Google+ Followers

sábado, 21 de janeiro de 2017

THE ORTHODOX AND GREEK CATHOLIC CHURCH ART 12TH - 20TH C. --- A IGREJA CATÓLICA ORTODOXA E GREEK ARTE - século: 12 - 20.

One of the most beautiful collection of art of the Orthodox and Greek Catholic church in Poland gathers over 1200 exhibits. The earliest examples of the Orthodox and Greek Catholic church art, icons and liturgical objects (utensils, wooden and polychromed handed crosses, engolpions, banners, robes, antique books) coming from existing or non-existing churches of south-eastern Poland and contemporary Ukraine, can be seen in chambers of the renaissance castle.



Subcarpathia is a unique region both for its scenic and historical value. When in 1340 AD Orthodox Red Ruthenia, also called Subcarpathia, was incorporated into the territory of The Polish Kingdom by Casimir the Great (Kazimierz Wielki), the area of Subcarpathia became a place of coexistence of two Christian rites – Eastern and Western. A tangible evidence of those remote times is the collection of the Orthodox and Greek Catholic art in the Historical Museum in Sanok comprising 700 icons as well as Orthodox and Greek Catholic church crucifixes, banners, robes, books and liturgical paraments.

Almost from its very beginnings the Church preached its doctrine both through the word and the image. Hence, in spite of the Old Testament ban on worshipping images, imagery has always been a potent and important force within Christianity. The icon (from the Greek ‘eikon’ – a picture, image) created ages ago – within a single, undivided Church yet – constitutes the main and integral element of Eastern spirituality today. That special status of sacred images being an intermediary between the earthly and heavenly worlds, which the Orthodox and Greek Catholic Church attributes to icons, is comparable to the way saintly relics are viewed in the Roman Catholic church. The difference consists in the fact that in the East icons are seen as having the possibility of attaining divine power whereas in the Western church relics are exclusively seen as providing divine protection. 


The painting in the Catholic Church has never achieved such a great sacral, dogmatic and liturgical significance as in the Eastern Churches but only devotional, aesthetic, illustrative and didactic. In the spirituality of the Eastern Churches the icon is an element which enables contemplation and approach to the Sacred. Therefore it will always remain a religious rather than artistic work. As a mystical image and the transmitter of grace the icon is the miraculous presence of that which is depicted on it.


-
The icon enraptures with the depth of its message contained in the abbreviated form of symbols. Yet, in order to understand its content one must get to know the signs which are used by it. In 787 AD the second Nicene Council defined an iconographic canon and the obligation of complying with the unchanging archetype (the proto-image). 

For those reasons any departures and artist’s creative freedom, forced ‘to follow the path of asceticism and fast of the senses’, is not possible. A creator of an icon must renounce all personal creativeness in the domain of form, which is the means of conveying the idea, in order to focus on the most significant matter which is the recapturing of an original. 


Hence, a maximal reduction of the compositional elements is sprung, as ‘in an icon a single tree is enough to depict the entire forest, a single man to depict the entirety of mankind’. A painter uses prepared iconographical schemes, contained in the special painting books called podlinniki (Greek ‘hermeneia’), in order to faithfully depicts an archetype. An ‘ikonopisiec’, a man who writes (paints) an icon, is the painter in material sense only. He is a person who ‘lends his hands to the Lord so that He might be revealed’. Therefore the majority of icons are unsigned. The icon shows heavenly and spiritual beauty rather than the earthly and material. 


Therefore one does not find naturalism in icons (it is not supposed to show ‘natural things’ but ‘the nature of things’). The presented world is intentionally made free of earthly reality. There is a lack of three-dimensionality and direct historical references (the icon cannot be perceived as an illustration of a certain event). The use of abbreviation and the symbol, as well as deformation of landscape and elements of architecture, is a characteristic feature of the icon. It is an outcome of applying the ‘inverted perspective’ (divergent), rather than the Western norm of using a convergent perspective. 

Gold is ubiquitous in icons and is treated as a reflection of divine energy. The use of gold as an outline for robes of the saints and the chrysography (gold patterning) of the robes themselves indicates the fact that the saints ‘dwell in Heaven’. The palette of colours is modest and each colour has a symbolic meaning. There is neither play of light and shadow (chiaroscuro) nor the source of light, since the light is a subject of an icon. Deformation of a painted person (no gestures and traces of human body underneath the robes, big motionless eyes) is to show its spiritual and holy nature. 

Figures are depicted hieratically and are frontally arranged towards a believer, enabling them to establish direct contact. The saints levitate in icons. They hang between Heaven and Earth and mediate between God and man. The smallest detail cannot be neglected in the course of making an icon. Absolute faithfulness to the tradition and care given to the method of making the icon guarantee its transcendental element. The oldest icons are the most canonical and crude in their form. In more recent icons there is an increase in divergence from principles adopted ages ago, resulted in mounting creative freedom.




Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 


but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
A IGREJA CATÓLICA ORTODOXA E GREEK ARTE 12TH - 20TH C.

Uma das mais belas coleções de arte da Igreja Católica Ortodoxa e Grega na Polônia reúne mais de 1200 exposições. Os primeiros exemplos da arte da igreja católica ortodoxa e grega, ícones e objetos litúrgicos (utensílios, cruzes entregues em madeira e policromada, engolpions, estandartes, roupões, livros antigos) provenientes de igrejas existentes ou inexistentes do sudeste da Polônia e da Ucrânia contemporânea , Pode ser visto em câmaras do castelo renascentista.


