Google+ Followers

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Global Center for Gastronomy and Biodiversity of the Amazon was launched at the exhibition. The fair brings together tradition, culture and innovation from more than 150 countries. --- Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade da Amazônia foi lançado na exposição. Feira reúne tradição, cultura e inovação de mais de 150 países. --- 食品和生物多样性亚马逊环球中心是在展览会上推出了。博览会结合了传统,文化和创新的150多个国家。

Charms and tastes from the Amazon come to Expo Milan.


In Italy, the charms and tastes of the Amazon have come to Expo Milan, a fair that brings together tradition, culture and innovation from over 150 countries.

The Brazilian Amazon, famous for its forests, and its deforestation, may soon become an important seat of world cuisine. Its herbs, roots, fruits, nuts, oils and fish are already considered exceptional. But its immense biodiversity is still an illustrious unknown. Because there is still much to discover in that immense territory, new tastes, but also new remedies, because after all herbs have always been used for these two purposes. The Global Center for Gastronomy and Biodiversity of the Amazon was launched this Friday (30) at Expo Milan.


The exotic taste of the Brazilian Extreme North reached the pavilion of Brazil at the Universal Exhibition in Milan, which has already received the visit of 22 million people.

Enthusiasm for the Amazon began in the kitchen, so that the public could later experience a sensory experience.

In August 2016, the next challenge: the implementation of the Gastronomy Center in Belém do Pará, celebrating the 400 years of the city. "The center has to have five components to bring together gastronomy and biodiversity. Therefore a higher school to receive people, students, researchers from all over the world; A laboratory to serve the communities; a restaurant; A food museum; And a cooking boat with technology that will go through the rivers of the entire Amazon Basin with technology in each community, "says Roberto Smeraldi, coordinator of the Global Center for Gastronomy.

The head of the Paulo Martins Institute, created after the death of the famous chef from Pará, hopes to see her local culture become known in the rest of Brazil and in the world.


"It's a very big development possibility, for researching our products, which we do not know and need to know more and to train people prepared to work with this material," says Joana Martins, director of the Institute.

"Let people see the Amazon not only to extract ingredients, but a place of reference to research, to advance, to innovate," says Roberto Smeraldi.








fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br
Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade da Amazônia foi lançado na exposição. Feira reúne tradição, cultura e inovação de mais de 150 países.

Encantos e sabores da Amazônia chegam a Expo Milão.

Na Itália, os encantos e os sabores da Amazônia chegaram a Expo Milão, uma feira que reúne tradição, cultura e inovação de mais de 150 países. 

A Amazônia brasileira, famosa pelas suas matas, e pelos seus desmatamentos, em breve poderá se tornar uma sede importante da gastronomia mundial. As suas ervas, raízes, frutas, nozes, óleos e peixes já são considerados excepcionais. Mas a sua imensa biodiversidade ainda é uma ilustre desconhecida. Porque ainda há muito o que se descobrir naquele imenso território, novos sabores, mas também novos remédios, porque afinal as ervas sempre foram usadas com essas duas finalidades. Foi lançado, nesta sexta-feira (30), na Expo Milão, o Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade da Amazônia.

O gosto exótico do Extremo Norte brasileiro chegou ao pavilhão do Brasil na Exposição Universal em Milão, que já recebeu a visita de 22 milhões de pessoas.
O entusiasmo pela Amazônia começou na cozinha, para que o público depois pudesse viver uma experiência sensorial.

Em agosto de 2016, o próximo desafio: a implantação do Centro de Gastronomia em Belém do Pará, comemorando os 400 anos da cidade.  “O centro tem que ter cinco componentes para juntar gastronomia e biodiversidade. Portanto, uma escola superior para receber pessoas, estudantes, pesquisadores do mundo inteiro; um laboratório para atender as comunidades; um restaurante; um museu do alimento; e um barco-cozinha com tecnologia que irá pelos rios da Bacia Amazônica inteira com tecnologia em cada comunidade”, destaca Roberto Smeraldi, coordenador do Centro Global de Gastronomia.

A responsável pelo Instituto Paulo Martins, criado depois da morte do famoso chef paraense, tem muita esperança de ver a sua cultura local tornar-se conhecida no resto do Brasil e no mundo.

"É uma possibilidade de desenvolvimento muito grande, de pesquisa dos nossos produtos, que a gente pouco conhece e precisa conhecer mais e de formar pessoas, preparadas para trabalhar com esse material”, comenta Joana Martins, diretora do Instituto.
“Que as pessoas enxerguem a Amazônia não só para extrair ingredientes, mas um lugar de referência para pesquisar, avançar, para inovar", diz Roberto Smeraldi.





--chines simplificado
食品和生物多样性亚马逊环球中心是在展览会上推出了。博览会结合了传统,文化和创新的150多个国家。

魅力和亚马逊的口味来米兰世博会。

在意大利,魅力和亚马逊的口味达到米兰世博会,贸易展,汇集了传统,文化和创新的150多个国家。
巴西亚马逊河流域,著名的森林,它的空地,可能很快成为世界美食占有重要席位。你的草药,根,水果,坚果,油鱼已被公认为出色。但其巨大的生物多样性,仍是未知显赫。因为还有很大的发现,地域辽阔,新口味,而且新的药物,后因药材一直与这两个目的。发布于周五(30日),在米兰世博会,食品和生物多样性亚马逊全球中心。
巴西最北部的异国味道的世界博览会在米兰,这已被22万人访问达到了巴西馆。
热忱为亚马逊在厨房里开始,让市民可以再活的感官体验。
在2016年八月,下一个挑战:食品中心贝伦的实施,欢庆城400周年。 “该中心必须有五个组成部分收集食物和生物多样性。因此,高中接收人,学生,世界各地的研究人员;一个实验室,以满足社区;餐厅;食品的博物馆;和一个帆船厨房技术,在整个亚马逊流域与技术在每个社区的河流,“罗伯托的Smeraldi,全球粮食中心协调员。
著名厨师帕拉去世后创造了保罗马丁斯研究所的责任,有看到他们的地方文化成为巴西和世界其他地区的知名太大的希望。
“这是非常大的发展的可能性,我们的产品的研究,我们只知道和需要知道更多,训练的人准备用这种材料的工作,”琼娜马丁斯,研究所所长说。

“那人看到亚马逊不仅要提取的成分,但一个地方进行研究,超前,创新的参考,”罗伯托说的Smeraldi。



El Paso Museum of Archaeology to Celebrate Native American Heritage Month, Honor Tiguas. --- Museu de Arqueologia de El Paso para comemorar o Mês da Patrimônio nativo-americano, Honra Tiguas.

