Google+ Followers

sexta-feira, 24 de março de 2017

"There is a strong propensity to consider everything as cultural heritage." --- ‘Há uma forte propensão a se considerar tudo como patrimônio cultural’.

Françoise Benhamou, a French author of 'Cultural Heritage Economy', with the growing costs involved in preservation, needs to be more selective.



Françoise Benhamou, author of Economics of Cultural Heritage. (Photo: Press Release)


Cultural heritage is one of the great reasons why, every year, millions of tourists from all over the world visit European countries such as France, Italy and Spain, or archeological sites like Machu Pichu in Peru. It is also what defines part of the identity of a people and makes historical monuments, such as those destroyed in Palmira, Syria, and in Mosul, Iraq, targets terrorist groups like the Islamic State.

The growing number of museums, architectural monuments and other sites of cultural and historical interest, however, has imposed new challenges on contemporary societies. Faced with a limited amount of resources, what and how to preserve? To what extent is it possible to commercially exploit a cultural property without compromising its integrity? Who should support preservation efforts? How to make cultural heritage more attractive?

These are some of the issues explored by Françoise Benhamou, author of the book "Economics of Cultural Patrimony", which is being published by Edições SESC de São Paulo. She is an associate professor of social and economic sciences at the National Heritage Institute, at the National Audiovisual Institute and at the Institute of Political Studies in Paris, and a member of the management and scientific councils of the Louvre Museum. Discusses recent polemics involving the cultural heritage in São Paulo, such as graffiti erased by the city hall on Avenida 23 de Maio.

Is it important to protect cultural heritage? Because?

Heritage is a matter of identity, culture. Respect for heritage is a signal to citizens. Architectural beauty improves people's quality of life. What's more, cultural heritage contributes to a country's economic growth: it attracts tourists. When you look at destruction in Syria and elsewhere, you realize that tangible heritage has an intangible dimension. By destroying heritage, monuments and archival collections in Syria, Iraq and elsewhere, Islamists try to destroy collective memory and a sense of community.

It is common to associate cultural heritage with museums, buildings, archaeological sites and other tangible goods. But cultural heritage is often intangible. This is the case with music, for example. How to define what is cultural heritage? And who should define it?

There is a strong propensity to consider everything as patrimony. Unesco lists songs, dances, festivals, French cuisine, oral and graphic expressions of the Wajapi in Brazil (indigenous people of North South America). The steady growth of the list creates a very diffuse boundary between patrimony and other things. If we think heritage preservation is important, we probably need to be more "Malthusian" and more selective.

In Brazil, there is a heated discussion about graphite. Do you think that graphite can be considered cultural heritage? Because?

Some graffiti are testimonies of modern communication. Others can be artistic. And others have no interest. The problem is that it is difficult to identify what should be preserved. The solution is a combination of preservation and memory: conserve some graffiti and destroy others, but saving your images in the digital process.

Recently, the mayor of São Paulo had a large number of graffiti created in public spaces erased. Many citizens loved the idea. Many others hated it. The decision sparked an intense debate on the subject, but after the damage was done. How to deal with situations like this? Have you found cases of similar disputes in your studies? Can you give examples?

In France, we destroyed the Halles de Baltard (formerly a food wholesale market located in the heart of Paris) to build a famous Museum of Modern Art called Beaubourg. Theoretically, one can not eliminate works of art. In practice, this can happen. The best solution is to transfer the work place. Even when we want to conserve heritage, we must take into account the idea that streets and the urban landscape are not museums.

What is the best way to protect cultural heritage?
There are many tools. The mere typology of tools is based on a quadruple opposition: subsidies X regulations; Incentives X compulsory rules; Direct support X indirect support; Local intervention X national X global. An example: for a private good as a beautiful home, one way to protect the place is by dropping and imposing a list of norms of what can be transformed into the property. But norms can generate additional costs for the owner, highlighting tensions between cultural and economic values. Subsidies are compensation for obligations related to protection. Discounts on fees can be an indirect compensation to these costs. The Château de Chenonceau, in the Loire Valley, is partially open to the public. The owner opens only one wing to visitors. That's about 850,000 a year. Subsidies and tax incentives encourage the owner to restore and preserve the palace. On a smaller scale, the challenge is the same for a smaller sample of cultural heritage in rural areas.