Subcarpathia é uma região única tanto para o seu valor cénico e histórico. Quando em 1340 AD Ruthenia Vermelho Ortodoxo, também chamado Subcarpathia, foi incorporado no território do Reino Polonês por Casimir o Grande (Kazimierz Wielki), a área de Subcarpathia tornou-se um lugar de coexistência de dois ritos cristãos - Oriental e Ocidental. Uma evidência tangível daqueles tempos remotos é a coleção da arte católica ortodoxa e grega no Museu Histórico de Sanok, que compreende 700 ícones, bem como crucifixos de igrejas ortodoxas e católicas gregas, faixas, roupões, livros e parágrafos litúrgicos.

Quase desde os seus primórdios, a Igreja pregou sua doutrina tanto pela palavra como pela imagem. Portanto, apesar da proibição do Antigo Testamento de adorar imagens, as imagens sempre foram uma força poderosa e importante dentro do cristianismo. O ícone (do grego 'eikon' - uma imagem, imagem) criado há séculos - dentro de uma única e indivisível Igreja ainda - constitui o elemento principal e integral da espiritualidade oriental hoje em dia. 

Esse status especial das imagens sagradas como intermediário entre os mundos terrestres e celestiais, que a Igreja Católica Ortodoxa e Grega atribui aos ícones, é comparável à maneira como as relíquias são vistas na Igreja Católica Romana. A diferença consiste no fato de que no Oriente os ícones são vistos como tendo a possibilidade de alcançar o poder divino, enquanto que na igreja ocidental as relíquias são vistas exclusivamente como fornecendo proteção divina. 

A pintura na Igreja Católica nunca alcançou um significado sacro, dogmático e litúrgico tão grande como nas Igrejas Orientais, mas apenas devocional, estético, ilustrativo e didático. Na espiritualidade das Igrejas Orientais, o ícone é um elemento que permite a contemplação ea aproximação ao Sagrado. Portanto, ela permanecerá sempre uma obra religiosa e não artística. Como imagem mística e transmissora da graça, o ícone é a presença milagrosa daquilo que está representado nele.

-
O ícone enraptures com a profundidade de sua mensagem contida na forma abreviada de símbolos. No entanto, para entender seu conteúdo é preciso conhecer os sinais que são usados ​​por ele. Em 787 dC, o segundo Concílio de Nicéia definiu um cânon iconográfico e a obrigação de cumprir o arquétipo imutável (a proto-imagem). 

Por essas razões, nenhuma saída e liberdade criativa do artista, forçada a "seguir o caminho do ascetismo e do jejum dos sentidos", não é possível. Um criador de um ícone deve renunciar a toda criatividade pessoal no domínio da forma, que é o meio de transmitir a idéia, a fim de se concentrar no assunto mais significativo que é a recaptura de um original. 

Daí, uma redução máxima dos elementos composicionais é surgida, como 'em um ícone uma única árvore é suficiente para descrever a floresta inteira, um único homem para retratar a totalidade da humanidade'. Um pintor usa esquemas iconográficos preparados, contidos nos livros de pintura especiais chamados podlinniki (grego 'hermeneia'), a fim de descrever fielmente um arquétipo. Um 'ikonopisiec', um homem que escreve (pinta) um ícone, é o pintor no sentido material somente. Ele é uma pessoa que "empresta suas mãos ao Senhor para que Ele possa ser revelado". Portanto, a maioria dos ícones são unsigned. 

O ícone mostra a beleza celestial e espiritual ao invés do terreno e material. Portanto, não se encontra o naturalismo em ícones (não é suposto mostrar "coisas naturais", mas "a natureza das coisas"). O mundo apresentado é intencionalmente libertado da realidade terrena. Há uma falta de tridimensionalidade e referências históricas diretas (o ícone não pode ser percebido como uma ilustração de um determinado evento). O uso da abreviação e do símbolo, bem como a deformação da paisagem e elementos da arquitetura, é uma característica do ícone. 

É um resultado da aplicação da "perspectiva invertida" (divergente), ao invés da norma ocidental de usar uma perspectiva convergente. O ouro é onipresente nos ícones e é tratado como um reflexo da energia divina. O uso do ouro como um esboço para as vestes dos santos e a crisografia (padrão de ouro) das vestes em si indica o fato de que os santos "habitar no Céu". 

A paleta de cores é modesta e cada cor tem um significado simbólico. Não há jogo de luz e sombra (claroscuro) nem a fonte de luz, já que a luz é objeto de um ícone. A deformação de uma pessoa pintada (sem gestos e vestígios de corpo humano debaixo das vestes, grandes olhos imóveis) é mostrar a sua natureza espiritual e santa. Figuras são representadas hierarquicamente e são frontalmente dispostas em direção a um crente, permitindo-lhes estabelecer contato direto. Os santos levitam em ícones. Pendem entre o Céu e a Terra e mediam entre Deus eo homem. O menor detalhe não pode ser negligenciado no curso de fazer um ícone. 

A fidelidade absoluta à tradição e o cuidado dado ao método de fazer o ícone garantem seu elemento transcendental. Os ícones mais antigos são os mais canônicos e grosseiros em sua forma. Em ícones mais recentes há um aumento na divergência de princípios adotados há séculos, resultou em uma liberdade criativa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário