Es verdad que hay una identificación excesiva de la cultura con el entretenimiento, pero la cultura no es una actividad del tiempo libre sino lo que nos hace libres todo el tiempo. Hay una poderosísima industria del entretenimiento y eso nos hace perder de vista el sentido emancipador, el sentido de crecimiento personal y social que la cultura, y lo fundamental que es en este sentido la capacidad del lenguaje. No es lo mismo poseer 1.000 palabras que 40.000, en ningún orden de la vida. No en la vida del conocimiento íntimo, pero tampoco en la comunicación social y política, por eso creo que hay democracias de 1.000 palabras y democracias de 40.000. La cultura está mucho más cerca de la creación artística que del entretenimiento.

Junto al empobrecimiento del lenguaje, vivimos también la perversión de los significados, la invasión de la neolengua.

Es que al mismo tiempo que hablamos de la falta de siembra en el lenguaje, hay que citar la manipulación del mismo, acompañado por un conformismo con la ausencia de matiz, con la brocha gorda, con la perversión de los conceptos. Lo que llamo las apropiaciones indebidas del lenguaje, que es llamar a las cosas por nombres que no les corresponde. Todo forma parte del mismo conjunto que nos hace vulnerables a cualquier tipo de manipulación. Es fundamental tener del otro lado un receptor que sepa distinguir lo que le cuentan. Y no solo es responsabilidad de la escuela, también los medios de comunicación que no informan con el rigor que corresponde, o los discursos públicos que no preconizan el el matiz, el hilar fino en la expresión.

Eres escritora vasca en castellano, vives junto a la frontera con Francia, cuyo gobierno te ha reconocido como Caballero de la Orden de las Artes y las Letras, y tu obra se traduce a esta lengua... ¿Cómo vives el día a día de esta cultura trilingüe?

Cuando hablaba de ecología lingüística, hablaba de ecologismo de las lenguas, sin duda: lo que amenaza a una lengua, amenaza al resto. Creo que es una situación que se vive en todas partes, aunque bien es verdad que hay sistemas educativos que lo ven más claro y tratan de combatirlo. Cuando alguien cruza la frontera o se coloca frente a la ciudadanía francesa en el ámbito que sea, se queda maravillado ante lo bien que hablan. Está claro que el sistema educativo y el debate público franceses están más preocupados por la calidad de la lengua que el que tenemos a este lado de la frontera.










Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!









--in via tradutor do google
"Culture is not an activity of free time, it is what makes us free all the time."

Luisa Etxenike (San Sebastián, 1957) is a writer of novels and short stories, but also reflects on language, political reality or the future with certain clairvoyance as her frequent articles in the press show. Next June 18 will present a new book in San Sebastián, El arte de la pesca, rewriting the last part of his novel Los Peces negros, a sort of 'collage' of short films in relation to that text, which will carry a sound illustration In charge of the composer Borja de Miguel.

Director of the literary festival A world of writers, member of the Editorial Board of the magazine of culture and thought Grand Place, last Saturday, April 18, participated in the TEDx Medieval Almond event in Vitoria to talk about linguistic ecology: "Like the Amazon jungles, words are also expelled, violated, mistreated and must be taken care of, "he said.

Where does your argument arise about the need for a linguistic ecology in the face of the impoverishment of language?

I call it linguistic ecology, but we could also talk about ecology of thought, about cultural ecology. The reflection comes from the realization of the desertification that advances in certain fields that I consider fundamental, that is the one of the culture, the thought, the art, the intellectual creation. And that has to do with an impoverishment of language. The relationship with language is the stellar relationship of our lives and losing that hue, that ambition, becomes a personal and social catastrophe. The Humanities are being banished from the educational system and that has consequences. We see how the ecological conscience has awakened and the citizenship includes the colossal loss of the devastation of the Amazon. Likewise, there are cultural assets, heritage, books, readability of references that are being lost, which are being devastated by the Little encouragement that from institutional instances is given to the preservation of that heritage.

Can we say that this is premeditated?

I do not want my thinking to be articulated in the form of controversy or provocation. To say that this is "premeditated" is an easy holder. Honestly, I think we have to address it with serenity. It is true that there is an excessive identification of culture with entertainment, but culture is not an activity of free time but what makes us free all the time. There is a very powerful entertainment industry and that makes us lose sight of the emancipatory sense, the sense of personal and social growth that culture, and the fundamental thing that is in this sense the capacity of language. It is not the same to have 1,000 words that 40,000, in no order of life. Not in the life of intimate knowledge, but also in social and political communication, so I think there are 1000 word democracies and 40,000 democracies. Culture is much closer to artistic creation than to entertainment.