Who should pay for the preservation of cultural heritage?
Visitors, when visits are not free; Taxpayers, because they all benefit from cultural heritage; Owners and public authorities. It is a mixture of public and private funding. More precisely, I think it's a combination of the public, the market, and a third sphere. The lottery is an important source of support for cultural heritage in countries such as Italy, Belgium and Hungary. The income is redistributed by cultural foundations.

How to define the price of a cultural heritage?
I would say that a cultural heritage is priceless. What is the price of the Mona Lisa? What is the price of a castle? It is impossible to assess the value of a cultural heritage, except in the case of sale. But no one is going to sell the Forbidden City. Scholars have attempted to investigate the impact of cultural heritage, particularly that of listed buildings and historic cultural sites, on the value of real estate in cities. A recent study shows that to acquire a listed building, buyers are willing to pay an additional 25% to 30%. There is a kind of effect of cultural heritage on prices.

What is more attractive to citizens and tourists in cultural heritage? How to attract people? Are there proven formulas or "ways" for this?
The taste for heritage is not "innate." Potential visitors need explanations. They need a guide on their visits. It is necessary to organize events, improve the quality of the reception to the visitors. Internet sites play an important role in providing information.

Does education affect people's interest in cultural heritage? Or is there no relationship?
There is data that shows a deep inequality in the frequency, according to the levels of income and schooling. Schools need to teach the importance of cultural heritage to the nation and to citizens. They should organize frequent visits to museums and historical monuments. If you do not "consume" culture when you are young, you will not consume culture when you become an adult. It's a truth all over the world. Education is a central issue.

Which countries better manage cultural heritage?
The United Kingdom, France, Italy and Europe generally adopted their policies earlier. The first important law in France is of 1913. It supports two types of preservation: the tipping of buildings whose preservation is of national interest from the historical and artistic points of view, and the recording, in an additional inventory, of historic public monuments or Private partnerships that do not demand an immediate tipping, but that contain historical or artistic interest that makes the preservation desirable. In the UK, citizens are involved in preservation. Many people feel responsible for caring for cultural heritage. In Asia, there are interesting experiences of joint preservation of cultural and natural heritage.

Do you know Brazilian heritage management experiences? If so, do you believe the country is on the right track?
I think there's a kind of disorder. In some places, a deep commitment to equity. And no compromise in others. But it is difficult to spend on equity when the level of poverty remains very high. Patrimony is not an isolated issue. It is linked to education and economic well-being. Beautiful historic centers are preserved, but the rest of the city is abandoned. This is the case of Salvador, in Bahia, a fantastic city where only the historic center is preserved.

What attracted you to the academic study of cultural heritage management?
I have been working for the French Ministry of Culture and the National Library. Cultural heritage is a part of my life. In a time of rapid social and technological change, preserving the past is the best way to prepare for the future.
Season Business







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Original News Source:  Época Negócios

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.







--br
‘Há uma forte propensão a se considerar tudo como patrimônio cultural’.

Para a francesa Françoise Benhamou, autora de ‘Economia do Patrimônio Cultural’, com os crescentes custos envolvidos em preservação, a sociedade precisa ser mais seletiva.

Françoise Benhamou, autora de Economia do Patrimônio Cultural. (Foto: Divulgação)

O patrimônio cultural é um dos grandes motivos pelos quais, todos os anos, milhões de turistas do mundo inteiro visitam países europeus como França, Itália e Espanha, ou sítios arqueológicos como Machu Pichu, no Peru. É também o que define parte da identidade de um povo e torna monumentos históricos, como os destruídos em Palmira, na Síria, e em Mossul, no Iraque, alvos de grupos terroristas como o Estado Islâmico.

O número crescente de museus, monumentos arquitetônicos e outros sítios de interesse cultural e histórico, porém, tem imposto novos desafios às sociedades contemporâneas. Diante de um volume limitado de recursos, o que e como preservar? Até que ponto é possível explorar comercialmente um bem cultural sem comprometer sua integridade? Quem deve bancar os esforços de preservação? Como tornar o patrimônio cultural mais atrativo?

Estas são algumas das questões exploradas por Françoise Benhamou, autora do livro “Economia do Patrimônio Cultural”, que está sendo lançado pela Edições SESC de São Paulo. Professora associada de ciências sociais e econômicos do Instituto Nacional do Patrimônio, no Instituto Nacional do Audiovisual e no Instituto de Estudos Políticos de Paris, e membro dos conselhos de administração e científico do Museu do Louvre, ela fala na entrevista a seguir sobre esses temas e aborda polêmicas recentes envolvendo o patrimônio cultural em São Paulo, como os grafites apagados pela prefeitura na Avenida 23 de Maio.

É importante proteger o patrimônio cultural? Por quê?

Patrimônio é uma questão de identidade, de cultura. O respeito pelo patrimônio é um sinal para os cidadãos. Beleza arquitetônica melhora a qualidade de vida das pessoas. Além do mais, o patrimônio cultural contribui para o crescimento econômico de um país: ele atrai turistas. Quando você observa a destruição na Síria e em outros lugares, você percebe que o patrimônio tangível tem uma dimensão intangível. Através da destruição do patrimônio, de monumentos e coleções de arquivos na Síria, no Iraque e em outros países, os islamistas tentam destruir a memória coletiva e o senso de comunidade.

É comum associar patrimônio cultural a museus, prédios, sítios arqueológicos e outros bens tangíveis. Mas o patrimônio cultural é frequentemente intangível. É o caso da música, por exemplo. Como definir o que é patrimônio cultural? E quem deve definir isso?

Há uma forte propensão a se considerar tudo como patrimônio. A Unesco lista músicas, danças, festivais, a culinária francesa, expressões orais e gráficas dos Wajapi no Brasil (povo indígena do Norte da América do Sul). O crescimento permanente da lista cria uma fronteira muito difusa entre patrimônio e outras coisas. Se nós achamos que a preservação do patrimônio é importante, nós provavelmente precisamos ser mais “maltusianos” e mais seletivos.

No Brasil, há uma discussão acalorada sobre grafite. Você acha que o grafite pode ser considerado patrimônio cultural? Por quê?

Alguns grafites são testemunhos da comunicação moderna. Outros podem ser artísticos. E outros não tem interesse. O problema é que é difícil identificar o que deve ser preservado. A solução é uma combinação de preservação e memória: conservar alguns grafites e destruir outros, mas salvando suas imagens em processo digitalizado.

Recentemente, o prefeito de São Paulo mandou apagar um grande número de grafites criados em espaços públicos. Muitos cidadãos adoraram a ideia. Muitos outros odiaram. A decisão abriu um debate intenso sobre o assunto, mas depois de o dano ter sido feito. Como lidar com situações como essa? Você encontrou casos de disputas similares em seus estudos? Pode dar exemplos?

Na França, nós destruímos o Halles de Baltard (antigo mercado atacadista de alimentos localizado no coração de París) para construir um famoso Museu de Arte Moderna, chamado Beaubourg. Teoricamente, não se pode eliminar trabalhos de arte. Na prática, isso pode acontecer. A melhor solução é transferir o trabalho de lugar. Mesmo quando queremos conservar um patrimônio, temos de levar em conta a ideia de que ruas e a paisagem urbana não são museus.

Qual a melhor forma de proteger o patrimônio cultural?

Há muitas ferramentas. A mera tipologia das ferramentas é baseada em uma oposição quádrupla: subsídios X regulamentações; incentivos X regras compulsórias; apoio direto X apoio indireto; intervenção local X nacional X global. Um exemplo: para um bem privado como uma casa bonita, uma forma de proteger o lugar é tombando e impondo uma lista de normas do que pode ser transformado no imóvel. Mas normas podem gerar custos adicionais ao proprietário, evidenciando tensões entre valores culturais e econômicos. Subsídios são compensações pelas obrigações relacionadas à proteção. Descontos em taxas podem ser uma compensação indireta a esses custos. O Castelo de Chenonceau, no Vale do Loire, é aberto parcialmente ao público. O dono abre apenas uma das alas aos visitantes. São cerca de 850 mil por ano. Subsídios e incentivos fiscais incentivam o dono a restaurar e conservar o palácio. Em uma escala menor, o desafio é o mesmo para um exemplar menor de patrimônio cultural em zonas rurais.