As November is Native American Heritage Month, the El Paso Museum of Archaeology is celebrating by hosting a couple of weekend activities to honor indigenous cultures, specifically the Tiguas of the Ysleta del Sur Pueblo.


Festivities begin with the first Tigua Heritage Day from 10 a.m. to 3 p.m. on Saturday, November 12, at the El Paso Museum of Archaeology. The museum and the Tigua Cultural Center will host free activities that will focus on the cultural and historical importance of the Tigua tribe.

Some of the activities include; archery and Atl-Atl demonstrations, Tigua bread and chile sampling, paper plate gourds, dreamcatcher crafting, Tigua dances, medicine bags and sand painting.

El Paso Museum of Archaeology will host a free winter storytelling event with Alex Mares to conclude Native American Heritage Month from 5:30 p.m. to 7:30 p.m. on Saturday, November 26.

Mares is a Native American storyteller and interpreter. He will tell coyote stories and others stories which are traditionally told in winter by Navajo, Pueblo and Apache tribes. The storytelling will be done outside, and there will be complimentary refreshments for those who attend.

Native American Heritage Month celebrates rich and diverse cultures, traditions and histories, and acknowledges the important contributions of Native people






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

For more information, visit the El Paso Museum of Archaeology or call (915) 755-4332.

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br via tradutor do google
Museu de Arqueologia de El Paso para comemorar o Mês da Patrimônio nativo-americano, Honra Tiguas.

Como novembro é Native American Heritage Month, o Museu de El Paso de Arqueologia está comemorando hospedando um par de atividades de fim de semana para honrar as culturas indígenas, especificamente os Tiguas da Ysleta del Sur Pueblo.

As festas começam com o primeiro Dia do Patrimônio da Tigua, das 10h às 15h, no sábado, 12 de novembro, no Museu de Arqueologia de El Paso. O museu eo Centro Cultural Tigua realizarão atividades gratuitas que se concentrarão na importância cultural e histórica da tribo Tigua.

Algumas das atividades incluem; Tiro com arco e demonstrações de Atl-Atl, pão de Tigua e amostragem de chile, cabaças de papel, criação de dreamcatcher, danças de Tigua, sacos de medicina e pintura de areia.

O Museu de Arqueologia de El Paso hospedará um evento de narração de inverno gratuito com Alex Mares para concluir o Mês da Patrimônio nativo americano das 17h30 às 19h30 no sábado, 26 de novembro.

Mares é um contador de histórias nativo americano e intérprete. Ele vai contar histórias coiote e outras histórias que são tradicionalmente dito no inverno por Navajo, Pueblo e tribos Apache. A narração será feita fora, e haverá cortesia refrescos para aqueles que participam.

O Mês da Patrimônio nativo-americano comemora ricas e diversas culturas, tradições e histórias e reconhece as importantes contribuições dos povos nativos

Para mais informações, visite o Museu de Arqueologia de El Paso ou ligue para (915) 755-4332.

Lyman Allyn Art Museum opens newly reinstalled permanent collection of American art. ---

NEW LONDON, CONN.- The Lyman Allyn Art Museum announced the opening of American Perspectives, its newly reinstalled permanent collection of American Art on November 6, 2016. With paintings, sculpture, furniture, and decorative arts from the 18th through 20th century, the renovated galleries offer a fresh approach to new and familiar treasures. 


American Perspectives presents American art through an often regional lens, using chronology and thematic groupings to celebrate the strengths of the collection, which include 18th century furniture, New London’s maritime and whaling history, Hudson River School paintings, and Connecticut Impressionism, along with modern and contemporary art. 

Closed for renovation since June 27th, the new galleries look dramatically different from the previous installation. American Perspectives features never-before-seen objects, new research insights, and dynamic and accessible interpretation. Thematic groupings emphasize the social and historical contexts in which objects were created, in addition to celebrating their aesthetic beauty. Amaze Design of Boston has redesigned the gallery layout, altering walls to better fit groupings within the installation. The space features free Wi-Fi, state-of-the-art LED lighting, new wall colors, a resurfaced floor, custom cases and platforms. The mixture of what art is on display has also been updated. While the exhibition in these galleries previously tapered off at about 1945, the story is now extended through the second half of the 20th century. In so doing, the recent story of American art is better reflected by showcasing what some might consider the surprising depth of the Museum’s modern collection. 

A cohesive system of graphic panels and labels is enhanced by an interactive mobile phone app powered by Cuseum for both iOS and Android devices. This new app, featuring tours of the galleries, educational content, and location-based notification, provides visitors with a new way of encountering art. The Lyman Allyn launched the application at the same time as the unveiling of American Perspectives, on November 6, 2016. Visitors using the free app are greeted with an introduction, and are able to pick the path through the galleries that interests them. In addition, as viewers get close to a particular work of art, rich content about a work of art can be delivered to their device. This latter feature is powered by iBeacon technology to enable notifications and provide a “digital docent” experience. The Lyman Allyn Art Museum app is available in the App Store. 

During the same timeframe as the American Perspectives renovation, a building-wide modernization of the machinery that maintains an ideal climate controlled environment has taken place, enabling the museum to better preserve the collection with up-to-date temperature and humidity controls. The dual modernization projects, made possible with generous funds from an anonymous foundation and a bond from the State of Connecticut, greatly improve the visitor experience to these important galleries, which have been largely static for close to two decades yet are a mainstay of the museum’s educational programming.









fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.












--br via tradutor do google

Lyman Allyn Art Museum inaugura recém-instalado coleção permanente de arte americana.

NOVA LONDRES, CONN.- O Lyman Allyn Art Museum anunciou a abertura de American Perspectives, sua recém-reinstalada coleção permanente de arte americana em 6 de novembro de 2016. Com pinturas, escultura, móveis e artes decorativas do século 18 ao século XX, Galerias renovadas oferecem uma nova abordagem para novos e familiares tesouros.

American Perspectives apresenta a arte americana através de uma lente muitas vezes regional, usando cronologia e agrupamentos temáticos para celebrar os pontos fortes da coleção, que incluem móveis do século XVIII, história marítima e baleeira de New London, pinturas Hudson River School e Connecticut Impressionism, arte contemporânea.

Fechado para a renovação desde 27 de junho, as galerias novas olham drasticamente diferentes da instalação precedente. American Perspectives apresenta objetos nunca antes vistos, novas idéias de pesquisa e interpretação dinâmica e acessível. Os agrupamentos temáticos enfatizam os contextos sociais e históricos em que os objetos foram criados, além de celebrar sua beleza estética. Amaze Design de Boston redesenhou o layout da galeria, alterando as paredes para melhor se encaixam agrupamentos dentro da instalação. O espaço possui Wi-Fi gratuito, iluminação LED de última geração, novas cores de parede, piso resurfaced, caixas personalizadas e plataformas. A mistura do que a arte está em exibição também foi atualizado. Embora a exposição nessas galerias anteriormente cônico fora em cerca de 1945, a história é agora estendida através da segunda metade do século XX. Ao fazê-lo, a história recente da arte americana é melhor refletida pela demonstração do que alguns podem considerar a surpreendente profundidade da coleção moderna do Museu.

Um sistema coeso de painéis gráficos e rótulos é reforçado por um aplicativo interativo celular desenvolvido pelo Cuseum para dispositivos iOS e Android. Este novo aplicativo, com tours de galerias, conteúdo educacional e notificação baseada em localização, oferece aos visitantes uma nova maneira de encontrar arte. O Lyman Allyn lançou o aplicativo ao mesmo tempo que o desvelamento da American Perspectives, em 6 de novembro de 2016. Visitantes usando o aplicativo gratuito são saudados com uma introdução e são capazes de escolher o caminho pelas galerias que lhes interessa. Além disso, à medida que os espectadores se aproximam de uma determinada obra de arte, o conteúdo rico sobre uma obra de arte pode ser entregue a seu dispositivo. Este último recurso é alimentado pela tecnologia iBeacon para permitir notificações e fornecer uma experiência "docente digital". O aplicativo Lyman Allyn Art Museum está disponível na App Store.

Durante o mesmo período da renovação da American Perspectives, foi realizada uma modernização da maquinaria que mantém um ambiente de clima controlado, permitindo ao museu preservar melhor a coleção com controles atualizados de temperatura e umidade. Os projetos de dupla modernização, possibilitados com fundos generosos de uma fundação anônima e um vínculo do Estado de Connecticut, melhoram muito a experiência do visitante para estas galerias importantes, que têm sido em grande parte estática por quase duas décadas ainda são um pilar do museu Programação educacional.

Oscar de la Renta’s All-American Fashion Revolution. --- Revolução All-American da forma de Oscar de la Renta.

The designer, now dead at 82, legitimized U.S. style in the eyes of the world.



We noticed that you have an

He was the son of globalization born in the Dominican Republic to a mother of Spanish descent and a father hailing from Puerto Rico, beginning a storied career in French couture before launching in America. His was a family of intellectuals and civil servants. He dabbled in painting before diving into the cutthroat world of fashion design. He played bridge with investor whiz Warren Buffett and once nearly got in a fistfight with journalist William Norwich.

He was a true American pioneer.

With the death of Oscar de la Renta on Monday night at the age of 82, the fashion world has lost not only a brilliantly talented artist, but also arguably the very first American designer with street cred on the world s runways.

That his designs clothed American celebrities and the elite for decades is but one component of de la Renta s contribution to American fashion. De la Renta began his career with Arden, working in the burgeoning ready-to-wear business. Within a few years, de la Renta had worked his way up to launching his very own label.

Related Story

I have a creative block on a daily basis, he said in an interview with Norwich for New York magazine s The Cut. To be a good designer, you have to keep your eyes open. You have to understand the consumer. You have to understand the woman you are dressing.

Once he d scored a label, de la Renta s rise was meteoric. He splashed onto the political scene with the silk boatneck dresses favored by then-First Lady Jacqueline Kennedy. Though Kennedy was often remembered as a fashion trailblazer, de la Renta s role in creating her image and that of American women in the swingin 60s should not be ignored. The fitted bodices splaying out into full skirts kicked off a decade of iconoclastic rebellion in fashion while preserving a unique sense of American tradition within folds of taffeta.

I always say in my role as a designer is to bear, to do the very best I can for that woman, to make her feel her very best, de la Renta said in a 2013 video shot for the William J. Clinton Presidential Center s celebration of him, Oscar de la Renta: American Icon.

And make many a woman feel her very best he did. From first ladies since Kennedy through Obama, Hollywood starlets, and urban sophisticates, de la Renta clothed women over half a century, focusing on the intersection of simplicity in form and breathtaking complexity in design to create pieces that were inimitably de la Renta, undeniably American.

Before de la Renta s entrance, American fashion was ruled by copycats.

Before de la Renta s entrance, American fashion was ruled by copycats: Runway looks from Paris and London were adjusted for American tastes, which strayed towards the practical and avoided the cutting-edge risks that defined the European scene. De la Renta changed that he focused on the American woman, her needs, her cultural outlook, her sense of practicality but desire to be beautiful. De la Renta combined these sensibilities into what became his unmistakable brand of strong lines, very little skin-show, sumptuous fabrics, vibrant single hues, ornate details like lace and bows and pearls that evoked a purity that was at once sultry and innocent, and, most importantly, a tag bearing his calligraphic name, scrolled in smooth strokes both delightfully unexpected and surprisingly expected, just like his line.

Obviously, the woman I dress today is very different from the woman I dressed when I started in the business, he told Norwich. But you know, fashion is an illusion. [It s about] how good you are at projecting that illusion.

Indeed, de la Renta s revolutionary designs were, ironically, steadfast in their dedication to classic form and structure, stridently maintaining a fairy-tale quality that gave the women he dressed an ethereal aura. He favored ruffles, billowing tiered gowns that evoked a concoction of Renaissance grandeur with graphic Warholian splashes of color. Unlike some of his peers, de la Renta avoided making political statements or overt experimentation ( Fashion is non-political and non-partisan, de la Renta said in that same Clinton video while discussing how he dressed then-First Lady Hillary Clinton for a Vogue shoot).

Keith Bedford/Reuters

This intense passion for femininity and elegance without cutouts or statements made de la Renta groundbreaking and shocking, both in post-war America and the global stage of the new millennium. The classic nature of his fashion was timeless and maintained a stoic, coy sense of majesty that both made a woman imminently approachable while also giving her a sense of mystique.

Years later, de la Renta s iconic brand has transformed into something beyond legendary. De la Renta is, in fact, the epitome of American dream an immigrant who created a fantasy world of wearable art that toasted the American woman and celebrated an emerging American identity. De la Renta s outfits never oversexualized women, never attempted to make them seem skinnier or more bootylicious or false in any sense. He was a man who understood the juxtaposed layers that made an American woman who she was and created outfits that perfectly grasped that definition.

He makes a woman look like a woman, feel like a woman, feel like a princess, fellow designer Diane von Furstenburg said of de la Renta. He has that old-fashioned elegance, and yet he s able to interpret it in such a modern way.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.










--br via tradutor do google
Revolução All-American da forma de Oscar de la Renta.

O designer, agora morto aos 82 anos, legitimava o estilo americano aos olhos do mundo.

Percebemos que você tem um

Ele era o filho da globalização nascido na República Dominicana para uma mãe de ascendência espanhola e um pai proveniente de Porto Rico, iniciando uma carreira contada em couture francês antes de lançar na América. Era uma família de intelectuais e funcionários públicos. Dabbled na pintura antes de mergulhar no mundo cutthroat do projeto da forma. Jogou a ponte com o whiz Warren Buffett do investor e uma vez quase começ em um fistfight com o journalist William Norwich.

Ele era um verdadeiro pioneiro americano.

Com a morte de Oscar de la Renta na noite de segunda-feira aos 82 anos, o mundo da moda perdeu não só um artista brilhantemente talentoso, mas também, sem dúvida, o primeiro designer americano com crédito de rua nas pistas de decolagem do mundo.

Que seus projetos vestiram celebridades americanas e a elite por décadas é apenas um componente da contribuição de de la Renta para a moda americana. De la Renta começou sua carreira com Arden, trabalhando no crescente negócio de pronto-a-vestir. Dentro de alguns anos, de la Renta tinha trabalhado sua maneira para lançar o seu próprio rótulo.

História Relacionada

Eu tenho um bloco criativo em uma base diária, ele disse em uma entrevista com Norwich para New York revista s The Cut. Para ser um bom designer, você tem que manter os olhos abertos. Você tem que entender o consumidor. Você tem que entender a mulher que você está vestindo.

Uma vez que ele marcou um rótulo, a ascensão de de la Renta foi meteórica. Ele mergulhou na cena política com os vestidos de seda boatneck favorecidos pela então-primeira-dama Jacqueline Kennedy. Embora Kennedy fosse lembrado frequentemente como um pioneiro da forma, o papel de de la Renta em criar sua imagem e aquela das mulheres americanas no swingin 60s não deve ser ignorado. Os corpetes ajustados que splaying para fora em saias cheias começaram uma década de rebelião iconoclasta na forma ao preservar um sentido original da tradição americana dentro das dobras do tafetá.

Eu sempre digo em meu papel como designer é suportar, fazer o melhor que posso para que a mulher, para fazê-la sentir-se muito melhor, de la Renta disse em um vídeo de 2013 tiro para o William J. Clinton Presidencial s Celebração dele, Oscar de la Renta: Ícone Americano.

E fazer muitas mulheres sentirem o melhor que fez. Desde as primeiras senhoras desde Kennedy até Obama, as estrelas de Hollywood e os sofisticados urbanos, de la Renta vestiu as mulheres ao longo de meio século, concentrando-se na interseção de simplicidade na forma e complexidade de tirar o fôlego no design para criar peças inimizáveis ​​de la Renta, inegavelmente americanas .

Antes da entrada de de la Renta, a moda americana era governada por cópias.

Antes da entrada de de la Renta, a moda norte-americana era governada por cópias: os looks da pista de Paris e Londres foram ajustados para os gostos americanos, que se desviaram para a prática e evitaram os riscos de ponta que definiram a cena européia. De la Renta mudou que ele se concentrou na mulher americana, suas necessidades, sua visão cultural, seu senso de praticidade, mas o desejo de ser bonita. De la Renta combinava essas sensibilidades com o que se tornou sua marca inconfundível de linhas fortes, muito pouco show de pele, tecidos sumptuosos, vibrantes tons únicos, detalhes ornamentados como rendas e arcos e pérolas que evocavam uma pureza que era ao mesmo tempo sensual e inocente e , Mais importante, uma etiqueta com o seu nome caligráfico, percorrida em suaves carícias tanto deliciosamente inesperado e surpreendentemente esperado, assim como sua linha.

Obviamente, a mulher que veste hoje é muito diferente da mulher que eu vesti quando eu comecei no negócio, ele disse a Norwich. Mas você sabe, a moda é uma ilusão. [É sobre] como você é bom em projetar essa ilusão.

Na verdade, os projetos revolucionários de de la Renta foram, ironicamente, firmes em sua dedicação à forma clássica e estrutura, mantendo estridentemente uma qualidade de conto de fadas que deu às mulheres que ele vestiu uma aura etérea. Ele gostava de babados, vestidos em camadas que evocavam uma mistura de grandeza renascentista com manchas coloridas de Warhol. Ao contrário de alguns de seus pares, de la Renta evitou fazer declarações políticas ou experimentação aberta (a moda é não-política e não-partidária, de la Renta disse no mesmo vídeo de Clinton enquanto discutindo como ele se vestiu então - primeira-dama Hillary Clinton para uma Vogue Atirar

Keith Bedford / Reuters

Esta paixão intensa pela feminilidade e elegância sem recortes ou declarações fez de la Renta inovador e chocante, tanto na América do pós-guerra e na fase global do novo milênio. A natureza clássica de sua moda era intemporal e mantinha uma sensação estóica e tímida de majestade que fazia uma mulher imediatamente acessível ao mesmo tempo que lhe dava um senso de mística.

Anos mais tarde, a marca icônica da Renta se transformou em algo além do lendário. De la Renta é, de fato, o epítome do sonho americano um imigrante que criou um mundo de fantasia de arte wearable que brindou a mulher americana e celebrou uma identidade americana emergente. Os trajes de De La Renta nunca oversexualised mulheres, nunca tentou fazê-los parecer mais magro ou mais bootylicious ou falso em qualquer sentido. Ele era um homem que entendia as camadas justapostas que faziam de uma mulher americana quem ela era e criava roupas que perfeitamente compreendiam essa definição.

Ele faz uma mulher parecer uma mulher, sentir-se como uma mulher, sentir-se como uma princesa, colega designer Diane von Furstenburg disse de la Renta. Ele tem essa elegância antiquada, e ainda assim é capaz de interpretá-la de uma maneira tão moderna.




segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Great Canon at the Kremlin, Moscow (Grand Canon au Moscau). The J. Paul Getty Museum, Los Angeles

S. Chever & Navadine1877
27.3 x 35.4 cm (10 3/4 x 13 15/16 in.)
Signed in Russian  mount.
Print
Permanent Collection
84.XO.867.1.8
mount in Russian & French.
Photographs



.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

The J. Paul Getty Museum, Los Angeles

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br

Forte Orange, located at the southern entrance of the Santa Cruz Canal, where Portuguese colonization began in Northeast Brazil in 1516, was built in 1631 by the Dutch, who invaded Pernambuco, Brazil, in search of the wealth promoted by the mercantile activity of the sugar cane. --- Forte Orange, situado na entrada sul do Canal de Santa Cruz, local onde teve início a colonização portuguesa no Nordeste do Brasil, em 1516, foi construído em 1631 pelos holandeses, que invadiram Pernambuco, Brasil, em busca da riqueza promovida pela atividade mercantil da cana de açúcar.

Returned to the population after the investment of R $ 350,000 from the National Historical and Artistic Heritage Institute (IPHAN) to carry out a series of restoration and rehabilitation works and actions, Forte Orange, located on Itamaracá Island, north coast of Pernambuco, has already received more than 130 thousand visitors.



The Forte, which is in an area of ​​great historical and cultural importance and with lush landscape, was listed by IPHAN in 1938 and in the 1970s it was the object of restoration based on archaeological, historical and architectural research. The IPHAN in Pernambuco has made possible its maintenance in order to preserve the memory of the Dutch and Portuguese presence and the importance of this military building for Brazilian historiography.

Located at the southern entrance to the Santa Cruz Channel, where Portuguese colonization began in Northeast Brazil in 1516, it was built in 1631 by the Dutch, who invaded Pernambuco in search of the wealth promoted by the commercial activity of sugarcane. The work is one of the marks of the defense system of the Brazilian coast and in 1654, after the defeat of the Dutch by the Portuguese Crown, the Fort was abandoned, remaining in ruins. It was recovered by the Portuguese in 1696 resuming its military function.

The interventions

Between 2011 and 2012, aiming at the reopening of Fort Orange to the public, IPHAN performed several works, such as roofing; Construction of wooden walkways for visitors to circulate on the fort's terraces; Implementation of internal signage and exhibition panel on archaeological researches carried out, as well as projects for restoration and requalification of Fort Orange and its surroundings. In addition to the actions already taken, in the coming years, the goals are worthy of the historical and cultural value of the fortress for Brazil: in the short term interventions are planned with resources in the order of 10 million reais from Prodetur.

The architectural restoration of the Fort Orange building, considering the building itself as a museological element; The recovery of the square of arms, locating the vestiges of the foundations of the Dutch fort (found during the archaeological investigations); Installation of exhibition rooms on the history of the fortification, including permanent exhibition on the Dutch Fort; Are examples of projects already developed. In the medium term, it is expected to invest some 20 million reais in works to contain the sea's advance and improve access, with the duplication of the highway access and construction of a wooden bridge over the mangrove, as well as the interconnection of With the implantation of the Trail of the Dutch linking the fortification to Vila Velha, passing by the Church of São Paulo and the ruins of the house where Father Tenório, a character of the Pernambuco Revolution of 1817, was housed.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.



Vamos compartilhar.





--br

Forte Orange, situado na entrada sul do Canal de Santa Cruz, local onde teve início a colonização portuguesa no Nordeste do Brasil, em 1516, foi construído em 1631 pelos holandeses, que invadiram Pernambuco, Brasil, em busca da riqueza promovida pela atividade mercantil da cana de açúcar.


Devolvido à população após o investimento de R$ 350 mil do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) para a realização de uma série de obras e ações de restauração e requalificação, o Forte Orange, localizado na Ilha de Itamaracá, litoral norte de Pernambuco, já recebeu mais de 130 mil visitantes.

O Forte, que fica em uma área de grande importância histórica e cultural e com exuberante paisagem, foi tombado pelo IPHAN em 1938 e na década de 1970 foi objeto de restauração fundamentada por pesquisas arqueológicas, históricas e arquitetônicas. O IPHAN em Pernambuco vem viabilizando a sua manutenção de modo a preservar a memória da presença holandesa e portuguesa e a importância dessa edificação militar para a historiografia brasileira.

Situado na entrada sul do Canal de Santa Cruz, local onde teve início a colonização portuguesa no Nordeste do Brasil, em 1516, foi construído em 1631 pelos holandeses, que invadiram Pernambuco em busca da riqueza promovida pela atividade mercantil da cana-de-açúcar. A obra é um dos marcos do sistema de defesa do litoral brasileiro e em 1654, após a derrota dos holandeses pela Coroa portuguesa, o Forte foi abandonado, ficando em ruínas. Foi recuperado pelos portugueses em 1696 retomando sua função militar.

As intervenções
Entre 2011 e 2012, visando à reabertura do Forte Orange ao público, o IPHAN executou diversas obras, como revisão de telhados; construção de passarelas em madeira para circulação dos visitantes sobre os terraplenos do forte; implementação de sinalização interna e de painel expositivo sobre pesquisas arqueológicas realizadas, bem como projetos de restauração e requalificação do Forte Orange e do seu entorno. Além das ações já realizadas, nos próximos anos, as metas fazem jus ao valor histórico e cultural da fortaleza para o Brasil: em curto prazo estão previstas intervenções com recursos na ordem de 10 milhões de reais provenientes Prodetur.

A restauração arquitetônica do edifício do Forte Orange, considerando o próprio edifício como elemento museológico; a recuperação da praça d’armas, localizando os vestígios das fundações do forte holandês (encontrados durante as pesquisas arqueológicas); implantação de salas expositivas sobre a história da fortificação, incluindo exposição permanente sobre o Forte Holandês; são exemplo dos projetos já elaborados. Em médio prazo, está previsto o investimento de cerca de 20 milhões de reais em obras de contenção do avanço do mar e melhoria dos acessos, com a  duplicação da rodovia de acesso e construção de ponte de madeira sobre o manguezal, bem como a interligação dos elementos turísticos,  com a implantação da Trilha dos Holandeses ligando a fortificação à Vila Velha, passando pela Igreja de São Paulo e pelas ruínas da casa onde abrigou-se o Padre Tenório, personagem da Revolução Pernambucana de 1817.

Discoveries have been hidden for decades in the Church of Our Lord of Bonfim in Pirenópolis, Goiás, Brazil. --- Descobertas obras há décadas ocultas em Igreja de Nosso Senhor do Bonfim de Pirenópolis, Goiás, Brasil.

Pirenópolis won another attraction. After three years of restoration, the Church of Our Lord of Bonfim will be reopened to religious celebrations and tourism in one week. In addition to all the restored and painted structure, the almost 260-year-old building, built by slaves, had the most beautiful and beautiful details fully recovered. Among them, decorative paintings on the side walls of the main altar and much of the wooden ceiling, covered over decades by mass and white paint.




With the restoration, the Church of the Bonfim happens to be the richest temple of Goiás, from the artistic point of view. Since the fire of the Igreja Matriz de Pirenópolis in 2002, the municipality 140km away from Brasilia had no more temple with all the original features. In Goiás Velho, the other historical city of the state, there is also no church with as many ornaments as Bonfim.

This was the first complete reform of the Church of Our Lord of Bonfim. In 2005, it underwent structural works, which included the restoration of the facade and the painting inside. For lack of money, the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Iphan) did not restore the art elements. At the cost of R $ 600,000, the work began in 2010. At first, scraping the plaster and the white paint inside the building, technicians hired by Iphan had the pleasant surprise.





fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.



Vamos compartilhar.





--br
Descobertas obras há décadas ocultas em Igreja de Nosso Senhor do Bonfim de Pirenópolis, Goiás, Brasil.

Pirenópolis ganhou mais uma atração. Após três anos de restauração, a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim será reaberta às celebrações religiosas e ao turismo em uma semana. Além de toda a estrutura reformada e pintada, a edificação de quase 260 anos, construída por escravos, teve os mais singelos e belos detalhes totalmente recuperados. Entre eles, pinturas decorativas nas paredes laterais do altar-mor e em grande parte do forro de madeira, cobertas ao longo de décadas por massa e tinta brancas.

Com a restauração, a Igreja do Bonfim passa a ser o mais rico templo de Goiás, do ponto de vista artístico. Desde o incêndio da Igreja Matriz de Pirenópolis, em 2002, o município distante 140km de Brasília não tinha mais templo com todas as características originais. Em Goiás Velho, a outra cidade histórica do estado, também não há igreja com tantos adornos como a do Bonfim.

Essa foi a primeira reforma completa da Igreja de Nosso Senhor do Bonfim. Em 2005, ela passou por obras estruturais, que incluíram a recuperação da fachada e a pintura em seu interior. Por falta de dinheiro, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) não restaurou os elementos de arte. Ao custo de R$ 600 mil, a obra teve início em 2010. Logo no começo, raspando o reboco e a tinta branca do interior do edifício, técnicos contratados pelo Iphan tiveram a grata surpresa.

domingo, 27 de novembro de 2016

Ancient Mosques of the Northern Region, Ghana. --- Antigas Mesquitas da Região Norte, Gana.

Most of the communities of the regions of Northern Ghana, especially the Northern Region, are Muslim. Islam, which first entered Africa through Egypt in the 10th Century AD, progressed from Egypt towards the west and the south at the same time as the trans-Saharan slave and gold trade routes. In Ghana, these trade routes were used by Mande warriors, Islamic Traders and Missionaries. Occasionally, these routes were marked by incursions by the Almoravids, a Berber Dynasty, which played a major role in the spread of Islam in the area. At rest points for the Islamic traders along the routes, and in conquered territories people were converted to Islam and this led to the construction of mosques in the Northern part of Ghana. Some of these mosques still exist today and they date as far back as the 17th Century AD.



ARCHITECTURAL STYLE 

Architecturally, the ancient mosques belong to the Sudanic-Sahelian styles, which can also be found in Burkina Faso and Cote d'Ivoire. This style is characterized by the fusion of the vernacular construction teclmiques with the architectural rules which have to be respected when building a mosque. Two major styles of mosques were the Sudanic style and the Djenne Style.

The Djenne style features a rectangular building without buttresses. It has load bearing walls and a flat roof surrounded by a parapet. It usually has one tower at one end of the rectangle. A typical example of this mosque is the Wuriyanga Mosque located in the Upper East Region, a town near the Northern Region and Togo borders, lying between Garu in the  Upper East Region and Nalerigu in the Northern Region.


B) The Sudanic Style 

The Sudanic style, though rectangular, has timber frame structures or pillars supporting the roof. It is characterized by two pyramidal  towers (the minaret and the mihrab), and by a number of irregular shaped buttresses, with pinnacles projecting above the parapet, which enlivens the mosque's elevations. An example of this style is the Larabanga Mosque located in the Northern Region, near Damongo on the way to Mole Park.







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

http://www.ghanamuseums.org/ancient-mosques.php

colaboração: Eliasu Mahama 

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


A cultura e o amor devem estar juntos.


Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
Antigas Mesquitas da Região Norte, Gana.

A maioria das comunidades das regiões do Norte do Gana, especialmente a Região Norte, são muçulmanas. O Islã, que entrou pela primeira vez na África através do Egito no século X dC, progrediu do Egito para o oeste e para o sul, ao mesmo tempo que as rotas de comércio de escravos e ouro trans-saharianos. Em Gana, essas rotas comerciais foram usadas pelos guerreiros Mande, comerciantes islâmicos e missionários. Ocasionalmente, essas rotas foram marcadas por incursões dos almorávidas, uma dinastia berbere, que desempenhou um papel importante na disseminação do islamismo na região. Em pontos de descanso para os comerciantes islâmicos ao longo das rotas, e em territórios conquistados as pessoas foram convertidas ao Islã e isso levou à construção de mesquitas na parte norte de Gana. Algumas dessas mesquitas ainda existem hoje e datam de tão longe como o século 17 dC.

ESTILO ARQUITECTÓNICO

Arquitectonicamente, as mesquitas antigas pertencem aos estilos Sudanic-Sahelian, que podem igualmente ser encontrados em Burkina Faso e no d'Ivoire da costa. Este estilo caracteriza-se pela fusão das técnicas de construção vernáculas com as regras arquitectónicas que devem ser respeitadas na construção de uma mesquita. Dois estilos principais de mesquitas eram o estilo sudanês e o estilo de Djenne.

O estilo de Djenne caracteriza um edifício retangular sem contrafortes. Tem paredes de carga e um telhado plano rodeado por um parapeito. Geralmente tem uma torre em uma extremidade do retângulo. Um exemplo típico desta mesquita é a Mesquita de Wuriyanga localizada na região do Alto Oriente, uma cidade próxima à região Norte e fronteiras do Togo, situada entre Garu, na região do Alto Est e Nalerigu, na Região Norte.

B) O estilo sudanês

O estilo sudanês, embora retangular, tem estrutura de madeira estruturas ou pilares que suportam o telhado. É caracterizada por duas torres piramidais (o minarete eo mihrab), e por um número de contrafortes irregulares, com os pináculos que projectam acima do parapeito, que alimenta as elevações da mesquita. Um exemplo deste estilo é a Mesquita de Larabanga localizada na Região Norte, perto de Damongo, a caminho de Mole Park.


A 1,600-year-old color changing cup used nanotechnology principles. The chalice, which was acquired by the British Museum in the 1950s, bears this name because it depicts a scene from the life of Lycurgus king of Thrace. --- Taça de 1.600 anos que muda de cor já usava princípios de nanotecnologia. O cálice, que foi adquirido pelo Museu Britânico na década de 1950, tem esse nome porque retrata uma cena da vida do rei Licurgo da Trácia.

The object of Ancient Rome known as the "Licurgo Chalice", which is currently in the British Museum and has more than 1,600 years of history, is known for its peculiarity: when it is illuminated from the front, it has a jade green color. When lit from behind, it appears to be blood red. The story about the revelation of the "magic" of the chalice that changes color was published in the September issue of the Smithsonian.



The mystery was only revealed in 1990, when researchers scanned small broken fragments of glass under a microscope. They found that the glass contained particles of silver and gold so small that it would take a thousand of them to reach the diameter of a grain of refined salt. The particles were more precisely 50 nanometers in diameter, making the ancient Romans the pioneers of nanotechnology.

When the light strikes the glass, the electrons of the metals contained therein vibrate in a way that changes the color depending on the position of the observer. Researchers imagined that when the cup was filled with liquid, it would change the interaction of the electrons and also the color of the glass.

As it was not possible to fill the relic with liquid to perform experiments, scientists proceeded as follows: they made small holes in a plastic platform the size of a letter seal and spread through the holes gold and silver nanoparticles, just as the ancient Romans had Made in glass of chalice.

When water, oil or sugar solutions were poured into the holes, they had a range of colors that were easy to distinguish - light green for water and red for oil, for example.

The same kind of technology that the Romans learned to use to make art is now used in health. Homemade pregnancy tests involving a color change reaction, for example, use similar principles.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.


A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.





--br
Taça de 1.600 anos que muda de cor já usava princípios de nanotecnologia. O cálice, que foi adquirido pelo Museu Britânico na década de 1950, tem esse nome porque retrata uma cena da vida do rei Licurgo da Trácia.

O objeto da Roma Antiga conhecido como “Cálice de Licurgo”, que está atualmente no Museu Britânico e tem mais de 1.600 anos de história, é conhecido por uma peculiaridade: quando é iluminado pela frente, tem a cor verde jade. Quando iluminado por trás, parece ser vermelho sangue. A história sobre a revelação da “mágica” do cálice que muda de cor foi publicada na edição de setembro da revista “Smithsonian”.

O mistério só foi revelado em 1990, quando pesquisadores analisaram em microscópio pequenos fragmentos quebrados do vidro. Eles descobriram que o vidro continha partículas de prata e de ouro tão pequenas que seria preciso mil delas para alcançar o diâmetro de um grão de sal refinado. As partículas tinham, mais precisamente, 50 nanômetros de diâmetro, o que faz dos antigos romanos os pioneiros da nanotecnologia.

Quando a luz bate no vidro, os elétrons dos metais ali contidos vibram de maneira que alteram a cor dependendo da posição do observador. Pesquisadores imaginaram que, quando a taça estava cheia de líquido, isso alteraria a interação dos elétrons e também a cor do vidro.

Como não era possível encher a relíquia com líquido para realizar experiências, cientistas procederam da seguinte forma: fizeram pequeno furinhos em uma plataforma de plástico do tamanho de um selo de carta e espalharam pelos furinhos nanopartículas de ouro e prata, assim como os antigos romanos haviam feito no vidro do cálice.

Quando soluções de água, óleo ou açúcar eram derramadas nos furinhos, eles apresentavam uma gama de cores de fácil distinção – verde claro para água e vermelho para óleo, por exemplo.


O mesmo tipo de tecnologia que os romanos aprenderam a utilizar para fazer arte é utilizada, hoje em dia, na área da saúde. Testes de gravidez caseiros, que envolvem uma reação de mudança de cor, por exemplo, utilizam princípios similares.

O Museu da Borracha, inaugurado em 1978, é considerado o museu mais antigo de Rio Branco, Acre, Brasil, de acordo com o diretor do Departamento de Patrimônio Histórico e Cultural. --- The Rubber Museum, inaugurated in 1978, is considered the oldest museum in Rio Branco, Acre, Brazil, according to the director of the Department of Historic and Cultural Heritage.

O processo licitatório para as obras do Museu da Borracha, localizado no centro de Rio Branco, devem finalizar, após o prédio ficar com portas fechadas para o público por cinco meses, devido o perigo de um incêndio. A expectativa dos gestores do Departamento de Patrimônio Histórico e Cultural do Acre (DPHC) é que o contrato seja assinado a e as obras sejam finalizadas no próximo mês.



“Teve um curto circuito na parte externa do prédio e após análise constatamos que havia a possibilidade de um incêndio se o prédio não fosse interditado. Nós ficamos com medo e fechamos, porque uma vez perdido aquele acervo nunca mais nós conseguiríamos reavê-lo”, comenta Libério de Souza, diretor do DPHC.
De acordo com o diretor, o processo de licitação é demorado e depende de outros setores do governo estadual. A falta de interesse das empresas de construções, segundo ele, dificultam a situação. “Esses pequenos projetos de R$ 30 a 60 mil as empresa não querem, elas acham que a margem de lucro é muito pequena então não concorrem. Até encontrar uma com interesse, responsabilidade, no nosso caso é demorado”, afirma.
O diretor comentou anda que o prédio está fechado para o público, mas que o setor administrativo continuou trabalhando normalmente e que as pesquisas ao acervo eram feitas, sempre que possível, em outro espaço. “Quando é uma pesquisa muito urgente a gente abre um exceção, explicávamos a situação e o pesquisador fazia o estudo sem utilizar energia na sacada da parte de fora. Os guias de visitação nós distribuímos para outros espaços do estado, como todos estão com equipes pequenas, aproveitamos para tirar as férias pendentes dos funcionários”, explicou.



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.



--br via tradutor do google
The Rubber Museum, inaugurated in 1978, is considered the oldest museum in Rio Branco, Acre, Brazil, according to the director of the Department of Historic and Cultural Heritage.

The bidding process for the works of the Rubber Museum, located in the center of Rio Branco, should end, after the building was closed to the public for five months due to the danger of a fire. The managers of the Department of Historic and Cultural Heritage of Acre (DPHC) expect the contract to be signed and works will be finalized next month.

"It had a short circuit in the outside of the building and after analysis we verified that there was a possibility of a fire if the building was not interdicted. We were scared and closed, because once we lost that collection, we would never be able to recover it, "comments Libério de Souza, director of DPHC.

According to the director, the bidding process is time consuming and depends on other sectors of the state government. The lack of interest of construction companies, he said, make the situation difficult. "These small projects of $ 30 to 60 thousand the companies do not want, they think that the profit margin is very small so they do not compete. Until we find one with interest, responsibility, in our case it is time consuming, "he says.


The director commented that the building is closed to the public, but that the administrative sector continued to work normally and that searches of the collection were made, whenever possible, in another space. "When it is a very urgent research we make an exception, explain the situation and the researcher did the study without using energy on the balcony outside. The visitation guides we distribute to other spaces of the state, as they are all with small teams, we take advantage to take the outstanding vacations of the employees, "he explained.