Along with the impoverishment of language, we also live the perversion of meanings, the invasion of the Neolengua.

It is that at the same time that we speak of the lack of sowing in the language, it is necessary to mention the manipulation of the same, accompanied by a conformism with the absence of hue, with the thick brush, with the perversion of the concepts. What I call the improper appropriations of language, which is to call things by names that do not belong to them. Everything is part of the same set that makes us vulnerable to any kind of manipulation. It is essential to have a receiver on the other side who can distinguish what is being told. And it is not only the responsibility of the school, also the media that do not report with the correct rigor, or public speeches that do not advocate the nuance, the fine spin on expression.

You are a Basque writer in Castilian, you live along the border with France, whose government has recognized you as Knight of the Order of Arts and Letters, and your work is translated into this language ... How do you live the day to day This trilingual culture?

When he spoke of linguistic ecology, he spoke of the ecology of languages, no doubt: what threatens one language threatens the rest. I think it is a situation that is lived everywhere, although it is true that there are educational systems that see it more clearly and try to fight it. When someone crosses the border or places themselves in front of the French citizenship in whatever field, they are amazed at how well they speak. It is clear that the French educational system and public debate are more concerned with the quality of the language than we have on this side of the border.

And what about the coexistence between Euskera and Castilian?

I do not care what language a person writes in, but what he says. Therefore, those who write in Basque and Spanish already have many years of coexistence, we have a fluid and natural relationship between us and we do not confuse the language of expression with the convictions of each one or with the respective creative projects. Another thing is institutional support, where there is still work to be done. We continue to have institutions focused on supporting creation in Euskera more or in a different way than that done in Castilian. And I do believe that affirmative discrimination should be revised to Basque. For example, until very recent years, until the lehendakari government Patxi López arrived, the Spanish edition received no support. It was many years of discrimination. Patxi López solved it, but in my opinion still lack in the Basque institutions a more determined conviction to consider that the support to the creation does not have to have that linguistic variable that leaves in second place the literary creation in Castilian. And I mean, for example, the Etxepare Institute, a window to the outside of Basque culture, which in its work in Spanish literature needs to be reviewed and, above all, reinforced.

On more than one occasion, you have reflected on the relationship of Euskadi with Spain, how do you understand that relationship, or that of Catalonia, at this time perhaps more tense than the Basque?

I will simply say it: I suppose there will be people living with conflict the fact of being Spanish or Basque. But there are many people, including myself, who do not live with any conflict being Basque and Spanish. Moreover, living without conflict also prepares them to be other things: Europeans. We are not in that polarity, but in that triangulation that is stimulating, necessary, fundamental. Also, let's cross the border, as I do constantly. And I find myself around me with a majority of people living without conflict being Basques and French. And on this side, the same thing happens: many people who live with joy, with naturalness, without conflict. That living in this way needs political protection, which is in public discourse. Sometimes the upheaval comes from the debate by those who live in that conflict. In any case, I believe that in the area of ​​identities, my fundamental position is that identity is not something we receive as a series, such as the equipment of cars. Identity is something unique. I advocate, rather than being Basque, Spanish ... for being myself, with the mestizajes that life is proposing me. He would speak of the intimate originality of identity. In that sense, I can participate in a common, dynamic identity, which is that of political convictions.

Does the emergence of new political forces place us before a new era in which these political identities of which you speak have a momentum?

The economic crisis has uncovered a reality that was covered by an illusion of wealth that did not affect the whole world. The crisis forces us to rethink a lot of things, like a certain political inertia that made us understand as if things worked because yes. It is necessary to rethink the convictions of the left, of democracy and the appearance of new forces forces to rethink that inertia in a dynamic. And everything that implies a dynamic is good. That said, I do not think we need providential leaders or parties, but we need to regenerate the relationship between citizenship and politics, from the conviction that politics must be free from suspicion. The quality of the policy comes from the monitoring done by the citizen of the same in real time. There has been an inertia of abandonment of that capacity which is at the same time a responsibility of the citizens. I think this is a stimulating moment.

Can there be a parallelism with the moments after Franco's death?

