Google+ Followers

terça-feira, 14 de março de 2017

Kunstmuseum Bonn opens "New Originals" by Swedish artist duo Lundahl & Seitl. --- Kunstmuseum Bonn abre "New Originals" pelo duo sueco Lundahl & Seitl.

BONN.- From March 2017, visitors to Kunstmuseum Bonn can expect to enjoy an unusual experience in which they are separated from the tangible world by wearing headphones and sightless goggles. In the first stage the visitors are led through the exhibition spaces by text messages sent to their provided cell phones from an unknown sender called “the Collector”. Thus, they get to know the exhibited works ranging from paintings by Max Ernst – a pioneer of painted virtual worlds – to a contemporary series of maps by Stephan Huber in an entirely new way. 

Installation view. Photo: David Ertl.


The exhibition New Originals by Swedish artist duo Lundahl & Seitl is a complex installation with an interactive multi-sensory audio walk at its core. In their work, the two artists Christer Lundahl (*1978) and Martina Seitl (*1979) discuss fundamental questions of cognitive science: How are images produced in our brain and how do we remember them? How “real” are our constructed memories and how easily can perception be controlled and manipulated? 

After finding the entrance to a hidden corridor in the exhibition, the visitors enter stage two, which does not involve any physical objects. Guided by the voice of “the Collector” as well as external stimuli in the form of synchronized light and three-dimensional sound, the visitors are encouraged to recollect previously viewed artworks and recreate them inside their minds. In this virtual space of possibilities, we have to make use of all our senses and our sensitivity, and, most of all, learn not to only trust our eyes. The artists invite us to reflect on the origin of artworks and the development of memories in broader terms: What role does our established notion of the ”original” and the “copy” play when an artwork unfolds directly in the visitors’ consciousness? 

With New Originals , Kunstmuseum Bonn is taking a new approach in its current exhibition practice. The exhibition does not only put to question the term of the "original" by creating an exciting and at times paradoxical dialog between selected works from the museum's collection and edited copies of them, but also by interpreting anew the medium of the exhibition and the visitors’ role in it beyond defined museum standards. 

The exhibition is accompanied by a richly illustrated catalogue with essays by Ronald Jones, Sally Müller and Johan Pousette. 

The novella The Jellyfish Trap , written by Alex Backstrom for the exhibition New Originals , is available online or in printed form at the museum’s reception desk. The museum recommends reading the novella before visiting the exhibition.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



















--br via tradutor do google
Kunstmuseum Bonn abre "New Originals" pelo duo sueco Lundahl & Seitl.

BONN.- A partir de março de 2017, os visitantes do Kunstmuseum Bonn podem esperar desfrutar de uma experiência incomum em que estão separados do mundo tangível usando fones de ouvido e óculos sem visão. Na primeira etapa os visitantes são conduzidos através dos espaços de exposição por mensagens de texto enviadas para os telefones celulares fornecidos de um remetente desconhecido chamado "o coletor". Assim, eles conhecem as obras expostas que vão desde pinturas de Max Ernst - um pioneiro de mundos virtuais pintados - a uma série contemporânea de mapas de Stephan Huber de uma maneira inteiramente nova.

A exposição New Originals, da dupla sueca de artistas Lundahl & Seitl, é uma instalação complexa com uma caminhada interativa de áudio multi-sensorial em seu núcleo. Em seu trabalho, os dois artistas Christer Lundahl (* 1978) e Martina Seitl (* 1979) discutem questões fundamentais da ciência cognitiva: Como as imagens são produzidas em nosso cérebro e como as recordamos? Como "reais" são nossas memórias construídas e quão facilmente a percepção pode ser controlada e manipulada?

Depois de encontrar a entrada para um corredor escondido na exposição, os visitantes entram na fase dois, que não envolve quaisquer objetos físicos. Guiados pela voz de "The Collector", bem como estímulos externos na forma de luz sincronizada e som tridimensional, os visitantes são encorajados a lembrar obras de arte previamente vistas e recriá-los dentro de suas mentes. Neste espaço virtual de possibilidades, temos que fazer uso de todos os nossos sentidos e nossa sensibilidade, e, acima de tudo, aprender a não apenas confiar em nossos olhos. Os artistas convidam-nos a reflectir sobre a origem das obras de arte eo desenvolvimento das memórias em termos mais amplos: Que papel desempenha a nossa noção estabelecida de "original" e de "cópia" quando uma obra se desenvolve directamente na consciência dos visitantes?

Com os Novos Originais, o Kunstmuseum Bonn está tomando uma nova abordagem em sua prática de exibição atual. A exposição não só questiona o termo do "original", criando um diálogo emocionante e por vezes paradoxal entre obras seleccionadas da colecção do museu e cópias editadas, mas também interpretando de novo o meio da exposição e os visitantes "Papel nela além de padrões de museu definidos.

A exposição é acompanhada por um rico catálogo ilustrado com ensaios de Ronald Jones, Sally Müller e Johan Pousette.

A novela The Jellyfish Trap, escrita por Alex Backstrom para a exposição New Originals, está disponível on-line ou na forma impressa na recepção do museu. O museu recomenda a leitura da novela antes de visitar a exposição.


Nenhum comentário:

Postar um comentário