Quem deve pagar pela preservação do patrimônio cultural?

Visitantes, quando as visitas não são gratuitas; os contribuintes, porque todos se beneficiam do patrimônio cultural; proprietários e autoridades públicas. É uma mistura de financiamento público e privado. Mais precisamente, acho que é uma combinação do público, do mercado e de uma terceira esfera. A loteria é uma fonte importante de apoio ao patrimônio cultural em países como Itália, Bélgica e Hungria. Os rendimentos são redistribuídos por fundações culturais.

Como definir o preço de um patrimônio cultural?

Eu diria que um patrimônio cultural não tem preço. Qual o preço da Mona Lisa? Qual o preço de um castelo? É impossível avaliar o valor de um patrimônio cultural, exceto em caso de venda. Mas ninguém vai vender a Cidade Proibida. Acadêmicos têm tentado investigar o impacto do patrimônio cultural, em particular o de prédios tombados e sítios culturais históricos, sobre o valor dos imóveis nas cidades. Um estudo recente mostra que, para adquirir um prédio tombado, compradores estão dispostos a pagar um adicional de 25% a 30%. Há uma espécie de efeito do patrimônio cultural sobre os preços.

O que é mais atrativo para os cidadãos e turistas no patrimônio cultural? Como atrair as pessoas? Há fórmulas ou “caminhos” comprovados para isso?

O gosto pelo patrimônio não é “inato”. Potenciais visitantes precisam de explicações. Precisam de um guia em suas visitas. É necessário organizar eventos, melhorar a qualidade da recepção aos visitantes. Sites de internet têm um papel importante em prover informações.

A educação afeta o interesse das pessoas pelo patrimônio cultural? Ou não existe relação?

Há dados que mostram uma profunda desigualdade na frequência, de acordo com os níveis de renda e de escolaridade. As escolas precisam ensinar a importância do patrimônio cultural para a nação e os cidadãos. Elas deveriam organizar visitas frequentes a museus e monumentos históricos. Se você não “consome” cultura quando é jovem, não vai consumir cultura quando se tornar adulto. É uma verdade em todo o mundo. Educação é uma questão central.

Que países gerenciam melhor o patrimônio cultural? 

O Reino Unido, a França, a Itália e a Europa, em geral, adotaram suas políticas mais cedo. A primeira lei importante na França é de 1913. Ela dá suporte a dois tipos de preservação: o tombamento de prédios cuja preservação é de interesse nacional dos pontos de vista histórico e artístico e o registro, em um inventário adicional, de monumentos históricos públicos ou privados que não demandam tombamento imediato, mas que contêm interesse histórico ou artístico que torne a preservação desejável. No Reino Unido, os cidadãos são envolvidos na preservação. Muitas pessoas se sentem responsáveis por cuidar do patrimônio cultural. Na Ásia, há experiências interessantes de preservação conjunta de patrimônios culturais e naturais.

Você conhece experiências brasileiras de gestão do patrimônio cultural? Se sim, acredita que o país está no caminho certo?

Eu acho que existe um tipo de desordem. Em alguns lugares, um profundo compromisso com o patrimônio. E nenhum compromisso, em outros. Mas é difícil gastar com patrimônio quando o nível de pobreza continua muito alto. Patrimônio não é uma questão isolada. Está ligada à educação e ao bem-estar econômico. Lindos centros históricos são preservados, mas o resto da cidade fica abandonado. É o caso de Salvador, na Bahia, uma cidade fantástica onde só o centro histórico é preservado.

O que a atraiu para o estudo acadêmico da gestão do patrimônio cultural?

Venho trabalhando para o Ministério da Cultura da França e na Biblioteca Nacional. O patrimônio cultural é uma parte da minha vida. Em um tempo de rápidas mudanças sociais e tecnológicas, preservar o passado é a melhor forma de se preparar para o futuro.







Nenhum comentário:

Postar um comentário