I was very young then. Now the newspaper libraries talk about political leaders, but I remember the street, the importance we gave to vote. There was an understanding that democracy was not done from the top down, but from citizenship to the political class. It requires a lucid, responsible citizenship, who knows that the quality of democracy is in their hands. I think we have to recover that, but to recover that we have to recover the first thing, which started the conversation: a lucid citizenship is a citizenship formed, able to spin fine and above all to read fine speeches.





































--br via google

"A cultura não é uma atividade de lazer, é o que nos torna livre o tempo todo."




Luisa Etxenike (San Sebastián, 1957) é um escritor de romances e contos, mas também reflete sobre a língua, a realidade política ou o futuro com clarividência exata como mostrado por seus artigos frequentes na imprensa. O próximo 18 de junho vai apresentar um novo livro em San Sebastian, a arte de pesca, reescrevendo a última parte de seu romance O peixe preto, uma espécie de "colagem" curto em relação ao texto, que será uma ilustração de som pelo compositor Miguel Borja.




Diretor do festival literário Um mundo de escritores, um membro do Conselho Editorial da revista de cultura e pensamento Grand Place, no sábado 18 de abril falou durante o evento TEDx Medieval Almendra em Vitória para discutir a ecologia lingüística: "Como o selvas amazônicas, as palavras também saquear, violou, maltratado e você tem que tomar cuidado ", disse ele.









Onde o seu argumento sobre a necessidade de ecologia linguística surge do empobrecimento da linguagem?




Eu chamo a ecologia lingüística, mas também poderia falar ecologia do pensamento, ecologia cultural. A reflexão vem da percepção de que o avanço da desertificação em determinadas áreas que considero fundamental, que é o da cultura, o pensamento, a arte, a criação intelectual. E isso também tem a ver com um empobrecimento da linguagem. A relação com a linguagem é a relação estelar de nossas vidas e perder essa nuance, que a ambição, torna-se uma catástrofe pessoal e social. As Humanidades estão sendo banidos do sistema de ensino e que tem consequências. Vemos como ele elevou a consciência ambiental e cidadania inclui a perda colossal que envolve a devastação da Amazônia, assim como existem bens culturais, património, livros, leitura capacidade de referências que estão faltando, que assolam o pouco incentivo dos órgãos institucionais dadas para a preservação deste património.




podemos dizer que este é premeditado?




Eu não quero que o meu pensamento está articulada na forma de controvérsia ou provocação. Para dizer que este é "premeditada" é um título fácil. Eu realmente acredito que temos de lidar com serenidade. É verdade que há uma identificação excessiva com a cultura de entretenimento, mas a cultura não é uma atividade de lazer, mas o que nos torna livres o tempo todo. Há uma indústria de entretenimento poderoso e que nos faz perder de vista o sentido emancipatório, o sentido de crescimento pessoal e social que a cultura, e como é crucial neste domínio da língua sentido. Não é o mesmo tem 1.000 40.000 palavras em qualquer ordem da vida. Não na vida de um conhecimento íntimo, mas também na comunicação social e política, então eu acho que existem democracias e democracias 1.000 40.000 palavras. A cultura é muito mais perto da criação artística de entretenimento.




Próximo ao empobrecimento da linguagem, também vivemos a perversão do sentido, a invasão da Novilíngua.




É que, enquanto estamos a falar da falta de plantio na linguagem, devemos mencionar a manipulação dessa avaliação, acompanhadas por um conformismo com a ausência de nuance, com o pincel largo, com a perversão dos conceitos. O que eu chamo desvios de linguagem, que é chamar as coisas pelos nomes que não pertencem. Tudo faz parte do mesmo conjunto que nos torna vulneráveis ​​a qualquer tipo de manipulação. É essencial para o outro lado um receptor que pode distinguir o que eles dizem. E não é apenas da responsabilidade da escola, também os meios de comunicação não informam o rigor correspondente ou discursos públicos que não defendo o tom, expressão fiação bem.




Você é um escritor basco em castelhano, você vive perto da fronteira com a França, cujo governo tem reconhecido como um cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras, e seu trabalho é traduzido para este idioma ... Como você vive dia a dia esta cultura trilingue?




Quando ele falou da ecologia linguística, ambientalismo falavam línguas, não há dúvida: o que ameaça uma linguagem, ameaça o resto. Eu acho que é uma situação que existe em todos os lugares, embora seja verdade que existem sistemas educacionais que são mais claras e tentam combatê-la. Quando alguém atravessa a fronteira ou contra cidadãos franceses na área ele é colocado, é surpreender com o quão bom eles falam. É claro que o sistema de educação e debate público francês estão mais preocupados com a qualidade da língua que nós temos neste lado da fronteira.




E sobre a coexistência entre o basco e castelhano?




Não me importa que idioma uma pessoa escreve, mas o que ele diz. Portanto, aqueles que escrevem em basco e castelhano e passou muitos anos juntos, temos entre nós uma relação suave e natural e não confundir a linguagem de expressão com as convicções de cada um dos outros ou com os respectivos projetos criativos. Outra coisa é o apoio institucional, onde ainda há trabalho a fazer. Ainda temos instituições para apoiar os afundanços criação em Basque mais ou diferente do que é feito em castelhano. E eu acredito que a discriminação positiva deve rever a língua basca. Por exemplo, até muito últimos anos, até que chegou ao governo do lehendakari Patxi Lopez, edição castelhana não recebeu nenhum apoio. Havia muitos anos de discriminação. Patxi Lopez resolvido, mas na minha opinião ainda está faltando nas instituições bascas condenação mais firme a considerar apoiar a criação não tem que ter essa variável linguística que deixa em segundo plano na criação literária castelhano. E eu quero dizer, por exemplo, o Instituto Etxepare, uma janela fora da cultura basca no seu trabalho na literatura em castelhano precisa ser revisto e, especialmente, reforçou.




Em mais de uma ocasião, você refletiu sobre a relação com a Espanha Euskadi, como você entende esse relacionamento, ou Catalunha, no momento talvez mais contorcida que Basque?




Vou simplesmente dizer: Eu suponho que há pessoas que vivem com o conflito ser um espanhol ou Basque. Mas há muitas pessoas, incluindo eu próprio incluído, que não vivem com qualquer conflito basco e ser espanhol. Além disso, que a vida sem conflito também se preparar para outras coisas Europeia. Nós não estamos no essa polaridade, mas neste triangulação que está a estimular, necessário, essencial. Além disso, atravessar a fronteira, como eu sempre faço. E eu encontrar a minha volta com uma maioria de pessoas que vivem sem conflito ser basca e francesa. E deste lado, a mesma coisa acontece: muitas pessoas que vivem com alegria, naturalmente, sem conflito. Viver assim precisa de uma defesa política, que está no discurso público. Às vezes, a tensão vem do que monopolizar o debate que vivem nesse conflito. Em todo o caso, penso que, no domínio das identidades, a minha posição fundamental é que a identidade não é algo que recebemos como equipamento de série como carros. Identidade é algo singular. Eu defendo, antes de ser basco, espanhol ..., sendo eu mesmo, com o cruzamento que a vida está me propondo. Discussão de originalidade íntima de identidade. Nesse sentido, sim, eu posso participar de um comum, dinâmico, a identidade é a de convicções políticas.




O surgimento de novas forças políticas, apresenta-nos uma nova era na qual estas identidades políticas de que você fala tem pulso?




A crise económica revelou uma realidade que foi coberta por uma ilusão de riqueza que não afetou a todos. As forças de crise nos a repensar muitas coisas, como uma certa inércia política que nos fez entender como se as coisas funcionam porque. Devemos repensar as crenças da esquerda, a democracia ea emergência de novas forças repensar que as forças de inércia em uma dinâmica. E tudo o que é um processo dinâmico é bom. Dito isto, eu não acho que precisamos de líderes providenciais ou partidos, mas precisamos de regenerar a relação entre os cidadãos ea política, a partir da convicção de que a política deve estar livre de qualquer suspeita. A qualidade da política de controlo é feito por o cidadão do mesmo em tempo real. Houve uma inércia de abandono de que a capacidade é uma responsabilidade da cidadania. Eu acho que este é um momento desafiador.




Pode haver um paralelo com as consequências da morte de Franco?




Eu era muito jovem então. Hemerotecas agora falam de líderes políticos, mas lembro-me na rua, a importância que dava para votar. Houve um entendimento de que a democracia não foi feito de cima para baixo, mas a partir da cidadania classe política. , Uma cidadania responsável lúcido, que sabe que a qualidade da democracia estão em suas mãos é necessária. Acho que temos de recuperá-lo, mas para recuperar que deve ser recuperado em primeiro lugar, que começou a conversa: uma cidadania lúcida é formado, capaz de nit e discursos, especialmente finos ler cidadania.

Nenhum comentário:

Postar um comentário